A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

16/12/2015 10:00

O Apocalipse e o mundo

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Os humanos não entendem a vida, não buscam seu significado e ficam se engalfinhando para fortalecer o poder e controle, mesmo que para isso tenham de forjar na Terra um inferno com toda a precariedade imaginável, com medos e ódios. A expansão da escalada militar vai ao encontro de fanatismos que veem no Apocalipse a oportunidade da destruição de tudo e de todos que pensem de forma diferente. O fanatismo sempre foi mau conselheiro. Quando se trata do Juízo Final, pior ainda, pois o saber real sobre o Julgamento da Humanidade ficou perdido sob um monte de escombros de mentiras. O momento desse julgamento será um acontecimento natural estabelecido pelas Leis da Criação, a Vontade do Criador, a prestação de contas pela utilização da Energia, a colheita boa ou má, a esperança de libertação das trevas dos erros humanos pela Luz da Verdade.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

No mundo atual está faltando bom senso e espírito de estadistas desprendidos. Essa falta representa uma ameaça para o futuro do Brasil. Os juros e swaps cambiais estão absorvendo muito dinheiro em países dependentes como o nosso. As contas se embaralham, em primeiro lugar pela forma esculhambada no trato do dinheiro público, como se este não tivesse dono e que os gestores irresponsáveis usam e abusam, pois se omitem da responsabilidade pelos desatinos. Outro fator que mostra o artificialismo é a instabilidade da taxa de câmbio. Se o governo e o mercado mantêm o dólar barato, o PIB em dólar sobe; no caso de elevação do preço do dólar, o cálculo do PIB cai na mesma proporção. Esses são os grandes causadores das dificuldades para muitos países, que têm mercado interno frágil, população com baixa renda, baixa produção e produtividade.

Como tentativa de fortalecer e proteger a indústria local, o Brasil manteve fortes barreiras aos produtos importados, mas com o avanço da globalização isso se tornou inócuo, o que favoreceu indústrias que se mantiveram atrasadas como a automobilística e a informática, enquanto os produtores e exportadores de commodities pensavam apenas em seus interesses: queriam exportar. Não houve um planejamento de diversificação das exportações para manter o equilíbrio nas contas e para promover o desenvolvimento e emprego. Assim, o Brasil foi ficando para trás. O que mais proliferou foi o descontrole da finança pública e o acúmulo de dívidas.

Além disso, o empresariado se acha enfraquecido; a classe política, desinteressada e a população, despreparada. Mundialmente, o preparo das novas gerações está direcionado de modo unilateral para o trabalho e o consumo, sufocando as individualidades indispensáveis para a continuada renovação vivificadora. Com a robotização e a padronização da divisão das tarefas, foi gerada uma atmosfera que fatalmente provocará desencanto e estresse nos jovens.

Vivemos na era das colheitas, os efeitos de todas as ações humanas se aceleram. A falta de visão para a necessidade da evolução espiritual tem acarretado a formação de gerações menos aptas e dispostas a buscar o significado da vida. A falta de integração com as leis da natureza está acarretando desequilíbrios acima da capacidade humana de restabelecer a normalidade.

Com a crescente tendência para o superficialismo, os problemas também vão aumentando em todos os setores, criando a ameaça de paralisia geral. Temos de desejar mais do que o materialismo oferece. Ninguém deve ficar parado, o movimento, a ação na busca do que se quer e do que precisa ser feito é essencial para a reconstrução de uma vida sadia e feliz. Necessitamos de movimento em busca da Verdade e da Luz, da vida pulsante que inspira e fortalece, dando os meios para a solução dos problemas.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”,“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; e “O Homem Sábio e os Jovens”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions