A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

07/06/2013 10:20

Inflação: alarme falso

Por Paulo Teixeira é Guilherme Mello (*)

“O preço do tomate já recuou e desapareceu da pauta da mídia e dos financistas. Da mesma forma, o terror inflacionário desaparecerá até o final do ano, diante do recuo gradual e consistente da inflação”.

Veja Mais
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
Elementos da teoria da decisão

Recentemente, criou-se na mídia a percepção de que voltamos a viver um período de alta inflação. O tomate, símbolo do terrorismo inflacionário, desencadeou uma série de imagens politicamente orientadas.

Declarações de políticos interessados, empresários preocupados e banqueiros revoltados tomaram as páginas dos jornais e revistas, soando o alarme de emergência e criando um ambiente de desconfiança sobre a política econômica. Passado o espanto inicial, resta-nos saber se o alarme soado é real ou se foi apenas um alarme falso.

Primeiramente, é importante recordar que a média do IPCA, desde que se instalou o regime de metas em 1999, foi de 6,7%. Excluindo-se os anos do governo FHC (com inflação média de 8,77%), a inflação média dos últimos dez anos foi de 5,87%.

A inflação ficou abaixo da meta atual (fixada em 4,5% com banda de variação de 2%) apenas nos anos de 2006, 2007 e 2009. A previsão é que a inflação encerre 2013 em 5,8%, abaixo da média histórica e da taxa verificada em 2012, dentro da banda da meta inflacionária e com perspectiva de queda para 2014.

Em segundo lugar, é necessário analisar as causas da inflação atual. Além de fatores estruturais, como a indexação dos preços, a oligopolização de alguns setores produtivos, os elevados custos de logística e a positiva elevação da média salarial do trabalhador, a inflação recente está fortemente influenciada por fatores sazonais, como choques de oferta (devido a quebras de safra), a elevação no preço de algumas commodities e o repasse da desvalorização cambial de 2012. Uma vez passados estes choques, a inflação tende a retomar para um patamar mais próximo ao centro da meta.

Por fim, a atitude firme do governo, colocando o combate à inflação como objetivo inegociável da política econômica e tomando medidas para controle da carestia (como a desoneração da cesta básica), cristalizam a certeza de que não há risco.

O preço do tomate já recuou e desapareceu da pauta da mídia e dos financistas. Da mesma forma, o terror inflacionário desaparecerá até o final do ano, diante do recuo gradual e consistente da inflação. Assim como na pretensa “crise energética” propalada por parte da imprensa e pela oposição, o alarme, novamente, é falso.

(*) Paulo Teixeira é deputado federal pelo PT-SP e secretário-geral do Partido dos Trabalhadores e Guilherme Mello é economista e pesquisador do Centro de Estudos de Conjuntura e Política Econômica (Cecon)/Instituto de Economia da Universidade de Campinas (Unicamp).

Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...
Embarque comprometido
O Brasil está entre os cinco melhores mercados de aviação doméstica, mas há quase dois anos vem perdendo demanda por conta do cenário econômico. Só e...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions