A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

21/07/2014 13:00

Implosão e explosão durante a Copa

Por Bruno Peron (*)

O Brasil viveu momentos de implosão interna e explosão externa durante a Copa. Enquanto as divisões do país distraíram-se pela exaltação nacionalista, telespectadores do mundo agitaram suas bandeiras para que seus times fossem vitoriosos. O planeta respirou futebol durante um mês. O país festeiro inspirou uma festa universal.

Quando digo que houve implosão interna no Brasil, penso, por exemplo, no viaduto que desabou em Belo Horizonte e vitimou passageiros de um ônibus. Lamento também a falta de segurança em zonas universitárias, como o assalto que pegou estudantes de surpresa no câmpus principal da Universidade de São Paulo assim que a noite chegou. Igualmente, as forças policiais preocuparam-se com furtos de bilhetes para os estádios do campeonato. E, acima de qualquer descontentamento, esteve o das famílias que se desabrigaram com o excesso de chuvas nos estados do Sul do Brasil.

Desastres naturais complementaram infortúnios humanos no ínterim em que o mundo todo esteve de olho na capacidade do Brasil para organizar um grande evento e na receptividade do país. Capas de jornais estrangeiros não deixaram de noticiar alguns pontos fracos da organização da Copa e de acontecimentos que revelam como o Brasil é. Por isso, turistas estrangeiros ouviram as recomendações de seus países para que aproveitassem sua viagem com segurança (USA Fora-da-Lei pediu que evitassem o aluguel de quartos no primeiro andar de hotéis, enquanto Cool Britannia pediu que tivessem cuidado com escorpiões da Amazônia). Não podiam esquecer, porém, que eles mesmos trouxeram barbarismo e selvageria, como o cool britannico comedor de orelhas e turistas que tentaram entrar nos estádios sem que tivessem bilhetes.

As divisões do Brasil são notórias: enquanto muitos só teriam condições de assistir aos jogos da Copa se ganhassem bilhetes, outros comemoram em clubes elitizados onde o preço de entrada e das bebidas seleciona. A única mistura permitida não é de classes senão do uníssono nacionalista. Este, porém, ao mesmo tempo em que integra torcedores de uma nação através do hino e da vitória de sua seleção, desune países que tinham condições satisfatórias para irmandade. É assim que a vaia ao hino do Chile antes do jogo com o Brasil causou descontentamento de chilenos com a falta de educação de segmentos da torcida brasileira. Há um conflito de valores entre ideais integracionistas na América do Sul e a exclusão de perdedores de um campeonato.

Além destes exemplos de implosão interna que houve no Brasil, menciono também o esfriamento dos protestos que tomaram as ruas no início da Copa. Até mesmo os manifestantes acabaram resignando-se às exaltações festeiras e nacionalistas nas cidades-sede dos jogos, embora alguns grupos tenham mudado sua estratégia de fazer reivindicações ao governo. Em vez de fechar vias públicas e enfrentar o sobreaparelhamento das forças policiais, eles lutaram por suas demandas através de frases irônicas, cartazes com imagens comoventes e vestimentas hilariantes.
Esta disposição dos manifestantes levou em consideração que o mundo inteiro esteve de olho no Brasil e que, portanto, nossa mensagem não poderia ser destrutiva e rancorosa. As sutilezas das reivindicações populares foram capazes de questionar os métodos da explosão externa de que o Brasil espera ser beneficiário. Basta que lembremos as campanhas de Lula e Dilma para promover o Brasil no exterior enquanto o investimento e o turismo são faces convencionais de desenvolvimento econômico.

Turistas estrangeiros são bem recebidos no Brasil, porém é necessário que o país acolha primeiramente seus próprios moradores e acredite neles. Portanto a maior campanha ainda está para ser feita no Brasil a favor de equidade social. Muitos acreditam que uma “reforma política” daria um grande passo. Tudo dependerá de que ela signifique.

(*) Bruno Peron, acadêmico e articulista

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions