A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2017

01/08/2012 14:01

Nossa fauna está acuada, por Laerte Tetila

Por Laerte Tetila (*)

Mal chegou o período seco do ano e já se vêem os estragos das queimadas por toda a parte. E nada mais desolador saber que, em nosso Estado, milhares de animais silvestres, novamente, serão queimados vivos na estiagem que se avizinha.

Veja Mais
Hoje eu me lembrei...
Sistema carcerário brasileiro clama por ajuda

É triste saber que no território sul-mato-grossense que, no passado, notabilizou-se pela sua belíssima e encantadora fauna, as dificuldades têm sido enormes, na atualidade, para se conviver, harmonicamente, com o que sobrou dela. Nossa fauna está acuada.

As queimadas têm avançado impiedosamente sobre os nichos ecológicos e os impactos têm sido cruéis. São queimadas formações arbóreas, arbustivas e herbácias e até áreas de proteção. O uso indiscriminado do fogo na zona rural tornou-se algo sério. E o nosso Estado, infelizmente, já responde por 20% das queimadas do país. Isso é o dobro das regiões Sul e Sudeste.

O número de incêndios rurais em Mato Grosso do Sul, registrados até março deste ano, chegou a 436 – ou seja, o dobro do mesmo período do ano passado. As cenas das queimadas são as de um holocausto. O fogo, potente faunicida, martiriza a terra. Seu efeito é deletério, devastador.

Destroi ninhadas, mata filhotes no nascedouro e fere mortalmente todas as formas de vida. Numa queimada, a temperatura pode ir além dos 800 graus centígrados e as chamas deixam marcas dolorosas. Os animais são queimados vivos, quando não lesionados ou intoxicados.

Parte deles é volatizada, sem deixar o mínimo vestígio. Os lesionados fogem, sem rumo, para morrerem infectados. Os sobreviventes, expulsos de seu habitat, enfrentam, em lugares estranhos, a falta de alimento e os ataques dos predadores. O impacto é cruel. O uso do fogo, que faz agonizar a fauna e destroi a biodiversidade, é uma técnica nociva, ultrapassada, da Era Neolítica.

E não obstante as queimadas estarem enquadradas como crime ambiental (Lei 9.605/98), e também pesquisas demonstrarem que há técnicas bem mais avançadas do que o fogo para melhorar a produtividade, mesmo assim ainda há os arcaicos, aqueles que ateiam fogo sem a mínima compaixão para com os animais.

As queimadas que são tidas universalmente como uma das grandes responsáveis pela extinção das espécies, parece ter chegado ao seu apogeu em terras sul-mato-grossenses. Por aqui, a destruição dos ambientes naturais é inacreditável. As queimadas continuam ceifando bandos de animais indefesos, apesar de todo ensinamento disponível e de todas as campanhas de conscientização.

Não querem entender que a natureza foi divinamente planejada e que os animais que ardem em chamas são resultantes de uma evolução orgânica milenar; que, embora o ser humano tenha chegado à Lua, jamais fabricará um tuiuiú, um lobo guará, uma arara azul ou um pássaro canoro; que não se reconstroi um material genético perdido pela extinção.

Não querem entender que, na natureza, a perda de uma espécie significa uma subtração na engrenagem da vida. Isto é: uma perda eterna para a biodiversidade. Entristece-nos saber que a riquíssima fauna silvestre sul-mato-grossense vem sendo dizimada e, principalmente, pelo fogo, que provoca a mais cruel das mortes. Há que se pensar em mudanças. E nem tanto pelas leis, mas pelas mentes e corações.

Não é possível que, em pleno Terceiro Milênio, o fogo ainda continue sendo utilizado como técnica agropastoril. Impossível que não haja uma compaixão pelo pouco da vida silvestre que ainda resta em nossos campos, matas e pantanais.

(*) Laerte Tetila é mestre em geografia física pela USP, deputado estadual (PT) e membro da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul.

Hoje eu me lembrei...
Nestes tempos conturbados que estamos vivendo, em que muitos buscam um culpado para eximir-se de suas responsabilidades, em que nos esquecemos que no...
Sistema carcerário brasileiro clama por ajuda
O ano começou com uma bomba relógio, que já ‘tic-tateava’ há muitos anos, explodindo. As rebeliões em presídios de todo o Brasil deixaram mais de 120...
Mais um ano difícil
A economia brasileira inicia 2017 com a combinação de otimismo moderado e preocupação. A perspectiva levemente otimista se fundamenta na expectativa ...
A atuação das empresas na era do talentismo
No atual cenário em que vivemos, com crise financeira em diversos países, catástrofes ambientais e diferenças sociais, engana-se quem acredita que es...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions