A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

13/10/2011 09:57

Livre formatação da maldade

Por Valfrido M. Chaves (*)

Acabo de ver na TV um filme deveras deprimente, considerando suas possíveis conseqüências sobre muitos psiquismos, bem como a ausência de avaliação crítica da sociedade sobre tais desdobramentos.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Tudo se passa como se fora algo que não fosse mais do que um mero e inocente entretenimento, apenas de gosto duvidoso. A trama que se desenvolve, em síntese, seria de um jovem numa situação de vida em que se sente desimportante, com baixa auto-estima, humilhado, sem perspectivas.

Por voltas que o cine dá, nosso personagem é cooptado por uma irmandade de assassinos profissionais na qual, por fim, torna-se o chefão. Termina o filme, após eliminar o antigo chefão, com uma frase lapidar: “agora eu estou no controle”!

Os astros são de categoria, carismáticos, possibilitando forte identificação do público com eles. Pois bem, o que se coloca então é isto, caro leitor: quais os desdobramentos de um filme desses em personalidades pré-mórbidas, egos frágeis, pré-psicóticos, como aquele infeliz que promoveu aquela chacina na escola do Realengo?

Afirmo com absoluta tranqüilidade que tais enredos e identificações são etapas fundamentais no psiquismo de alguns, antes desses assassinatos através dos quais se sentem poderosos, onipotentes. Qualquer estudante de Psicologia ou Psiquiatria sabe disso, caro leitor.

Portanto a sociedade o sabe. Sabe mas não encara, não discute, pois tal discussão passaria por um tema tabu, proibido: alguma censura sobre meios de comunicação, coisa que, também, é horrível.

Isso posto, perguntaríamos: qual a saída? Como encontrá-la sem discussão e sem apoio às famílias para que tenham subsídios e possam criar crianças mais saudáveis? Fala-se muito na escola, parecendo haver forte tendência em querer responsabilizá-la pelo destino das crianças.

Na política de proteção à criança é indiscutível haver mais preocupação com um jovem que está aprendendo a trabalhar com a família, do que com aquele que faz ponto numa boca de fumo. Nunca ouvi alguém que não veja essa realidade, mas nada a modifica.

Como as coisas nunca estão suficientemente ruins para que não possam ficar piores, pergunto ao leitor se ele vê em algum ponto qualquer sinal de que nossa sociedade vá encarar a questão da proteção de nossa juventude de modo efetivo, concreto e não apenas através dos abomináveis discursos politicamente corretos e ideológicos, eficientes apenas no sumidouro de verbas.

Nunca desejei tanto estar equivocado quanto a um ponto de vista, leitor, como neste momento. Torçamos para que assim seja.

(*) Valfrido M. Chaves é psicanalista.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions