A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

14/09/2011 10:44

Multishow, Ferrero e a palavra “melhor”

Por Edson Moraes (*)

Antes que algum patrulheiro me espinafre, quero avisar que nada tenho contra a arte e os artistas bregas. Ao contrário: no rol de minhas preferências musicais há dezenas deles. Posso citar Odair José. Quando eu era adolescente, já o considerava um revolucionário. Não pela opção talvez filosófica, talvez moralista ou religiosa, do “Pare de tomar a pílula”, mas pela coragem de escrever canções como “Eu queria ser John Lennon um minuto só” ou “Deixe essa vergonha de lado”.

A intelectualidade patrulheira da época, inclusive alguns ícones da esquerda com quem convivi anos depois na militância política, estigmatizou o Odair José de “cantor das empregadas”, alienado, brega, vulgar. E não era nada disso. Hoje, esses mesmos carimbadores malucos reconhecem que a breguice do inspirado goiano alcançava sensibilidades inacessíveis aos requintes semânticos e engajados das composições de então.

Odair fazia e cantava músicas de direita muito mais essenciais às pregações revolucionárias que a própria esquerda de Chico, Caetano, Gil & Cia, sem necessariamente arriscar-se ao cadafalso do exílio forçado ou à afiada tesoura da Dona Solange, matrona do serviço da Polícia Federal encarregada de decidir o que podia e o que não podia ser cantado, gravado, interpretado e exibido nos palcos, nas rádios e tevês.

Curti e curto Odair José, Marcos Roberto, Jerry Adriani, Moacyr Franco, Wanderléia, José Roberto, Wanderlei Cardoso, José Ribeiro, Amado Batista, Golden Boys e adjacências, sem que os remeta ao plano da excelência cultural. Mas é difícil concordar que um canal de tevê como o Multishow eleja a voz e a interpretação do Di Ferrero (NX Zero) como as credenciais de melhor cantor do ano. Aí é demais. Pior: no mesmo concurso, os jurados do Multishow poderiam ter escolhido como melhor música uma certa “Fugidinha”, de Michel Teló.

Se o prêmio fosse outorgado tendo como critério o sucesso de público e de mídia das canções e intérpretes, nada a opor. No amplo e variado espaço de manifestações que a produção artístico-cultural permite, há sol para todos, uns mais que outros, pela própria competência ou pela sagacidade e poder das máquinas de marketing a seu serviço. Dessa forma, Di Ferrero, NX Zero, Michel Teló e quesandos mereceriam e merecem prêmios de intérpretes e de músicas mais ouvidas ou de maior sucesso.

Será que o canal Multishow leva a sério o compromisso de fornecer boa e correta informação ao público? Minha dúvida reside numa constatação: o prêmio é dado aos melhores. Quem recorrer ao dicionários, às fontes léxicas e etimológicas, verá que melhor significa: de superior qualidade ou valor; o que é considerado superior a tudo e a todos; o de forma mais perfeita. Melhor a expressão que significa “mais forte”, parida do grego mala, traduzida como “muito mais”. Sua raiz está associada ao latino optimus, composição redundante entre o prefixo ob (à frente) e o sufixo superlativo tumos (muito à frente).

Este modesto articulista acredita que o vocábulo melhor deveria expressar conteúdo e qualidade, não a forma, a superfície, o tecido imediatista da massificação publicitária e comercial que fabrica mitos e sucessos da noite para o dia com a mesma facilidade com que os condena ao ostracismo. Não é à toa que sucessos retumbantes dessa indústria surgem e desaparecem meteoricamente.

A quantidade de discos vendidos, de shows contratados, de inserções nas rádios e de aparições nos canais de tevê não indica que a arte esteja sendo contemplada. Que me perdoem os que consideram arte a repetição enfadonha e comercialmente cômoda de clichês frásicos e melódicos em grande ou maior parte das músicas executadas hoje no Brasil. Por preguiça, incapacidade ou “estratégia” comercial, as gravadoras e os compositores estabeleceram com os marqueteiros do sistema uma reserva de mercado para a mediocridade. Plantam um figurino “bonitinho” para os intérpretes e impõem um repertório ao qual bastam três ou quatro acordes e um refrão “forte”, quase sempre na base do “se você me deixar eu vou morrer de dor”. Genial, não?

Cadê a criação? Muito pouca, salvo as raríssimas exceções. E arte é criação. Como buscar e encontrar o melhor de uma arte sem que se possa desta avaliar sua capacidade de criação? Por conseguinte, o melhor cantor e a melhor cantora deveriam ser submetidos à avaliação de qualidade na afinação, no timbre, na entonação, na extensão vocal… Tais qualidades são olímpica e comercialmente ignoradas no concurso Multishow. E se esses requisitos fizessem parte do concurso, certamente enorme parcela de concorrentes estaria eliminada por antecipação.

Nada contra Di Ferrero, Michel Teló, Luan Santana e demais e dignos representantes de um espaço musical vigoroso no Brasil. Lutaram muito para alcançar o proscênio dos palcos. Eles chegaram onde queriam e são felizes assim, sem se importar com o enquadramento num palco em que o conteúdo criativo da arte e da cultura vale menos que o número de discos vendidos e os alucinados gritinhos das tietes.

(*) Edson Moraes é jornalista, poeta e blogueiro (www.edsonmoraes.jor.br).

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



Sr. Edson, FANTÁSTICO é pouco para o seu artigo, parabéns !!! O sr. exteriorizou muitíssimo bem o que penso dessa fase digamos...confusa(confusa?!?!?!?), da música brasileira.
 
Lincoln Cortez em 14/09/2011 11:59:55
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions