A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

16/09/2013 09:37

Maturidade

Por Heitor Freire (*)

O que é maturidade? Segundo o Aurélio, numa definição poética, é “a fase do ciclo vital de um lago na qual se registra certo equilíbrio entre o recebimento e a perda de suas águas”. Ou seja, quando ocorre a maturação, quando após uma vida de lutas, de conquistas, de perdas, de sucessos, de insucessos, de realizações, se atinge o momento em que se pode olhar para trás e avaliar tudo o que se fez.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

Hoje, é cada vez maior o número de pessoas que atingiram esse estado, o que está proporcionando um novo nicho de mercado voltado para o atendimento delas. Assim se criaram grupos de pessoas definidos como da terceira idade, e que se dedicam a criar meios de diversão, como viagens, clubes de dança, etc.

À medida que a população mundial envelhece, a sociedade depara-se com um problema inexistente até o século passado. Pessoas ainda no vigor de sua potencialidade margeiam o mercado de trabalho, aposentam-se em pleno momento de pujança intelectual e caem em uma vida sedentária e desmotivada. Nada mais esperam; recolhem-se, e, muitos, caem na solidão. Vida é movimento. Deus está no movimento.

Com o foco voltado para essa faixa etária, a professora Maria Ângela Coelho Mirault Pinto, doutora em comunicação, começou a pesquisar o que aconteceu na França, na década de 70 quando começaram a elaborar projetos nas universidades, como cursos de extensão voltados para proporcionar aos aposentados a oportunidade de continuar os estudos ou iniciar novos interesses na área cultural. Foi um sucesso.

Com base nessa pesquisa e também num levantamento da possível clientela aqui em Campo Grande, a professora Maria Ângela, criou a FAMA – Faculdade Aberta da Maturidade de Mato Grosso do Sul, visando exatamente proporcionar às pessoas com esse perfil uma nova visão que lhes permitam acrescentar um pouco de filosofia, sociologia e estudos de linguagem. Trata-se de um empreendimento educacional direcionado ao adulto em idade madura, cujo interesse é voltado para a atualização de conhecimentos e de vivências. O projeto tem como consultoras pedagógicas as professoras Ângela Maria Costa e Neila Osório Barbosa.

Para tornar realidade a FAMA no campo acadêmico, foi firmado um convênio com o Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul. A parceria firmada determina que no campus seja oferecido, como principal produto educacional, o curso regular de Educação Continuada em Atualização Cultural e Integração Social, com a duração de dois anos, e com carga horária de seis horas, a ser desenvolvida em dois dias letivos semanais.

Além do campus acadêmico, outras atividades complementares serão oferecidas no Campus de Psicomotricidade (na Rua Rodolfo José Pinho, no Núcleo Ideia Viva). Além de serem opcionais aos matriculados, estas atividades serão abertas ao público externo e não acadêmico da FAMA. São elas: oficinas de fotografia digital, terapias florais, nutrição e dietas, etiqueta, marketing pessoal, empreendedorismo, administração de finanças pessoais, qualidade de vida, exercícios físico-funcionais, psicodrama, psicomotricidade, mobilidade e corporeidade.

Desse modo, abrem-se perspectivas maravilhosas e atraentes que irão enriquecer a vida das pessoas maduras. Os cursos serão ministrados por professores altamente qualificados. O primeiro é de extensão em linguagem e consciência da palavra, que será ministrado pelo professor Hildebrando Campestrini, presidente do Instituto Histórico e Geográfico, já no próximo mês de outubro.

O professor Campestrini, com mais de 50 anos de experiência no ramo do ensino, vai ensinar como refletir sobre os obstáculos e, a partir de então, desenvolver a eficiência na Comunicação Interpessoal, com a seguinte abordagem: A consciência da palavra, a responsabilidade na emissão e na recepção da mensagem comunicada, a linguagem como reflexo da personalidade, a linguagem como veículo de preconceito e como conseguir uma comunicação interpessoal eficiente.

O professor Campestrini após sua aposentadoria, como diretor de comunicação do Tribunal de Justiça do nosso estado, tem se dedicado a ministrar cursos de linguagem em diversos tribunais de Justiça do Brasil, bem como nos tribunais de contas. Ou seja, é um profissional qualificado que estará à disposição dos alunos da FAMA para contribuir para o enriquecimento das pessoas da maturidade. O campus acadêmico ficará sob minha coordenação. É mais um desafio e mais uma realização.

Termino parafraseando o professor Campestrini: “o conhecimento é genérico; o saber é particular”.

(*) Por Heitor Freire corretor de imóveis e advogado.

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions