A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

27/12/2011 11:34

O futebol de MS pede socorro. Cezário, peça para sair! 2015, não.

Por Inocêncio Amorim*

O futebol sul-mato-grossense, que na década de 70 e até metade da década de 80 foi forte e respeitado, com o meu saudoso Operário Futebol Clube, e o nosso rival Esporte Clube Comercial, infelizmente hoje é só lembrança para os que tiveram o privilégio de viver naquela época. Aos que não tiveram a mesma sorte lamento dizer que de lá para cá a falta de profissionalismo na administração do nosso futebol fez com que não sobrasse nem referências que sirvam pelo menos de imaginação para os mais jovens.

Veja Mais
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Educação e o futuro da alimentação

Desculpe-me pelo saudosismo, mas naquela época o mestre Carlos Castilho (que Deus o preserve em bom lugar), no dia seguinte a divulgação da tabela do Campeonato Brasileiro reunia a imprensa para anunciar a sua projeção em relação a participação do Operário na competição. Contra times como Goiás, Coritiba, Atlético Paranaense, Figueirense, por exemplo, ele cravava vitória certa tanto lá quanto cá; contra times como Santos, Botafogo, Palmeiras, Corinthians, Vasco, Grêmio, Inter e outros grandes a previsão era vitória no Morenão e empate na casa do adversário.

Era raro e soava como estranho alguém daqui dizer que torcia para Corinthians, Palmeiras, São Paulo, Flamengo ou Vasco, enfim. Não havia lugar para nenhum outro time no coração dos campo-grandenses, além de Operário e Comercial. Mas o futebol em Mato Grosso do Sul caiu no desuso. A velha guarda há muito tempo deixou de ir ao Morenão e os mais jovens provavelmente nem saibam dizer de pronto onde fica o estádio.

Recentemente, de forma eufórica uma repórter de um canal de tevê de Campo Grande, após cobrir a goleada do Cene sobre o Mirassol do Oeste (SP) pela 4ª Divisão do Campeonato Brasileiro de 2011, por 4 a 1, disse que era a vitória mais expressiva de um time de Mato Grosso do Sul na história dos campeonatos nacionais. Ora, ora. O Operário foi 3º colocado no Campeonato Brasileiro de 1977, atrás apenas do São Paulo e do Atlético Mineiro. Quer mais uma? No dia 15 de março de 1981 o Operário goleou o Cruzeiro por 5 a 1 no Estádio Morenão. E não era pela quarta divisão.

A desinformação da repórter claramente significa que estamos no fim da linha e que, se sonhamos em recuperar a credibilidade, devemos partir para um recomeço. Eu e, certamente a maioria dos sul-mato-grossenses, exceção apenas do presidente da Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul (FFMS), Francisco Cezário de Oliveira e seus pares de diretoria, concordamos com o empenho do senador Delcídio do Amaral, que está dando a cara a tapa por uma nova realidade no nosso futebol, a partir de uma Federação que respeite os clubes não como cabrestos eleitorais para garantir sucessivas reeleições e mudanças de estatuto, mas como parceiros de uma gestão capaz de trabalhar com planejamento e organização nos setores administrativo, financeiro, marketing e comunicação, que tenha capacidade de trabalhar com receitas e despesas e, especialmente, transparência. Nem preciso dizer que tudo isso passa longe dos dirigentes da Federação, que, aliás, lá estão já há quase 20 anos.

Dos anos de 1990 para cá a FFMS vem sendo sepultada ano após ano, como conseqüência obvia da falta de capacidade administrativa dos seus dirigentes, e levou junto os nossos clubes, que perderam seus patrimônios para os credores, e também o interesse do torcedor. As novas gerações nem sabem que um dia existiu futebol profissional em Mato Grosso do Sul.

Sim, essa mudança deve começar pela FFMS. E digo isso com a experiência de quem militou diretamente na esfera esportiva na época de ouro do nosso futebol, primeiro como diretor financeiro da extinta Liga Esportiva Municipal Campo-grandense, no período de 1965 a 1968, durante a gestão do saudoso Nelson Borges de Barros. Depois, já nos anos de 1970 e 1980, atuei como membro do Conselho Deliberativo do Operário Futebol Clube, e, no início dos anos de 1990, fui por um ano presidente do Conselho Fiscal da FFMS, no primeiro mandato do senhor Francisco Cezário de Oliveira.

É a Federação, como mandatária maior do futebol nos estados, quem dita o ritmo. É o espelho. Portanto, a reformulação tem que ser geral, partindo da Federação aos clubes. E a hora é agora, no embalo da Copa de 2014. Se não for agora, dificilmente teremos outra oportunidade tão palpável.

Vejam o exemplo da Federação Pernambucana de Futebol, que terá Náutico e Sport no próximo Campeonato Brasileiro da Série A. Em 2011, os jogos do Sport e do Náutico registraram recordes de público e renda na Série B e o Santa Cruz recebeu 59.966 pagantes no Estádio do Arruda em um jogo classificatório contra o Treze da Paraíba pela Série D. Lá a entidade tem plena consciência de que a visão profissional do futebol deve partir dela e, por isso, saneada financeiramente e sem pendências com credores, investe no fortalecimento dos clubes. Agora em dezembro, liberou R$ 600 mil para cada um dos clubes do interior, como forma de fortalecê-los para o Campeonato Pernambucano de 2012, único Estadual do País com transmissão ao vivo em pay-per-view para todo o Brasil e pela Globo Internacional para 36 países. Isso é fruto de gestão competente.

Futebol hoje é 100% profissional. Não há mais lugar para amadores. Cezário, nada pessoal. Em vez de usar ventríloquos para defender o indefensável e, em nome do recomeço e da reformulação do futebol em nosso Estado, pede pra sair.

(*) Inocêncio Amorim é bacharel em Administração de Empresas.

A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...
A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...



esse depoimento deveria ser na tv assim teriamos uma renovação mais rapida , 2015 é uma etrnidade
 
antonio rocha em 31/12/2011 02:07:16
Isso que eu chamo de visibilidade, falou tudo. Parabéns!
 
Tales Gondim em 28/12/2011 12:13:43
Não estou aqui para julgar nem perdoar mas para falar algo de acordo com a minha esperiência de vida Cesário cuidado com a justiça divina. Pois a nossa tem muintas falhas e proteção poder aquisitivo só leva a sofrimento se cuida para o seu próprio bem e de toda a sua geração não queira passar essa bola para frente pense em sua geração futura que Deus te proteja abraços.......................
 
Nivaldo Sant'ana de Lima em 27/12/2011 12:40:26
Concordo plenamente com o artigo acima.....Tenho saudades do comerário, que de um lado tinha o zagueiro Paulão pelo Operário e o centroavante Bugre pelo Comercial....o Morenão era palco de grandes jogos....mas agora, uma capita com mais de 900 mil habitantes, não temos times nem na quarta divisão.....É UMA VERGONHA!! Espero que em 2012 algo mude para melhor.....Nossos dirigentes são amadores......
 
Roberto Martinni em 27/12/2011 11:48:27
Bom dia, não acordarm ainda? O Sr. FANCISCO CEZÁRIO nunca contribuiu para o esporte em nosso estado, sou apenas cidadã e torcedora, mas vi o poço bem fundo se abrir enquanto existir uma pessoa sem talento para o esporte quanto esse senhor, arbitrario, sem visão esportiva. Tempos de sindicalismo pudemos ver o quanto afundou o esporte, quantas negativas. Espero que saia do vitalicio e voltemos a ter
 
LOADIR APARECIDA SILVA em 27/12/2011 11:24:02
Parabéns pelo artigo, Inocêncio!

Comungo do mesmo pensamento, no sentido de que pelo bem de nosso futebol, mudanças devem ocorrer, em especial na FFMS - e também nos Clubes -, até mesmo para oxigenar a administração e dar novo gás ao nosso esporte profissional.

Acredito que o próprio Cezário já deve ter se conscientizado disso.

Duarte.
 
Edilson Duarte em 27/12/2011 11:16:33
Concordo em gênero e grau,com o seu muito bem escrito comentário....E resalto com segurança que este cidadão nefasto foi e continua sendo o algoz do nosso futebol,anulou todos os time e engrossou seus bolsos com recursos advindo do chamado voto CBF federativo....Cai fora larápio deixa o nosso estado aparecer volta pra sua toca aquela furna que vc conhece muito bem!!!
 
LUIS CARLOS LEITE NUNES em 27/12/2011 11:03:49
Excelente artigo! Por favor, tragam de volta o nosso futebol!
 
Antonio Carlos Azuaga em 27/12/2011 10:51:38
Sem nada a acrescentar, texto perfeito a respeito do nosso futebol.


 
Jean C. Santos em 27/12/2011 04:55:29
Parabéns em poucas palavras disse tudo Sr. Amorin, esse Sr. chamado Cezário so acabou com sonho de vários atletas e frustou vários páis com a esperança de um dia ver seu filho jogando Futebol, aqui em MS não tem campeonatos como se tem em outros Estados meu Filho hoje mora no Paraná e treina lá, sabem por que? Aqui os Clubes não tem como manter uma equipe em atividade pois não tem competições.
 
Juliano Aureo Nunes em 27/12/2011 04:47:35
ate que enfim um homem com coragem com as palavras para falar sobre esse homem
que so afundou o nosso futebol .
 
ricardo diniz em 27/12/2011 04:46:26
Sr cezario é hora de dar o lugar para outro talento o povo de MS ja esta canssado de sofrer ninguem merece, os time de MS so ganha o caminho de casa chega de passar vergonha. Obrigado.
 
Jose Ramos em 27/12/2011 03:58:19
O futebol de MS, é uma "vergonha nacional", estampada aos quatro cantos. A culpa é de quem elege esses dirigentes incopetentes, acreditam que sabem administrar. Enquanto isso temos que engolir, e torcer por times de outros estados, Como Mengão, Timão e assim vai. Quando poderiamos torcer pelo Galo, Carijó e outros daqui, temos que aguentar esses infelizes dirigentes e acabam com nosso orgulho.
 
LUIZIO ESPINOZA em 27/12/2011 03:08:51
Sr. Inocêncio, seu texto é simplemente maravilhoso. Parabéns !
 
Guilherme Fonseca em 27/12/2011 02:16:49
Amorim concordo que esta é hora , de fazer as mudanças, seu Cézario saia de fininho, que sua fase passou, alias nunca começõu. só destruiu.
 
antonio silva em 27/12/2011 01:02:49
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions