A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

18/03/2011 06:03

Multa por atraso na rescisão das domésticas

Por Plínio Rubert Gardin (*)

Um dos problemas crônicos do Direito do Trabalho consiste no fato de não existir na legislação trabalhista previsão de aplicação de sanção aos empregadores que não pagam as verbas rescisórias dos empregados domésticos em prazo fixado, como ocorre para os empregados comuns (art. 477, § 8º da CLT), assegurando a estes o direito a uma multa, de um salário, por atraso no pagamento da rescisão do contrato.

Infelizmente, a jurisprudência trabalhista majoritária, inclusive dos TRT’s e TST, não tem reconhecido esse direito aos domésticos, fundamentados em que tal dispositivo não se aplica à categoria por força do art. 7°, “a” da CLT, e também na ausência de disposição legal a respeito na lei que regulamenta a profissão dos domésticos - Lei 5859/72.

Em meu modesto sentir, não é esse o melhor e mais justo tratamento dispensado a questão, porquanto o objetivo do legislador ao instituir a precitada multa foi, por óbvio, retirar do empregador o poder potestativo de saldar a rescisão a qualquer tempo, dada a sua natureza alimentar e, na época da criação da multa (CLT, 1943) as empregadas domésticas sequer possuíam direitos assegurados pela legislação do trabalho, pois a realidade do vínculo doméstico era absolutamente distinta da atual, onde hoje muitas domésticas são chefes de família, pagam alugueres e sustentam a casa - veja-se a meteórica evolução dos seus direitos - muito próximos dos assegurados aos trabalhadores comuns.

Desse modo, entendo não ser mais justificável a distinção, em se tratando de proteção legal, finalidade máxima de todo o arcabouço jurídico laboral.

Deveras, não se deve confundir direitos trabalhistas desiguais com desigualdade de proteção, na medida em que ambos são empregados e dependentes de seus salários, pois entender-se em contrário implicaria em grande afronta a princípios constitucionais e basilares do Direito do Trabalho.

Nessa linha de raciocínio, penso que a inexistência de dispositivo acerca deste direito não constitui óbice à sua aplicação, porquanto o nosso ordenamento jurídico dispõe de mecanismos eficazes para uso do magistrado no preenchimento de eventuais lacunas da lei, como por exemplo, a analogia legal, perfeitamente adequada ao caso em comento.

Com efeito, se “o direito comum será fonte subsidiária do Direito do Trabalho naquilo que não for incompatível com os princípios fundamentais deste” (art. 8°, CLT) e se “na aplicação da lei, o juiz atenderá aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum" (art. 5º, LICC) e, ainda, se é certo que “o Juiz não se exime de sentenciar ou despachar alegando lacuna ou obscuridade da lei” (art. 126, CPC) não é menos certo que pode, e no caso, entendo que deve, fazer uso da analogia legis a fim de integrar a lei, em homenagem aos princípios da plenitude do ordenamento jurídico e da proteção do trabalhador.

Assim, lançando-se mão deste remédio, considerado como “o processo em que o aplicador do direito busca uma norma que se aplique a casos semelhantes” por dedução lógica, deve o juiz estender o preceito legal, transportando a vontade da lei aos casos em que a letra do texto não o fez, eis que inexiste desigualdade jurídica essencial justificável entre essas categorias.

Com esses argumentos, sugere-se ao aplicador do direito uma cuidadosa reflexão acerca do seu importante papel na sociedade e da utilidade de seus provimentos, sepultando de vez a injusta distinção para efeitos de proteção, penalizando os maus empregadores que não saldam em tempo hábil as verbas rescisórias dos domésticos, a par de que a violação de princípios é mais grave que a violação de regras e que o “humus social” a fonte básica da criação das normas jurídicas.

(*) Plínio Rubert Gardin é analista judiciário do TRT da 24ª Região.

Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...
Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...



Amigo, a quanto tempo. Estou matando as saudades lendo seu artigo na internet.
Parabens e estamos vivos vui ?
 
Peri L R M Barros em 30/12/2011 11:42:07
Parabéns Plinio!!! Como sempre você mostra seu conhecimento e a sua vontade de melhorar o pais.
 
Anie Mesquita em 23/03/2011 05:09:04
é verdade minha mãe é domestica e trabalhou por mais ou menos 13 anos em uma residência e quando saiu deu o que fazer pra receber e tem mais uma coisa o dinheiro que ela pegou 900 reais por todo esse tempo de serviço que vergonha cade os doutores pra defender as domesticas porque essa lei da clt e uma vergonha discriminan as empregadas domesticas porque elas não tem direito a nada fgts só se for da vontade do empregador isso não existe nós que somos trabalhadores assalariados trabalhamos pensando em fazer algo se formos dispensados do trabalha com a rescisão tyrabalhista mas as domesticas não da pra comprar nem um sacolão com anos e anos de trabalho por conta da lei que ampara elas porque verdadeiramente a lei ampara é os patrões.
 
josé roberto em 18/03/2011 10:43:02
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions