A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

28/06/2013 07:00

Índios, fazendeiros e invasões: a história se repete

Por José Pedro Frazão (*)

Quando a Guerra do Paraguai pipocava em nossas fronteiras e o Tenente Alfredo d’Escragnolle Taunay (Toné) com o seu comandante Coronel Manuel Pedro Drago passavam conduzindo a coluna de soldados, vindos do Rio de Janeiro, cortando o centro-oeste e marchando ao pé da Serra de Maracaju pela região pantaneira de Miranda, sobretudo na parte onde hoje é Aquidauana, era para combater uma invasão de terras.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

Taunay, que se apaixonara pela jovem e encantadora índia Antônia e depois descreveu o Rio Aquidauana como “o mais belo do mundo”, deixaria seu nome gravado nestas terras largas, desde os banhados de Rio Negro aos atuais distritos de Piraputanga, Camisão e Taunay, antes de cruzar as vilas de Miranda e Nioaque até chegar ao território inimigo, onde começa a heroica "Retirada da Laguna", finalizada no Porto Canuto (localizado hoje em Anastácio), tudo para combater uma invasão de terras.

Eram os paraguaios que invadiam a fronteira brasileira, nos meados da guerra que travou contra a tríplice aliança (Brasil, Uruguai e Argentina), e os soldados brasileiros, já sob o comando do Cel. Carlos Camisão, marchavam contra dos invasores, apoiados pelos índios guaicurus e terenas, que igualmente deram suas vidas em defesa destas terras. Vale acrescentar que durante a guerra, os negros escravos foram convocados como “Voluntários da Pátria”, também dando suas vidas pelas terras brasileiras, iludidos pela promessa imperial de receberem terras de uma sonhada partilha agrária. Da mesma forma, os índios lutaram voluntariamente ao lado dos militares, com o mesmo objetivo: proteger as terras mato-grossenses, onde foram os primeiros a chegar.

Depois do conflito, índios e brancos contabilizaram terras de sobra onde passaram a viver em paz. Mas, aldeias e latifúndios cresceram lado a lado, promovendo desigualdades. E da mesma forma que os soldados negros viraram apenas heróis e quilombolas, os índios viram suas terras – que já ocupavam antes da guerra – serem engolidas pelas fazendas que avançaram cercas e ganharam títulos de propriedade muitos dos quais até hoje questionados.

Ao lado dos 980 soldados (brancos e negros) que morreram nessa “reintegração de posse” determinada em 1875 pelo Imperador Dom Pedro II contra o Paraguai em nossa região, muitos índios deixaram de constar no diário de Taunay. E hoje, uma nova guerra se trava, não mais contra o inimigo invasor, mas entre amigos, contra a invasão silenciosa do latifúndio nas aldeias, e a invasão barulhenta das aldeias nos latifúndios, gerando reação e disputas que só terão fim quando o “novo império” da República fizer valer a justiça e a igualdade de direito entre irmãos, antes que outro país nos obrigue a reunir novamente brancos, negros e índios para defenderem outra vez as mesmas terras.

É preciso construir um mundo igualitário para todos os diferentes, a partir de uma atitude séria e humanista do governo federal para com a demarcação de terras indígenas no Brasil, tantas vezes retardada e modificada. Não basta definir o direito territorial originário dessas comunidades; é preciso ter urgência, respeito e cumprir a Constituição Brasileira, demarcando as áreas e indenizando a quem de direito, evitando mais conflitos desnecessários.

Amplos estudos antropológicos e multidisciplinares já foram feitos, e o que se vê é omissão e falta de vontade do Governo Federal, que só age movido pelo sofrimento dos povos indígenas ou pelo prejuízo dos produtores rurais, quando o certo seria acionar o Ministério da Justiça, para fazer andar os processos administrativos de demarcação iniciados há mais de quinze anos (desde a publicação do Decreto 1775/96), com dezenas de casos em que as terras já foram identificadas, na maioria com as pendências judiciais resolvidas.

Mas o processo discriminatório contra o índio já existe antes dessa e de outras guerras e teve continuidade após esta última, com a partilha das terras indígenas aos colonos e até a militares no pós-guerra.

Desta forma, tanto a invasão da Fazenda Buriti, em Sidrolândia, quanto da Fazenda Esperança, no distrito de Taunay, em Aquidauana, tem o mesmo conteúdo histórico e político em desfavor da população indígena. A primeira é considerada pelo governo como terras de ocupação do povo terena; a segunda, de outra forma, pertenceu a eles. E embora se exijam indenizações do governo para os proprietários e mais respeito dos índios em suas operações, as invasões não deixam de ser uma reação lamentável e ao mesmo tempo natural contra o poderoso sistema opressor, que escraviza o índio, mantendo-o cada vez mais confinado em reservas cercadas de latifúndios que aniquilam gradativamente seus valores ancestrais, sua força, seus direitos, sua cultura, sua dignidade e sua sobrevivência.

A possível comercialização das terras retomadas pelos índios não procede, pois, segundo a Constituição Federal, a terra de ocupação não é escriturada para os índios, mantendo-se propriedade da União. Nesse caso, o índio é apenas um usuário, não podendo vender, arrendar ou transferir, o que, de certo modo, garante ao país, a preservação da área com mais garantia de sustentabilidade, tornando-a reserva ecológica.

Os Terena, tradicionalmente pacíficos e agricultores, são abundantes no Mato Grosso do Sul e predominam o pantanal de Aquidauana. São originários do Chaco Paraguaio e pertencem ao tronco linguístico Aruaque. Durante a guerra foram nossos aliados ao lado dos cavaleiros Guaicurus, a quem eram submetidos bélica e culturalmente. Após a guerra se desestruturaram, espalhando-se em cidades e fazendas, mas, em Aquidauana, mantêm-se em bom número vigiados e protegidos pelos morros e pantanais. Com dificuldade, mantêm suas tradições, como dança culinária e artesanato, e quase perderam o idioma terena, dominado pelo Português. Com a sua produção agrícola também abalada, muitos índios trabalham sazonalmente em plantações diversas e criação de gado na região.

Estudos registram nove etnias indígenas em MS: além dos Terena, existem remanescentes de Guarani, Kaiowá, Kadiweu, Kinikinau, Atikum, Ofaié, Kamba e Guató. No município de Aquidauana há nove aldeias rurais e uma urbana, todas terena, incluindo o distrito indígena de Taunay (em homenagem ao oficial d’Escragnolle Taunay, herói da Guerra do Paraguai). A prefeitura construiu na cidade uma feira exclusiva para os índios expandirem seus produtos, sendo que a mulheres também são vendedoras ambulantes.

No município de Anastácio, a cidade se desenvolveu em torno de uma aldeia urbana, que leva o nome de sua matriarca, Umbelina Jorge. Essa comunidade hoje luta para se tornar urbanizada e reduzir o impacto social do aculturamento evidente. No entanto, é uníssono na “Aldeinha” (como é chamada) o desejo de se conquistar, além das melhorias urbanas, uma área rural apropriada para o cultivo e outras atividades silvícolas. Assim, a história das invasões se repete, acrescida da discreta invasão das cidades pelos índios.

(*) José Pedro Frazão é professor, jornalista, romancista e poeta membro da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



Acho que a Mônica não soube interpretar o texto, pois sua resposta não condiz com a interessante explicação histórica do professor Frazão. Eu sou fazendeira e concordo com o professor.
 
Maria Eduarda em 06/07/2013 23:28:41
Lamentável que o jornalista considere a invasão de terras pelos indígenas uma reação "natural". Acaba por justificar uma atitude ilegal e violenta com argumentos revanchistas na linha das comissões da verdade que campeiam no país.
A Fazenda Esperança está na família desde 1873 e foi adquirida de um já segundo proprietário; sua escritura manuscrita menciona a aquisição de uma sesmaria; o regime de sesmarias foi extinto em 1822 e as terras foram regularizadas na vigência da Lei de Terras de 1850. O que os indígenas pleiteiam é uma ampliação de sua atual reserva.
O Brasil de hoje não pode mais ser conivente com demandas impostas por meio da força e da ilegalidade.
 
Mônica Corrêa em 28/06/2013 08:25:00
muito bem lembrado profº. José Pedro Frazão , realmente tudo depende do Governo Federal, fazer andar os direitos de todos...
 
maria alves em 28/06/2013 08:17:25
Não podemos questionar uma realidade que "está na cara": para que indio quer terra? No sul de nosso estado, os índios que receberam terras agricultáveis simplesmente as arrendam para produtores, que pagam para produzir, enquanto os índios passam os dias sem fazer nada...então, pergunto de novo: PARA QUE ÍNDIO QUER TERRA?

TENHO DITO
 
Eugenio de Souza em 28/06/2013 07:34:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions