A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

08/04/2013 11:17

Ministério Público e o “poder-querer” de investigar

Por Leandro Vasques (*)

“Nem a Constituição nem a própria Lei Orgânica do MP preveem que os agentes ministeriais possam inves-tigar crimes” Está na pauta diária a discussão sobre a PEC 37/2011. Trata-se de um projeto de emenda recentemente aprovado na Câmara dos Deputados que visa clarear que a atividade investigativa criminal é de competência indelegável da polícia.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

Os que defendem que o Ministério Público deve possuir o poder de investigação se valem de um argumento que é construído na “interpretação lógica” do art. 129, VI, da CF/88 e do art. 80 da lei 8625/93, bem como da análise do parágrafo 4º, do art. 144 da Constituição, que, segundo alegam, não confere à polícia o monopólio da investigação.

Além disso, sustentam que soaria absurdo o MP poder requisitar diligências à autoridade policial e não poder fazê-lo por conta própria. Não obstante o hercúleo esforço dedicado pelos defensores de tal entendimento, ouso divergir.

Alguns se socorrem de argumentos sobre o combate à criminalidade do colarinho branco, outros se referem que ao se “retirar”os poderes investigatórios do MP seria atar a ação dos operosos integrantes daquela instituição.

Impõe-se, contudo, esclarecer algo que gravita a discussão nacional. Não se trata, na verdade, de “retirar” poderes investigatórios criminais do MP, mesmo porque ele não os tem.

Tal dedução é de clareza solar, bastando se compulsar a legislação vigente. Nem a Constituição Federal nem a própria Lei Orgânica Nacional do MP preveem que os agentes ministeriais possam investigar crimes. O que é há é uma mera resolução (não votada pelo Congresso Nacional) emanada pelo Conselho Nacional do Ministério Público.

Ademais, detalhe pouco comentado é o de que durante os debates na Assembleia Nacional Constituinte de 1987, nada mais do que sete emendas que visavam destinar poderes investigativos ao MP foram rejeitas, numa eloquente demonstração da vontade do chamado “constituinte originário”.

É inegável que a diligente ação de representantes do MP tem emprestado uma valiosa e inestimável contribuição à sociedade, no entanto forçoso é reconhecer que a atuação do Ministério Público nas investigações criminais não possui nenhuma autorização legal.

Recorde-se que tanto a autoridade policial quanto o representante do MP possuem idêntica formação acadêmica, portanto, em tese, o delegado de Polícia é portador da mesma capacidade/probidade do promotor de Justiça ou do procurador da República.

Convenhamos, antes de discutir-se sobre conferir ao MP poderes investigatórios, impõe-se que, primeiro, se destine ao aparelho policial, de forma satisfatória, condições e meios para exercer seu poder investigatório.

(*) Leandro Vasques é advogado criminal, mestre em Direito pela UFPE.

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



A BANDIDAGEM DE VÁRIADOS MATIZES NÃO PODE PROSPERAR COM A COMPLACÊNCIA DAQUELES QUE NÃO DESEJAM VER A MORALIDADE INSTALADA NO BRASIL. A PEC 37 SE DIRECIONA CONTRA OS INTERESSES DA SOCIEDADE. O MP E A MÍDIA TÊM PRESTADO UM GRANDE SERVIÇO À NAÇÃO DELATANDO AS FALCATRUAS POLÍTICAS NAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS. TRATA-SE DE DISCUSSÃO ACADÊMCA JURÍDICA MENOR EM RELAÇÃO AO RESULTADO POSITIVO DA INVESTIGAÇÃO DO MP. O PRESIDENTE DO STF JÁ SE POSICIONOU CONTRA A PEC 37.
 
Júlio Cardoso em 08/04/2013 21:47:38
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions