A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

03/08/2013 09:50

Meta é acabar com os lixões até 2014!

Ana Cristina Franzoloso (*)

Com a Política Nacional dos Resíduos Sólidos, cerca de 3 mil lixões deverão ser fechados no próximo ano (2014), conforme dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). No Brasil, mais da metade dos municípios ainda possuem lixões, problemática em constante debate na Conferência Municipal do Meio Ambiente em Campo Grande.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Soluções imediatas tornam-se metas, estas que somente serão realizadas com diagnósticos, elaborações, implementações e execução de projetos voltados para os fins específicos.

São inúmeras vertentes para execuções de projetos, focando primeiramente os aterros sanitários, onde apenas 27% das cidades possuem (IBGE 2008). Aterros Sanitários necessitam ser implantados de forma correta, dentro das normas e vigência.

Na sequência a coleta seletiva como ferramenta primordial para a destinação dos resíduos, afinal não há como não produzir lixo (resíduos), mas há como diminuirmos essa produção, reduzindo o desperdício, reutilizando sempre que possível e separando os materiais para a coleta seletiva.

Essa destinação correta dos resíduos somente torna-se eficiente quando, levados aos aterros somente os rejeitos e reciclado os resíduos restantes. Vale salientar que na média são 70% os resíduos que podem sofrer novo processo de produção e entrar no mercado como produto novo.

O Brasil produz cerca de 190 mil toneladas de resíduos sólidos por dia, sendo apenas 1,4% reciclado formalmente. Se os resíduos fossem reciclados ou reaproveitados poderiam valer em média cerca de R$ 8 bilhões por ano em receita.

A extinção dos lixões torna-se meta por meio da Política Nacional dos Resíduos Sólidos, porém proporciona infinitas possibilidades de novos mercados, novos produtos, geração de renda, além de nova postura de atuação relacionada à educação ambiental.

(*) Ana Cristina Franzoloso é professora do curso de Administração e pós graduação do Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions