A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

17/06/2014 08:08

Missão Salesiana: muito antes da polêmica "do Sul"

Por Lúdio da Silva (*)

120 anos de história. Muito antes da polêmica “do Sul” quando o Mato Grosso era um só, os salesianos chegaram a uma região rica em florestas, minério, terras fartas e férteis e...índios em profusão. Qualquer bom historiador e jornalista não pode falar desses dois estados irmãos sem curvar-se ao trabalho e heroísmo de muitos salesianos que por aqui tornaram reais os sonhos de Dom Bosco.

Veja Mais
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia

Faço parte desta história desde 1977 quando entrei no pré-aspirantado do Patronato Santo Antônio em Coxipó da Ponte, Cuiabá-MT. Desde essa época convivo com os salesianos como pré-aspirante, aspirante, noviço, estudante de filosofia, professor e colaborador. Pude constatar na prática a santidade de muitos padres e irmãos consagrados que dedicaram e dedicam suas vidas ao “dai-me almas” de Dom Bosco.

Nas missões indígenas não podemos esquecer o trabalho incansável dos irmãos Luiz e Franz, mestres Paulinho e Euclides, que construíram estradas, pontes e mini usinas de energia para os Bororo e Xavante, deixando marcas de heroísmo pontuado pelo sangue de missionários como o padre Rodolpho Lunkenbein.

O gosto pela música tão próprio dos salesianos foi plantado por mestres como padre Francisco Czapla e mestre Bombled da banda “furiosa” do Patronato, passando pelo padre Osmar Bezutte, mestre Fernando e pela Banda Symbolum, liderada pelo padre Gildásio Mendes, atual Presidente da Missão Salesiana em Campo Grande, ainda na década de 90. Bandas de música, orquestras, corais e conjuntos musicais foram os responsáveis pela revelação de muitos artistas que ainda hoje despontam no cenário musical brasileiro.

E o teatro? Esse sempre teve um espaço de destaque na Educação Salesiana. Ainda com dez anos comecei a interpretar clássicos dirigidos pelo mestre Bombled e depois mestre Altair, nas salas de espetáculos no Patronato, Lagoa da Cruz e Colégio Dom Bosco. Do mega espetáculo “Jesus Cristo Superstar”, passando pelo musical “Morte e Vida Severina” ou ainda pela comédia “Sete Moleques Num Quintal”, encantavam plateias e serviam para espantar o medo de encarar o público e desenvolver a oratória.

O gosto pelo esporte foi trazido pelos padres italianos, espanhóis e alemães que, a exemplo de Dom Bosco, arregaçavam a batina para correr com os alunos nos oratórios, escolas e aldeias indígenas. As escolas sempre foram grandes praças esportivas com crianças, adolescentes e jovens correndo atrás de uma bola. S. João Bosco já dizia: “é no pátio que conhecemos quem verdadeiramente são os nossos alunos”. Ginásios, campos de futebol e quadras poliesportivas foram plantados em todos os lugares e se tornaram celeiros de craques nas várias modalidades.

Escolas, faculdades e universidade construídas pelos Salesianos foram responsáveis pela formação de dezenas de milhares de jovens que consolidaram o sonho da fronteira de desenvolvimento do extremo oeste brasileiro e também no interior do Estado de São Paulo. Os ex-alunos salesianos sempre estiveram presentes na administração pública em todos os níveis e na iniciativa privada levando em frente o mote salesiano de “formar bons cristãos e honestos cidadãos”. Na universidade os grandes mestres salesianos como padres Walter Bocchi – “Reizinho”, Félix Zavattaro – “papai” entre muitos ou ainda padres Marinoni e Martinez fizeram história e transformaram a desbravadora FUCMT na UCDB, uma das principais universidades da Região.

Que maravilha escutar as histórias do mestre José Veronese - “Mata Onça”, ouvi-lo cantar nos boas-noites da Chácara São Vicente e sofrer e sarar com suas receitas milagrosas como o “santo alho”. O gosto pela Língua Portuguesa começou com o padre Leal e foi purificado pela leitura, estudos e verdadeiras batalhas literárias proporcionadas pelo padre Afonso de Castro com nossos mestres Fernando Pessoa, Camões – “As armas e os barões assinalados” e Machado de Assis, entre outros. Utilizando a paisagem deslumbrante da Lagoa da Cruz gravamos dezenas de poesias dos grandes mestres da Língua Portuguesa ainda na década de 80: “vozes veladas, veludosas vozes”, “café com pão, café com pão, que é isso maquinista?”.

Com certeza São João Bosco, lá de cima, sorri de contentamento vendo as obras plantadas por seus filhos nesses 120 anos. A Missão Salesiana continuou unindo os dois estados que a política teimou em separar, trazendo junto todo o oeste de São Paulo, potencializando uma região que já não é mais um projeto, mas sim uma grande realidade no cenário nacional.

(*) Lúdio da Silva é formado em Filosofia e Jornalismo, com Mestrado em Educação – Trabalha no Colégio Salesiano Dom Bosco de Campo Grande – MS.

 

Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...
Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions