A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

26/12/2014 09:23

Nenhuma sociedade será livre enquanto uma mulher ou uma menina forem violadas

Junéia Martins Batista

A Campanha de 16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher foi lançada em 1991, quando mulheres feministas se reuniram e decidiram colocar na agenda mundial essa difícil e incansável tarefa de pôr fim à violência contra as mulheres.

Veja Mais
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Tédio é a falta de projeto

Ela teve início no dia 25 de novembro, data histórica onde relembramos o assassinato das irmãs Mirabal pelo sanguinário Trujillo, na República Dominicana, no início dos anos 60. E termina no dia 10 de dezembro dia dos Direitos Humanos.

Este ano, um assunto que tem assombrado a nós mulheres do movimento feminista são os casos de estupros no interior da FMUSP - Faculdade de Medicina da USP - uma das mais, senão a mais tradicional faculdade de medicina do país. Foi com surpresa e horror que lemos e ouvimos depoimentos de jovens meninas estudantes revelarem terem sido estupradas nas festas promovidas no campus. Mais horror ainda foi a reação nos corredores da universidade por parte dos alunos de que as meninas consentiram e que se elas não quiserem passar por isso que não frequentem as tais festinhas.

Agora vem a bomba: a reitoria se fez de morta e abafou até que as denúncias vieram à tona. Bem, se a USP não faz nada, a Assembleia Legislativa na pessoa do deputado estadual Adriano Diogo (PT/SP) tem realizado audiências públicas para elucidar os fatos e pedir a punição dos envolvidos. Também a Prefeitura Municipal de São Paulo, por meio da Secretaria de Políticas para as Mulheres em seu projeto Gabinete Aberto, tem conseguido através da internet, trazer para o debate mulheres jovens, não exatamente organizadas nos movimentos feministas e, a surpresa, é que a moçada tem respondido positivamente!

Sugiro a ampla divulgação do vídeo que está no link abaixo, que informa e alerta o povo brasileiro que podemos estar diante de um caso em que jovens se formarão em medicina e enfermagem e muitos deles atenderão pacientes em seus consultórios particulares ou mesmo na rede SUS!

Junéia Martins Batista, secretária nacional de Saúde do Trabalhador

Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions