A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

02/11/2015 14:29

Franquia: a arte de encontrar bons sócios

Por Flávio Imamura (*)

Para as franquias que desejam crescer com solidez, uma das tarefas mais difíceis é escolher seus franqueados - ainda mais quando a economia do país não vai bem. Isso porque, encontrar bons gestores e parceiros, com espírito empreendedor, necessário para operar as unidades da franquia e ainda seguir os princípios da marca, é uma raridade.

Veja Mais
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
Comércio exterior: o que esperar de 2017

O franqueador deve entregar a marca nas mãos de investidores capazes e comprometidos com o resultado.
Além disso, tem como missão treinar e dar todo o suporte para o novo franqueado. Esse apoio é fundamental para que a rede cresça e o franqueado atue de forma tranquila, visando apenas atingir suas metas e objetivos. Trata-se de uma via de mão dupla, onde todo cuidado é pouco. Afinal, cada franqueado torna-se praticamente um sócio da franqueadora. Por este motivo, listei alguns pontos fundamentais antes de assinar a COF.

Escolha bem seu franqueado - Há muitas franquias que querem mais é vender, sem se preocupar com quem está trazendo para a rede. Na nossa, menos é mais. Buscamos qualidade e não quantidade. Quando alguém demonstra interesse em se tornar nosso franqueado, é convidado a passar alguns dias com a gente, conhecendo nossa operação de perto. Mostramos todos os desafios e, se ainda assim houver interesse, falamos sobre valores, ponto de venda, contrato. Antes de passar por uma “prova de fogo”, nada de negociar.

Fique atento à gestão - Ter uma boa equipe e processos de gestão bem definidos é primordial para uma rede de franquia. Na Global Study, nos atentamos muito a isso. Os resultados são perceptíveis. Tratar os franqueados como gestores, e não como meros executores, é importante. Trocar ideias com quem está na linha de frente é sempre enriquecedor. Tem que haver uma relação de muita sinergia, com foco nos resultados.

Motive seus franqueados - Sempre fomos estimulados a competir e, no mundo empresarial não é diferente. Motivar os franqueados é peça fundamental para que eles busquem alternativas para fazer o negócio crescer. Em nossa rede, temos como prática incentivar competições saudáveis interna e externamente, entre diferentes unidades. Assim, os bons resultados deles refletem no negócio como todo, em uma reação em cadeia.

Realize treinamentos periódicos - O conhecimento é fundamental para o crescimento da rede e, para difundir essas informações estratégicas, dá-lhe treinamento! O ideal é que esse processo já seja inserido logo no contato inicial com o possível franqueado. Na Global, realizamos dois treinamentos semanais, um com foco em gestão e outro em produtos. Também fazemos muitas conferências sobre a situação do mercado. Há uma aproximação entre as unidades para um melhor acompanhamento das atividades e resultados, assim como maior suporte e frequência nos treinamentos.

Tomar todos esses cuidados é imprescindível para crescer de forma sustentável. Para a Global Study, a taxa de franquia é a eterna transferência de know how de quem tem mais experiência aos que estão entrando no segmento. Estar atento às tendências do mercado e posicionando a marca para que o franqueado tenha sempre sucesso é uma de nossas principais funções. Trazer produtos adequados, com liquidez e com preços competitivos também faz parte do pacote franqueador.

Todos querem ter uma rede grande, com muitos franqueados. Mas, isso não pode comprometer a qualidade na entrega. Esse tem sido um dos segredos do crescimento da Global Study. Estamos investindo no capital humano e na construção de uma rede sólida - o que só é possível com a escolha dos parceiros certos. Por isso, haja cuidado na hora de encontrar os “novos sócios”.

(*) Flávio Imamura é sócio fundador da franquia Global Study, franquia de intercâmbio.

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions