A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

18/09/2012 15:00

O Cascudo, Por Heitor Freire (*)

Por Heitor Freire (*)

Nos altos da nossa cidade, em direção ao norte, fica o emblemático bairro do Cascudo, atualmente conhecido como São Francisco um dos mais antigos da cidade, com influência muito significativa na nossa história.

Pretendendo obter informações a respeito desse bairro, instado que fui a escrever sobre o mesmo pelo meu amigo Antônio (Tonico) Rodrigues, procurei o dr. Arnaldo Rodrigues, nascido e criado no local.

O dr. Arnaldo, advogado dos mais competentes da nossa comarca, dividia sua banca de advocacia com os advogados Luiz Alexandre de Oliveira, Higa Nabukatsu (depois desembargador e presidente do Tribunal de Justiça) e Cândido Fernandes.

O escritório era localizado na rua Calógeras, onde hoje é a sede da Federação Espírita.

Hoje o dr. Arnaldo, no gozo do ócio com dignidade, depois de uma vida profícua de realizações, com a maior gentileza e boa vontade, franqueou-me estes dados.

A propósito, em virtude da importância do Cascudo, conversando com o professor Hildebrando Campestrini, este me autorizou a propor ao dr. Arnaldo que escrevesse sobre o bairro para a publicação de um livro na série “Eu sou História”, publicada pelo Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul, que ele aceitou e já está escrevendo.

O material que me foi disponibilizado daria para alguns artigos, mas a história do Cascudo é tão rica que decidimos pelo livro, ficando sobre ele apenas este artigo, como referência.

Há uma versão muito antiga, segundo a qual o Cascudo era o nome, na verdade o sobrenome de um curandeiro e benzedor. Esse senhor morava nos altos da atual Rua Euler de Azevedo. Como tal, frequentemente atendia a muitas pessoas as quais, ao irem em busca de seus préstimos, diziam: “vamos ao Cascudo”, assim, o nome do curandeiro passou a ser o do bairro.

Outra versão é de que o nome decorreria do córrego Cascudo – um dos afluentes do córrego Segredo, e que tinha uma grande quantidade de peixe da espécie cascudo, peixe de couro.

Na realidade o bairro constituía mais que um aglomerado de casas, tinha uma população unida, consciente, trabalhadora. As atividades desenvolvidas ali eram as mais variadas, destacando-se: oficinas, carpintarias, bares, sapatarias, ferrarias, pedreira, máquinas de beneficiamento de arroz, açougue, barbearias e, nas imediações, o hospital Santa Casa e o colégio Dom Bosco.

Entre tantos fatos ali ocorridos, destacamos um que mostra o lado negativo e triste que caracterizou um período dos anos trinta do século passado: no bairro se instalou uma família conhecida como os baianinhos. Integrantes dessa família, sempre armados, roubavam gado e outros animais da região.

Consta dos relatos dos antigos moradores que, certo dia, um dos baianinhos entrou numa barbearia e ordenou ao barbeiro que lhe fizesse a barba num determinado tempo sob pena de ser morto, caso não obedecesse o tempo indicado.

Sob tal ameaça, o barbeiro começou o seu trabalho, que terminou dentro do tempo ordenado. O freguês lhe teria dito: “muito bem, você salvou a sua vida”, ao que o barbeiro lhe teria respondido: “quem se salvou foi você porque eu estava controlando o tempo e se não me fosse possível cumpri-lo, esta navalha em minhas mãos seria usada para a sua degola”. Ouvindo isso, o freguês, trêmulo, elogiou o barbeiro e dele se tornou amigo.

Aguardem o livro. Tenho certeza que ele agradará não só aos moradores do bairro como aos habitantes da nossa cidade.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions