A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

30/07/2012 09:25

Não vos afobeis, por Heitor Freire

Por Heitor Freire (*)

As incertezas da vida moderna estão a exigir das pessoas uma atividade cada vez mais opressiva, gerando perplexidade e determinando uma ação apressada, sem muita reflexão. Vivemos os tempos da ambiguidade, do paradoxo. Vivemos fugindo do momento presente, procurando alcançar num futuro imprevisível o que não conseguimos agora. E assim, não vivemos nem aqui nem lá.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Carlos Drummond de Andrade, com a sua sensibilidade de grande poeta, assim se manifestou:

“Não serei o poeta de um mundo caduco.

Também não cantarei o mundo futuro.

Estou preso à vida e olho meus companheiros.

Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.

Entre eles, considero a enorme realidade.

O presente é tão grande, não nos afastemos.

Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história, não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida, não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.

O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente”.

Drummond sintetizou assim, uma fórmula, uma lição clara e verdadeira de viver a vida: no presente.

A afobação que caracteriza estes tempos provoca uma grande frustração e angústia. No Livro dos Provérbios, há uma orientação muito precisa no capítulo 19, v.2: “Não adianta agir sem refletir, pois quem apressa o passo acaba tropeçando”. Não vos afobeis porque a morte é certa, proclama um dito popular. Pitágoras, em seus Versos de Ouro, verso 16, proclama: “Mas lembra sempre um fato, o de que a morte virá a todos”.

Mas a morte em si, longe de ser uma ruptura, um fim, representa apenas e tão somente uma ponte que liga esta terra maravilhosa com o mundo espiritual onde receberemos de acordo com os nossos merecimentos e que representa o nosso verdadeiro futuro. Queiramos ou não. Saibamos ou não.

O que realmente devemos fazer é nos preparar para esse momento e essa preparação passa necessariamente pelo que diz a poesia do Drummond, viver o momento presente, porque nele e somente nele podemos atuar de forma consciente e criteriosa, agindo com sabedoria.

Socorrendo-nos mais uma vez no poeta maior, transcrevo mais uma contribuição dele:

“A cada dia que vivo mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade”.

O noticiário diário está repleto de situações de furtos e de roubos que se repetem constantemente, assustando a população que, acuada, não sabe como reagir, como se cuidar, como se prevenir.

A orientação geral dada pelas autoridades policiais é a de que em situação de assalto, não se deve reagir, buscando pelo menos, preservar a vida. Vão se os anéis, mas ficam os dedos. O difícil é praticar esse ensinamento.

Juvenal Arduini, em seu livro DESTINAÇÃO ANTROPOLÓGICA, proclama: “A vida é a resposta maior aos inquietantes desafios de nosso tempo. As decisões que irão plasmar o futuro do mundo hão de acolher, projetar e cultivar a vida humana, como núcleo primacial.

Só haverá antropologia, e, consequentemente, só haverá ética, a partir do momento em que se tenha a sabedoria de decifrar “a marca do homem” na vida, ainda que seja miúda, ainda que seja vida severina”.

É isso aí.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado

heitorfreire@heitorfreire.com.br

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions