A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

29/11/2014 14:22

Meio século de filantropia

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

As instituições assistenciais ou filantrópicas nasceram da necessidade de completar serviços que o poder público não consegue cobrir. Com a complexidade da vida moderna, a importância dessas entidades aumentou, principalmente nas áreas de vulnerabilidade social, localizadas, em sua maioria, nas periferias das grandes cidades. O sociólogo Herbert de Souza, o Betinho – um dos maiores ícones brasileiros na área assistencial – dizia que as entidades de Terceiro Setor são “comitês de cidadania e surgiram para ajudar a construir a sociedade democrática com que todos sonham”.

Veja Mais
Chacina e colapso nas prisões brasileiras
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio

Um desses papéis é desempenhando pelo CIEE, ao longo dos últimos 50 anos. Fundado por empresários e educadores, nasceu de um sonho de desenvolvimento social e da perseverança de um grupo de empreendedores que enxergaram a necessidade da formação de jovens para inseri-los com mais qualidade no ambiente do trabalho. Foi assim que o CIEE proporcionou a entrada de milhões de jovens no mercado por meio do estágio e da aprendizagem.

Para atender as exigências corporativas, o CIEE criou cursos de capacitação presenciais para desenvolver aptidões, orientar os jovens nas escolhas profissionais e qualificar melhor os estudantes para as empresas. Do desenvolvimento desse trabalho surgiram outros, como a alfabetização e suplência de jovens e adultos, um programa que visa alfabetizar e dar continuidade aos estudos para o ensino fundamental e médio, que já beneficiou mais de 50 mil pessoas. A educação à distância também se destaca entre os programas de caráter educativo e social, pois viabiliza a democratização do ensino, dando a oportunidade aos jovens, de áreas longínquas, estudar com o mesmo conteúdo daqueles que vivem nas grandes cidades. O programa do CIEE nesta área já conta com mais de 2,4 milhões de matrículas.

A aprendizagem também é hoje um dos carros-chefes do CIEE. Em uma parceria com a Fundação Roberto Marinho, o Aprendiz Legal capacita 65 mil jovens talentos em milhares de empresas por todo o país. Ao longo de meio século, mais de 15 milhões de jovens já se beneficiaram dos serviços e das ações sociais que o CIEE realiza pelos quatro cantos do país.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Chacina e colapso nas prisões brasileiras
Nestes poucos dias do Ano da graça de 2017, o Brasil e o Mundo viram estarrecidos o massacre brutal de cerca de pelo menos 134 detentos, dentro das p...
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions