A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

17/10/2012 10:57

O meteoro de Corumbá

Por Gilson Cavalcanti Ricci (*)

 A saga de Alcides Bernal nas urnas nos leva a crer na existência de uma misteriosa força mística a determinar o domínio massivo de umas pessoas sobre as outras, sobretudo no campo da política. Em eras passadas, tal vaticínio levou ao delírio multidões a aclamarem um Getúlio Vargas, ou um Jânio Quadros, por exemplo. Agora, em nossas plagas, surge um novo semi-deus das urnas a provocar pânico a seus adversários. Voará mais alto, sem dúvida alguma!    

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Ao longo dos anos no rádio campo-grandense, Bernal madrugador sempre se fez ouvir por milhares de pessoas, que levantam cedo para trabalhar. É comum ouvi-lo nesse horário nos ônibus urbanos e nos ambientes de trabalho. É um dos ícones da Colônia Paraguaia de Campo Grande, que ajudou a crescer com o seu trabalho atuante em conjunto com o combativo advogado Albino Romero, e outros paraguaios abnegados, voltado sempre aos interesses da coletividade paraguaia residente em nossa cidade.                  

Alcides Bernal encarna o espírito jovem - o sangue novo a trazer esperança de mudanças, precipuamente no âmbito social de nossa querida Cidade Morena -. A este mister, Bernal, em sua campanha eleitoral, encampa a saúde pública como sua principal meta administrativa, com o que concordo plenamente, pois esse problema aflige a população pobre, que nem sempre encontra o atendimento adequado ao tratamento médico e hospitalar que necessita para linimento de seus males – uma lástima!

    Em outro ângulo, anoto que Campo Grande - como está atualmente -, não exigirá muito esforço do próximo alcaide a administrá-la, haja vista o bom tratamento recebido  nestas últimas décadas, quando a cidade foi premiada com melhoramentos urbanos de excelente repercussão na boa qualidade de vida de seus moradores. Basta o novo prefeito preservar a boa urbanização que aí está, e assim terá mais folga para dedicar-se à melhoria da saúde pública, na proporção que lhe cabe no art. 198 da CF/88, que impõe dever aos governos federal, estadual e municipal a disporem de verbas próprias para a instituição de unidades de saúde pública em cada município.  

Reabre-se agora a jornada do segundo turno. Esperamos que ambos os candidatos ofereçam seus projetos administrativos sem apelação à demagogia. Aquele que melhor sintonizar-se com a vontade do eleitorado, levará a melhor. Bernal já tem a seu favor a meteórica ascensão nas urnas, necessitando apenas manter a perfomance do primeiro turno. Girotto, apesar de sua comprovada experiência na espetacular urbanização de Campo Grande, deve armar-se do sexto sentido para convencer os eleitores a virar o jogo, mostrando-lhes seus propósitos de administrar a cidade com a mesma capacidade de trabalho com que planejou em sua prancheta belas avenidas, parques floridos, áreas verdes e ciclovias, que oferecem aos moradores da cidade opções de lazer, além de excelente qualidade de vida.

(*)  Gilson Cavalcanti Ricci é advogado

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



Realmente o senhor advogado está, como toda burguesia ,muito satisfeito com as "obras" feitas pela gestão peemedebista nestes 16 anos.Avenidas se sobrepondo uma as outras,desastres automobilísticos acontecendo todos os dias, mas basta dar uma "voltinha na periferia" e vai ver a realidade de uma administração maquiadora e desastrosa para quem mais precisa.
 
Ariovaldo Sidnei Pereira em 17/10/2012 11:53:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions