A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

21/11/2012 14:29

Investimentos ferroviários

Por Creso de Franco Peixoto(*)

Ferrovias são artérias econômicas de qualquer país de dimensões continentais. Em distâncias de transporte de carga superiores a 100 km, preferíveis. Superiores a 500 km, imbatíveis. Trem não é contraponto a caminhão. Complementam-se. Caminhões concentram carga, composições ferroviárias as carreiam. A intermodalidade gera custo de transbordo que desaparece na economia de escala, sob os baixos custos operacionais ferroviários. Transporta-se uma tonelada por ferrovia por um quarto da energia necessária na rodovia. Reduz frete, ampliam-se fronteiras comerciais.

Veja Mais
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Um galo para Asclepius

No Brasil da Copa, o frete tem valor semelhante tanto sobre asfalto ou trilhos, em função dos riscos econômicos das empresas ferroviárias e do reduzido investimento público em ferrovias convencionais. A deterioração ferroviária, em função do tráfego acumulado por décadas e reduzida manutenção, inviabiliza composições de passageiros. Trilhos desgastados no boleto, nome técnico do topo do trilho, reduzem sua resistência. À medida que o trem se desloca mais rápido, martela mais a linha e aumentam-se esforços. Para fechar perigosa equação, reduz-se a velocidade, suprimem-se trens de passageiros.

Há trecho ferroviário paulista que opera a 5 km/h, onde outrora reluzentes trens da Companhia Paulista imprimiam velocidade suficiente para atrair passageiros e servir de referência para acertar relógios. A viabilidade para trens de carga se mantém, afinal, basta aumentar o número de vagões para compensar a baixa velocidade. Lenta composição de carga em longos percursos, atrasos consideráveis, sem ar condicionado e vagões escuros. Mesmo assim, seus ocupantes não reclamam. Geram lucro.

Empresas ferroviárias tendem ao prejuízo caso a via atenda exclusivamente passageiros. A rentabilidade dos trens de passageiros é menor do que para carga, em função da obrigação de cumprimento de horário, staff de bordo, segurança maior e menor receita por massa transportada.

Troquem-se trilhos e dormentes. Renivele-se o lastro. Renasce o trem interurbano. Confiável, velocidade média superior à da rodovia, horários precisos. Seguro, raríssimos acidentes em sistemas bem mantidos e adequadamente operados. Confortável, espaço para caminhar. Agradável, apenas a virada na folha de jornal derruba a taça ao lado, em mesinhas cujo diminutivo é injusto, ao se lembrar daquelas dos aviões cujo projeto prioriza encostar pessoas para reduzir tarifas.

Imagine-se a viagem entre capitais. Densidade de passageiros a viabilizar densa grade de horários, composições de carga nos intervalos. Carro restaurante. Cansativo dia de trabalho amenizado, sem congestionamento aeroportuário ou o estresse típico da decolagem. E não se trata de trem bala. A construção de linha de trem-bala custa mais de 25 vezes a de velocidade normal.

O custo operacional proporcional à energia consumida, onde, a cada aumento de velocidade, aumenta-se a energia consumida de forma cúbica. Chegou, inclusive, a gerar estudos de encerramento do serviço em sistema asiático, porque sua tarifa não conseguia fazer frente aos ônibus ou aviões. Exige injusto subsídio. Não há necessidade de trem tão rápido, enquanto as imensas prioridades de transporte nacional não forem solucionadas. E basta trem convencional. Afinal, a velocidade máxima operacional em linhas comuns é muito maior do que em qualquer rodovia nacional. Aos menos crédulos, a memória do recorde de velocidade em antiga linha ferroviária brasileira, 164 km/h.

(*)Creso de Franco Peixoto é professor do curso de Engenharia Civil do Centro Universitário da FEI (Fundação Educacional Inaciana) e mestre em Transportes.

Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...
Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...



Até não entendi o fechamento do ramal Campo Grande/Ponta Porã. Um ramal que passa pela região de maior produção de grãos do estado, interligando ainda com Itahum. Alem de que, um trem de turismo nos finais de semana para Ponta Porã, saindo a noite de Campo Grande, tirararia milhares de automóveis das rodovias. Os gênios criaram um trem do Pantanal , que deveria ser, trem próximo ao Pantanal, com algum glamour, mas que não faz jus ao nome. Que o trem volte já!!!!!
 
Alcenair Nobre Costa em 21/11/2012 16:02:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions