A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

24/11/2011 07:05

Juízes são pressionados pelos anseios sociais

Por Carlo Velho Masi*

O professor doutor Eugenio Raúl Zaffaroni, ministro da Suprema Corte Argentina, está em Porto Alegre, a convite da Faculdade de Direito da UFRGS, para ministrar uma aula na Pós-graduação em Direito Penal e Política Criminal desta universidade, bem como palestrar no salão nobre da faculdade sobre o polêmico tema da Criminologia Negacionista. A coordenação do evento é do desembargador aposentado e professor Odone Sanguiné.

Veja Mais
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Um galo para Asclepius

Zaffaroni é hoje inegavelmente um ícone do Direito Penal Liberal em nível mundial, sendo estudado com profundidade em diversos países europeus. No Brasil, sua influência também é incontroversa, tendo o professor escrito diversas obras sobre o direito penal brasileiro com juristas nacionais de renome, como José Henrique Pierangeli e Nilo Batista, além de inúmeros artigos acadêmicos, sobretudo em parceria com o Instituto Brasileiro de Ciências Criminais.

Dentre os temas debatidos, destacaram-se os processos de surgimento de diferentes inimigos sociais ao longo da história, o que culminou num chamado Direito Penal do Inimigo. Na ótica de Zaffaroni, hoje verifica-se um retrocesso aos debates inaugurados pela escola de Kiel no início da 2ª Guerra Mundial, que encarava o delito como uma violação do dever social, sendo, por isso, todos os delitos tidos por omissivos.

Marcou esse encontro também uma postura firme pela inconstitucionalidade dos crimes de perigo abstrato, meras violações da norma.

Avaliando o movimento de recodificação verificado na legislação penal da América Latina – inclusive no Brasil, que tem um projeto em avançado estágio de novo CPP e já instalou comissão para elaboração de novo CP – Zaffaroni destacou a grande influência da mídia sobre os legisladores e os reflexos verificados nos deficientes projetos apresentados. Para ele, a necessidade de mudança legal é fruto de uma Política Criminal imposta pelos EUA, que enfrenta a maior crise econômica de sua história, o que remete ao caos de seus “sistema” carcerário, reputado o pior do mundo, com aproximadamente 2,5 milhões de presos e 5 milhões de apenados cumprindo algum tipo de medida alternativa.

Abordou, ainda, a repercussão disso no Poder Judiciário, afirmando que os juízes de hoje sentem-se pressionados a julgar conforme os anseios sociais. Para Zaffaroni, em última análise, não é o momento histórico adequado para reformas, eis que o entrechoque de diferentes correntes punitivistas ameaça corromper ainda mais um sistema já em ruínas. “Diante dessas circunstâncias, melhor seria simplesmente deixar tudo como está.”

É inegável uma postura pessimista, que, aliás, verificamos disseminada pelo meio acadêmico em geral. As perspectivas deveras não são nada boas, mas o que nos pode consolar é que o momento presente é de transição, transformação de ideias e profunda alteração de valores. Não se sabe aonde chegaremos, porém é possível prevenir o regresso. A mácula do nazi-fascismo ainda é muito presente na humanidade, mas, um dia, sem dúvida, será superada.

Das discussões travadas, emerge, enfim, a indagação (que fica lançada aos membros da Comissão encarregada da elaboração do novo Código Penal): será possível congregar os interesses de grupos tão distintos para se atingir um objetivo legiferante unificador? Hoje, tive a notícia de que, para Eugenio Raúl Zaffaroni, talvez um dos poucos realmente autorizados a emitir uma opinião fundamentada e isenta, a resposta é, de momento, negativa.

No dia em que a UFRGS foi avaliada pelo MEC como a melhor instituição de ensino superior do Rio Grande do Sul e 3ª melhor do Brasil, a presença desta ilustre personalidade, disputada à exaustão, em ano de eleições na Argentina e em meio aos escândalos concernentes a seus imóveis em Buenos Aires, este foi mais um evento marcante na agenda do ano de 2011 para as Ciências Criminais no estado.

(*) Carlo Velho Masi é advogado criminalista, membro do Escritório Weinmann de Advocacia, bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela PUCRS, pós-graduando em Direito Penal e Política Criminal pela UFRGS, sócio do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM) e do Instituto Brasileiro de Direito Penal Econômico (IBDPE).

Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...
Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...



Concordo que não é o momento para reformas, eis que os legisladores não estão preocupados com os anseios sociais, pois se um vagabundo é flagrado furtando sua residência, ele paga fiança e é posto em liberdade. O que se vê é o poder público se esquivando da sua obrigação, deixando o problema para a sociedade resolver: se virem ai com esse marginal!!! Brasil.
 
Renato Moura em 24/11/2011 11:56:21
Não ignoro a sabedoria em parte dos mais experientes, no entanto, Toda Lei anterior a 20 anos, obrigatoriamente tem que ser revista e atualizada nos crimes atuais, combinando com a globalização de tudo: internet, sofisticação do crime e outros. O doutor não estar levando em consideração a realidade de hoje. Fica criando leis de imediato e confunde a cabeça do povo e nada cumpre. Sejam objetivos.
 
luiz alves pereira em 24/11/2011 08:49:28
Juizes pressionados pelos anseios sociais? engraçado o nósso juiz aqui de Campo Grande não se sentiu pressionado coisa nenhuma ao proferir uma sentença absolutória no caso SIQUEIRA AUTOMÓVEIS. ao contrário, deixou a população Sul Matogrossense muito revoltada com éssa linha minoritária de pensamentos de alguns magistrados na hora de sentenciar a causa desse caso concreto em tela
 
AMILTON ALMEIDA em 24/11/2011 08:02:04
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions