A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

03/06/2013 11:39

Indigenismo de encomenda

Por Valfrido Chaves (*)

O “conflito indígena” em MS é o resultado de um torpe, nojento processo de manipulação de um povo, por grupos que apostam no conflito étnico e na violência para realizar seus objetivos. Tais grupos são caricaturas, zumbis de Mao Tsé Tung, quando dizia que “o fuzil é a parteira da História”.

Veja Mais
A Odisseia da Chape
Comunicação da qualidade dos alimentos

Mas qual seria o monstrengo que tais grupos estariam partejando? Desculpem-me pela obviedade, mas é aquilo que todos enxergamos, qual seja, a disseminação do ódio,violência, violação de direitos no seio de nosso Estado MS, tudo realizado à sombra do Estado brasileiro, em sucessivos governos. Quando realizam aquelas perversões, entram em transe orgástico, pois se sentem acima do bem e do mal, impactando o direito à propriedade privada e sua segurança juridica.

Tais grupos, ideológicos uns, falsamente religiosos outros, usam as comunidades indígenas como buchas de canhão, até para impedir que indígenas e proprietários se unam para obter, do Estado, solução justa para ambos. Se o problema é terra para o índio, se as propriedades são legitimadas pelo Estado e se o governo tem recursos, porque os governos não a compram? Não tem 6 bilhões para financiar cartel do JBS? Mais de bilhão para porto e verbas secretas para Cuba e África? Milhões para o Mensalão? Quando se definiu o problema e há recursos, não se resolve porque não se quer. E porque não se quer?

Quem conhece de ideologia sabe muito bem: para grupos reacionários, zumbis de uma ideologia fracassada em todo o mundo, grupos esses encastelados no Estado brasileiro, no seio do governo Dilma, o objetivo é provocar ódios e manter o conflito. São herdeiros daqueles que votaram contra a Constituição de 88, contra a eleição de Tancredo, contra o Plano Real, que colocou nossa economia nos trilhos que até hoje nos norteiam.

Mas todos eles tem chilique quando se fala em adquirir as terras de propriedades particulares legítimas, para realizar a expansão das aldeias. Mas, se estancar o conflito, leitor, como continuarão se sentindo poderosos, manipulando pessoas simples e violando direito de quem trabalha, produz e segue as leis? De mais a mais, quem não sabe que o conflito atual serve também para esconder o fracasso da Funai em promover o progresso e bem estar de nossos índios? Nossa população devia fazer turismo nas aldeias e ver as condições de vida de sua população. É por falta de terras? Vai ver a aldeia dos Cadiuéus! As terras invadidas e tomadas há anos em Sidrolandia, com milhares de pés de laranjas plantadas... Não foram arrendadas para gado e o laranjal depredado?

O tema é extenso, leitor, mas não se pode deixar de lembrar que aqueles que manipulam, que permitem manipular, que trabalham contra a reintegração de propriedades legitimas, que são contra a compra de terras para os índios, não são ETs... Estao nos quadros do Estado brasileiro e estão no seio de um governo ao qual não falta autoridade, quando quer. A questão é ideológica, leitor, e a ideologia desses grupos é a promoção do ódio, do conflito e pela impactação da propriedade privada.

O mais é firula, é conversa mole pra boi dormir. Diria ainda, leitor, para as lideranças daqueles escolhidos para pagar pela incompetência da politica indigenista, ou seja, para as lideranças rurais: a lei não acode aos que dormem e, quem muito baixa, mostra o c. A coisa chegou onde chegou, foi principalmente pelo desprezo das lideranças rurais maiores, pela opinião publica, pois o governo nada faz contra a opinião pública. Vamos à luta?

(*) Valfrido M. Chaves é produtor rural e psiquiatra.

A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...
Comunicação da qualidade dos alimentos
É importante que as notícias do agro cheguem de maneira correta aos moradores dos grandes centros urbanos. A maioria destes consumidores de alimentos...
Ponte com o futuro
O agronegócio brasileiro é carta importante no jogo geopolítico mundial. De acordo com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agri...
Tendências e atitudes
Professores e economistas como Simão Davi Silber, Ricardo Amorim, Zeina Latif, entre outros sinalizam melhoras na economia para os próximos anos. Enq...



Essa é a grande e triste realidade desse pais, que ja não me traz esperança de dias melhores, não consigo ser otimista diante de tais governantes e dos cenários que vemos!!
 
daniela dias em 04/06/2013 02:59:47
Esses comentários....."verdadeiros brasileiros"... "euro descendentes"... fala sério!! 80..90% dos brasileiros tem o pé na senzala,na tribo... brasileiro é tranquilo demais, deve ser a mistura de sangue..... enquanto tiver churrasco,cerveja e futebol.. "ta de boa"
Eu não quero essa pagar por essa bandalheira, mas no meu caso tudo me descontam na fonte,tenho direito a bolsa alguma...assim vai!
 
Caio Prado em 03/06/2013 15:35:32
Muito bom mesmo, só esqueceu de dizer da nossa ministra que vai pleitear a governadoria do Paraná nas próximas eleições que conseguiu segurar o problema por lá relacionado as invasões indíginas, mas claro - o interesse existe né
 
Liana Aparecida de Carvalho Arguello em 03/06/2013 14:24:29
Que Roussef, não se omita e que o nosso estado voltem ao convivio pacifico, entre os indígenas, verdadeiros brasileiros e os euro descendentes.
 
Carlos Lamarca em 03/06/2013 14:10:05
Durante muito tempo os Terena foram sendo "amansados", amassados e exprimidos em suas terras. Enquanto que os latifundiários foi tomando conta da região. Não é preciso alguem manipular externamente para que despertassem nos jovens Terena esse espirito guerreiro "adormecido" e retomassem suas terras imemoriais entregue aos "estrangeiros" e derramasse seu sangue pela segunda vez em sua patria (Guerra do Paraguai e assassinato de Oziel. Que esses politico sujos em nosso estado, formados por grande parte de "turcos", tomem cuidados em suas falácias com meneira e desperte um ira coletiva nos Terena e cause um sentimento separatista.
 
Carlos Lamarca em 03/06/2013 14:05:41
Há de saber que essa terra são imemoriais, região dos Guacurus, Lainã, Kininikau (já desaparecidos) e Terena. Em 1866 quando a tropa do Cel. Carlos Camisão, chegaram aqui com soldados mineiros e goianos pra combater os Paraguaios, Os Terena se apresentaram voluntariamente pra lutar nessa tropa brasileira pra defender toda essa região, derramaram seu sangue. Não havia nenhum "donos" de terra por aqui, somente um chacareiro chamado Lopes (guia Lopes). A partir de 1901 com chegada da estrada ferro, começaram aparecer os "estrangeiros" por aqui, foram grilando grandes extensões de terras, com conivência do estado republicando, fundando cidades, criando cartório e titulando essa terras.
 
Carlos Lamarca em 03/06/2013 13:41:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions