A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

01/07/2015 15:23

O ajuste fiscal e a melhoria da produtividade do trabalhador brasileiro

Por Márcio Pereira Nunes (*)

Aprovadas no início desse ano e já em vigor, as MPs 664/665 possuem como foco a melhoria da produtividade do trabalhador brasileiro. Nos últimos anos, no Brasil, o aumento do salário mínimo esteve à frente do rendimento dos empregados. Segundo dados do The Conference Board Economy Database, de maio deste ano, a produtividade foi de -1,1% em 2012, 1,8% em 2013, 0,3% em 2014 e está projetada em -2%, para 2015. Não obstante, a média desse quesito no período ter sido de redução de 0,25%, o reajuste do salário mínimo foi respectivamente de 14,13% (2013), 9% (2014) e 6,78% (2015).

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Logo, as referidas MPs 664/665 têm a finalidade de melhorar a produtividade do trabalhador, estimular a permanência dele por mais tempo na mesma empresa, ao mesmo tempo em que diminui o comprometimento do caixa do Tesouro Nacional com despesas atreladas à rotatividade da mão de obra. Dessa forma, com custos de produção crescentes devido aos reajustes salariais e sem o retorno em termos de produtividade as empresas se deparam com duas possibilidades: ou repassam os custos para o preço final do produto/serviço ou mantêm os preços estáveis, porém com menores margens de lucro.

Levando em consideração, a legislação anterior às supracitadas medidas provisórias, em que para recebimento do PIS fazia-se necessário trabalhar apenas 30 dias no ano anterior e receber até dois salários mínimos. Do mesmo modo, para ter direito ao seguro desemprego, na primeira solicitação, bastava ter trabalhado um semestre. Além disso, uma pessoa que tivesse salário de R$ 1.000,00, por exemplo, auferiria, em média, nos três primeiros meses de recebimento do seguro, R$ 1.456,00. E ainda, a pensão por morte era recebida de forma vitalícia.

O contexto acima, cria situações pontuais de desincentivo à produção e estímulo à indolência, por parte de alguns, gerando um ônus para toda a população, que custeia essa situação através da tributação, e, ainda, reduzindo a produtividade do trabalhador brasileiro. Assim, a título de exemplo, 42,42% dos pedidos de seguro-desemprego ocorrem na primeira solicitação. Do mesmo modo, 13,3% das pensões concedidas são para cônjuges menores de 44 anos, ainda em idade produtiva.

Atualmente, de acordo com as MPs 664/665 para o recebimento do PIS, o período mínimo trabalhado no ano anterior é de 180 dias; e receberá o benefício proporcionalmente ao seu tempo de trabalho, e não de modo integral como antes. Já a pensão por morte deixa de ser vitalícia para os cônjuges menores de 43 anos que se encontram em idade produtiva. Igualmente, o benefício do seguro-desemprego, na primeira solicitação, estará disponível após 18 meses, exigindo maior compromisso do jovem que esteja adentrando o mercado de trabalho, algo salutar para o país, estimulando a consciência e o senso cívico desses.

Com essas medidas, espera-se uma menor rotatividade da mão de obra junto às empresas. Ao mesmo tempo, incentiva os empresários a capacitar seus trabalhadores jovens e os que estejam ingressando em seus quadros recentemente. Isso incentiva a redução de custos operacionais, pelo maior conhecimento disseminado dentro da empresa, não apenas via capacitação, mas também pela menor rotatividade de trabalhadores.

(*) Márcio Pereira Nunes é professor de economia da Faculdade Mackenzie Rio

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions