A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

30/07/2012 09:25

Não vos afobeis, por Heitor Freire

Por Heitor Freire (*)

As incertezas da vida moderna estão a exigir das pessoas uma atividade cada vez mais opressiva, gerando perplexidade e determinando uma ação apressada, sem muita reflexão. Vivemos os tempos da ambiguidade, do paradoxo. Vivemos fugindo do momento presente, procurando alcançar num futuro imprevisível o que não conseguimos agora. E assim, não vivemos nem aqui nem lá.

Veja Mais
Embarque comprometido
Travessia sustentável

Carlos Drummond de Andrade, com a sua sensibilidade de grande poeta, assim se manifestou:

“Não serei o poeta de um mundo caduco.

Também não cantarei o mundo futuro.

Estou preso à vida e olho meus companheiros.

Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.

Entre eles, considero a enorme realidade.

O presente é tão grande, não nos afastemos.

Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história, não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida, não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.

O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente”.

Drummond sintetizou assim, uma fórmula, uma lição clara e verdadeira de viver a vida: no presente.

A afobação que caracteriza estes tempos provoca uma grande frustração e angústia. No Livro dos Provérbios, há uma orientação muito precisa no capítulo 19, v.2: “Não adianta agir sem refletir, pois quem apressa o passo acaba tropeçando”. Não vos afobeis porque a morte é certa, proclama um dito popular. Pitágoras, em seus Versos de Ouro, verso 16, proclama: “Mas lembra sempre um fato, o de que a morte virá a todos”.

Mas a morte em si, longe de ser uma ruptura, um fim, representa apenas e tão somente uma ponte que liga esta terra maravilhosa com o mundo espiritual onde receberemos de acordo com os nossos merecimentos e que representa o nosso verdadeiro futuro. Queiramos ou não. Saibamos ou não.

O que realmente devemos fazer é nos preparar para esse momento e essa preparação passa necessariamente pelo que diz a poesia do Drummond, viver o momento presente, porque nele e somente nele podemos atuar de forma consciente e criteriosa, agindo com sabedoria.

Socorrendo-nos mais uma vez no poeta maior, transcrevo mais uma contribuição dele:

“A cada dia que vivo mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade”.

O noticiário diário está repleto de situações de furtos e de roubos que se repetem constantemente, assustando a população que, acuada, não sabe como reagir, como se cuidar, como se prevenir.

A orientação geral dada pelas autoridades policiais é a de que em situação de assalto, não se deve reagir, buscando pelo menos, preservar a vida. Vão se os anéis, mas ficam os dedos. O difícil é praticar esse ensinamento.

Juvenal Arduini, em seu livro DESTINAÇÃO ANTROPOLÓGICA, proclama: “A vida é a resposta maior aos inquietantes desafios de nosso tempo. As decisões que irão plasmar o futuro do mundo hão de acolher, projetar e cultivar a vida humana, como núcleo primacial.

Só haverá antropologia, e, consequentemente, só haverá ética, a partir do momento em que se tenha a sabedoria de decifrar “a marca do homem” na vida, ainda que seja miúda, ainda que seja vida severina”.

É isso aí.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado

heitorfreire@heitorfreire.com.br

Embarque comprometido
O Brasil está entre os cinco melhores mercados de aviação doméstica, mas há quase dois anos vem perdendo demanda por conta do cenário econômico. Só e...
Travessia sustentável
O Relatório Anual do FMI (Fundo Monetário Internacional), sobre a situação econômica de seus países-membros, saiu em novembro do ano passado e projet...
Hoje eu me lembrei...
Nestes tempos conturbados que estamos vivendo, em que muitos buscam um culpado para eximir-se de suas responsabilidades, em que nos esquecemos que no...
Sistema carcerário brasileiro clama por ajuda
O ano começou com uma bomba relógio, que já ‘tic-tateava’ há muitos anos, explodindo. As rebeliões em presídios de todo o Brasil deixaram mais de 120...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions