A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

19/12/2011 15:45

Muito além do futebol

Por Gil Cordeiro Dias Ferreira*

Muito mais do que uma aula de futebol, o Barcelona nos deu ontem uma demonstração de sua imensa capacidade gerencial. Sim, de Planejamento e Gestão Estratégicos - como organizar, comandar, coordenar e controlar recursos humanos, materiais, financeiros e tecnológicos na busca de um objetivo comum, que a todos engrandeça.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Aula de Gestão pelo Conhecimento, em suas duas vertantes - a do Sistema, ou Inteligência Negocial (saber de seus pontos fortes e fracos) e a do Ambiente, ou Inteligência Estratégica (conhecer as variáveis e os atores do ambiente e as oportunidades e ameaças que oferecem).

Aula de eficiência - jogar bonito -, de eficácia - ganhar o jogo - e de efetividade - manter-se permanentemente apto a jogar bonito e a ganhar o jogo.

Aula de Qualidade Total, de Reengenharia, de Just-in-time, de Equipes Zap. Aula de benchmarking, eloqüentemente definida por seu técnico Guardiola, ao dizer que treinou o time para jogar dessa maneira - tocando magnificamente a bola -...porque seus pais e avós sempre lhe disseram que "era assim que os brasileiros jogavam".

Aula de humildade, de desprendimento, de saber colocar o interesse coletivo muito acima do individual, sem estrelismos, sem individualismos, num esquema tático de futebol total, holístico - o "3-7-0" que de repente vira "3-0-7" ou "10-0-0". Não há escalações típicas - zagueiros, meias, pontas, centro-avantes - todos fazem de tudo, o que há é um time de 112 anos chamado Barcelona.

Muito mais do que nos ensinar a jogar futebol, como reconheceu Neymar, o Barcelona nos abriu os olhos para o primado da Educação - sim, seus jogadores são preparados, desde as equipes dentes-de-leite, não apenas técnica e fisicamente, mas também filosoficamente, de forma a compreenderem o real significado do encantamento que o esporte proporciona.

Essa Educação que já tivemos no Brasil, não só no esporte, mas em tudo, do Maternal à Universidade, e da qual um dia nos afastamos, tornando-nos esse Reino de Avilan que a mídia retrata diuturnamente, com seus mensalões, sanguessugas, nepotismos, propinas, superfaturamentos e sabe Deus mais o quê.

E antes de perguntar ao Barcelona, como fez um repórter hoje, "que futebol invencível é esse, afinal?", caberia mais indagar se seus jogadores são admitidos por meio de quotas para alguma "minoria", ou por indicação de algum político, ou por pressão de algum sindicato, ou por exigência de algum partido, ou por conchavos entre empresários corruptores e dirigentes corruptos, ou por alguma dessas "espertezas" que vicejam no Brasil que "adora levar vantagem em tudo". E que, logo após o jogo, foram deixadas a nu pelo próprio Muricy Ramalho, técnico derrotado do Santos: se algum time brasileiro jogasse com o esquema do Barcelona, seria caso de polícia. SIm, Muricy, casos de polícia são os que mais têm freqüentado nossos noticiários, na política, na economia, no social, no ambiental, na ciência e tecnologia...e no futebol.

Ou aprendemos essa lição de vida agora, com o Barcelona, ou continuaremos a levar, em todos os nossos campos de atividade - particularmente na Copa de 2014 - chineladas ainda mais dolorosas que a do gol de Ghighia, no Maracanã, em 16 de julho de 1950.

(*) Gil Cordeiro Dias Ferreira é administrador

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



todos estão vendo só o barceçona, mas estamos nos esquecendo do fato mais infantil desse jogo, não se fas linha de quatro zagueiros sem ter no minimo dois cabeças de area, e o santos toma tres gols identicos, com esse erro bizarro , dai em diante sem moral deichou de jogar com garra
 
antonio rocha em 21/12/2011 02:57:06
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions