A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

29/04/2015 08:47

Morte? Socorro...

Por Heitor Freire (*)

Existe um sentimento comum a todos os seres humanos: a busca de sua identidade intrínseca, a descoberta do seu eu. Quem eu sou? Nessa sede inexaurível desaber, vários são os caminhos percorridos pela humanidade ao longo dos tempos.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

Eu também percorri e percorro alguns caminhos com essa finalidade. De formação católica, fui crismado aos 28 anos. Em determinada época de minha vida, fui atraído pela Umbanda. Frequentei terreiros e aprendi os fundamentos dessa religião brasileira, conhecida pela prática da incorporação mediúnica de entidades do plano espiritual. Essa experiência acabou despertando minha atenção para a espiritualidade e para o espiritismo

A doutrina espírita tem sido uma constante em minha vida desde então, e me aprofundou no entendimento da reencarnação, que considero a única explicação lógica para toda a diversidade de situações que vivem os seres humanos.

Encontrei na Seicho-No-Ie a alegria. É uma religião de origem nipônica que hoje se encontra difundida de forma extensiva em nosso país.

Na Congregação da Casa de Oração recebi ensinamentos que me orientam até hoje.

Na Ordem Rosacruz e na Maçonaria encontrei os fundamentos esotéricos que lastreiam os meus procedimentos e que abriram a minha compreensão para o sentido da existência. Ali conheci Hermes Trismegisto, que me ensinou a Lei de Uso: “O conhecimento e a riqueza devem circular”.

Por último e não menos importante, encontrei o Ho’oponopono, ensinamento da religião huna do Havaí que se baseia no amor, fundamentado no “Sinto muito;Me perdoa; Por favor;Obrigado; Eu te amo”.

Na realidade, todas as religiões se encontram numdenominador comum: o amor.

Enfim, desse caldeamento todo extraí uma filosofia de vida que me dá segurança e que me deu tranquilidade para entender a realidade da vida. E para não temer a morte.

Em todas as latitudes, em todos os tempos, em todos os continentes, em todas as raças sempre houve um temor generalizado no que se refere à morte.

Ninguém quer morrer, embora todos saibamos que, mais cedo ou mais tarde, morreremos. Ninguém escapará. Então, por que esse medo? Penso que é o temor de perder o que se conquistou do lado de cá, a incerteza do que nos espera do outro lado e o medo de encarar o julgamento.

Grande parte de nós já sabe que a morte não significa o fim, mas apenas uma passagem para um outro estado e a cada momento, mais se confirma a certeza da sua inexorabilidade.

Quanto mais o tempo passa, com a morte de parentes e amigos,vamos aumentando do outro lado o comitê de recepção que irá nos receber.

Pensando na redação deste artigo, encontrei um poema de Santo Agostinho, “A Morte Não é Nada” que retrata bem o meu pensamento e que transcrevo a seguir:

“A morte não é nada.
Eu somente passei
para o outro lado do Caminho.

Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês,
eu continuarei sendo.

Me deem o nome
que vocês sempre me deram,
falem comigo
como vocês sempre fizeram.

Vocês continuam vivendo
no mundo das criaturas,
eu estou vivendo
no mundo do Criador.

Não utilizem um tom solene
ou triste, continuem a rir
daquilo que nos fazia rir juntos.

Rezem, sorriam, pensem em mim.
Rezem por mim.
Que meu nome seja pronunciado
como sempre foi,
sem ênfase de nenhum tipo.
Sem nenhum traço de sombra
ou tristeza.
A vida significa tudo
o que ela sempre significou,
o fio não foi cortado.

Porque eu estaria fora
de seus pensamentos
agora que estou apenas fora
de suas vistas?

Eu não estou longe,
apenas estou
do outro lado do Caminho...

Você que aí ficou, siga em frente
a vida continua, linda e bela
como sempre foi”.

Uma boa vida e uma boa morte para todos.

(*) Heitor Freire, corretor de imóveis e advogado.

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions