A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

21/04/2015 13:17

Momento de incertezas

Por Milton Lourenço (*)

Para superar os estragos causados pelo governo anterior, a atual administração vem procurando adotar medidas que vão desde a redução de gastos públicos até uma tentativa atabalhoada que visa a aumentar a arrecadação. O resultado, por enquanto, depois de cem dias de novo governo (se é que se pode definir assim), é de muita incerteza e prejuízos para vários segmentos, como o dos pequenos empresários, que são os mais atingidos pelos ajustes fiscais que buscam aumentar tributos.

Veja Mais
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
Elementos da teoria da decisão

É verdade que até agora o governo pelo menos não criou nenhum novo imposto, mas, em compensação, já deixou claro que vai aumentar alíquotas do Imposto de Importação e o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), medidas que independem de negociações com o Congresso e que podem ser tomadas por meio de decreto.

Para piorar, se a escalada do dólar vem favorecendo alguns tradicionais exportadores, por outro lado, tem prejudicado indústrias como as do setor químico que são obrigadas a comprar insumos no exterior. Sem apoio do governo passado, muitos fornecedores deixaram de produzir insumos no País, o que só contribuiu para que o produto nacional perdesse competitividade no mercado externo. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), em 2005, 10% do mercado era suprido por insumos importados, mas hoje esse índice já está em torno de 35%.
Em sua sanha fiscal para reequilibrar as contas públicas, o governo avançou até contra o Regime Especial de

Reintegração de Valores Tributários para Empresas Exportadoras (Reintegra), que, bem ou mal, estimulava os setores exportadores. Como se sabe, o Reintegra, criado em 2011, devolvia uma alíquota de até 3% do faturamento das empresas exportadoras como compensação por impostos cobrados na cadeia produtiva. Mas, entre as suas primeiras medidas, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, tratou de diminuir o teto dessa alíquota para 1%.

Diante de tantos cortes de incentivos, tampouco há boas possibilidades de se ganhar novos mercados a curto prazo, ainda que a atual administração tenha revisto a política suicida dos três governos anteriores que apostava em mercados emergentes, enquanto deixava de lado os Estados Unidos, o maior mercado do planeta. Só que agora recuperar o espaço perdido vai exigir tempo e, principalmente, uma readequação interna para que a indústria nacional volte a oferecer àquele mercado produtos manufaturados e semimanufaturados a preços competitivos.

Está na hora, portanto, de o governo fechar o saco de maldades e começar a criar as condições necessárias para aumentar o fluxo das trocas comerciais, a partir da assinatura de novos acordos comerciais e outras iniciativas.

(*) Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC). E-mail: fiorde@fiorde.com.br. Site: www.fiorde.com.br.

Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...
Embarque comprometido
O Brasil está entre os cinco melhores mercados de aviação doméstica, mas há quase dois anos vem perdendo demanda por conta do cenário econômico. Só e...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions