A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

24/02/2015 09:23

Internet e inteligência artificial: estamos preparados para cyberattacks?

Por Dane Avanzi (*)

Não obstante aos maciços investimentos de gigantes da tecnologia, a Internet das Coisas pode demorar mais tempo para florescer - ao contrário do que as estimativas mais otimistas alardeiam. A dificuldade não é a tecnologia em si, nem os hábitos das pessoas, que facilmente se acostumam a situações que facilitam sua vida.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

Da porta dos laboratórios para dentro tudo pode ser resolvido com trabalho e pesquisa. O problema é da porta para fora. Refiro-me ao lado negro da força. Conhecidos como hackers, eles têm sido um pesadelo para todos os usuários de internet: generais, banqueiros, chefes de Estado e até mesmo donas de casa.

De todas as indústrias que investem pesado em projetos de Internet das Coisas, a mais adiantada é a automobilística. Tanto que, hoje, veículos sem condutores já são uma realidade, fato que nos coloca na ante-sala da Inteligência Artificial.

No entanto, a Internet das Coisas terá um longo caminho até tornar-se uma realidade e de fato se incorporar à vida das pessoas. De todos os desafios hoje enfrentados, a questão da cybersecurity é a mais difícil a ser resolvida. Semana passada, assistimos a mais um capítulo dessa história com a publicação de um relatório conclusivo emitido pelo Senador Edward J. Markey, sobre a segurança e privacidade dos proprietários de veículos automotores dos Estados Unidos da América. Hoje, nos Estados Unidos, todos os veículos possuem algum tipo de dispositivo wireless embarcado e nativo de fábrica.

O relatório tem por base um questionamento encaminhado a vinte montadoras de veículos com sede nos Estados Unidos, em 2013, sobre as boas práticas e políticas das empresas com relação à resiliência dos ataques de hackers. O documento também alerta quanto à proteção de informações sobre históricos de hábitos e trajetos de seus consumidores. As respostas não foram nada satisfatórias. Quanto à política de privacidade de informações, metade (50%) declarara que coleciona informações sobre trajetos de seus clientes de modo off-line, 25% o fazem em tempo real, 6% não colecionam informações e 19% se abstiveram de responder.

Quanto à questão de resiliência a cyberattacks, somente dois fabricantes de veículos foram capazes de demonstrar que possuem meios eficazes de monitorar e responder a um ataque de vírus ou malware. Em veículos de última geração, um cyberattack pode ser devastador, permitindo ao hacker praticamente fazer qualquer coisa no veículo, como controlar freios, direção ou abrir portas, por exemplo. Um cyberattack foi simulado por um hacker que conseguiu controlar o veículo completamente.

Em suma, nos EUA foi comprovado pelo Senado que a segurança e a privacidade do cidadão estão seriamente comprometidas em razão da inconsistência e insuficiência de processos, procedimentos e políticas em relação aos temas questionados.

Tais questões, privacidade e segurança, são apenas dois pequenos riachos que terminam por desaguar no rio principal da Internet das Coisas, onde existe um mar de perguntas hoje sem respostas. A principal delas é: qual o impacto desse cenário não tão distante para a humanidade? Devemos considerar que o natural avanço dos computadores os tornará capazes de pensar e tomar decisões.

Segundo mentes privilegiadas, como Stephen Hawking e Bill Gates, a Inteligência Artificial pode significar o fim da raça humana ou, no mínimo, um grande risco para a humanidade, tal qual conhecemos hoje. Tal debate não é atual e foi objeto de estudo de Nietzsche (em "Assim falou Zaratustra") e de Arthur C. Clarke (em 2001: Uma Odisséia no Espaço). Assim como os homens da pré-história evoluíram para o que somos hoje, o que virá depois do além-homem? Eis o que está de fato em discussão quando falamos sobre Internet das Coisas e Inteligência Artificial.

(*) Dane Avanzi é empresário, advogado e vice-presidente da Aerbras - Associação das Empresas de Radiocomunicação do Brasil.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions