A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

23/02/2012 09:04

Lendo Manoel de Barros

Fábio Coutinho de Andrade (*)

Lendo Manoel de Barros vêm-me à mente imagens de um passado não tão distante. A família reunida na fazenda de meu tio em um feriado qualquer, os peões fazendo a sangria dos bois para alimentar a churrasqueira, a festa a correr solta e nós, crianças, a brincar com moldes de argila, retirada da represa que corria ao fundo.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

O descanso da tarde convidava-me a caminhar pelos arredores, ora a pé, ora a cavalo, sozinho ou acompanhado pelos primos, enquanto os adultos faziam a sesta. Não muito longe dali estacávamos os cavalos para um refresco na límpida cachoeira, tendo o cuidado de prender o cabresto de nossas montarias em um ramo qualquer, pois o caminho de volta seria longo, se feito a pé.

As noites eram animadas, com o estalar das madeiras em brasa na churrasqueira, que nunca cessava, e que conduzia um aroma característico pelo ar, do qual eu gostava e que ainda hoje me recordo com muita nitidez. O frescor da noite nos convidava à quietude do repouso e dormíamos ao som dos grilos, sapos e outros habitantes desse estranho mundo.

Pela manhã o cheiro do café já me acordava e, à mesa, doces caseiros, leite tirado na hora e fervido, o qual eu sorvia quase de um gole só e, após me refestelar, perguntava a Dondô, peão local, se meu cavalo já estava arriado. “Sim”, me respondia, “tá pronto, faltante só amarrar a barrigueira”. E lá ia eu preparar o animal para mais um dia de andança ou de corrida com quem se dispusesse a tal.

Por vezes ia espiar os adultos pescando na lagoa, atividade a qual nunca fui muito afeito, embora gostasse de apreciar o sabor dos pintados e pacus na hora do almoço, pegos naquela manhã. Outras vezes, avançando a tarde, encontrava algum tio empolgado pelo ritmo das músicas e da festa e ouvíamos um tiro, desferido em direção ao alto. Finda a festança cada um retornava às suas habituais ocupações, na espera de uma reunião próxima.

Imagens que não me fogem da mente de. Mas ficou-me a lição e a memória de dias felizes, resgatados, parcialmente, nas páginas do livro do poeta Sul-Mato-Grossense Manoel de Barros. Sim, Manoel, eu também, em criança, “vi um incêndio de girassóis na alma de uma lesma”.

(*) Fábio Coutinho de Andrade é advogado.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions