A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

03/10/2016 14:33

O novo beijo de Francisco

Por Osvaldo Luiz Silva (*)

Francisco, o de Assis, tinha uma repulsa imensa pelos leprosos, nojo mesmo. Aversão pela então doença fatal e contagiante, que apodrecia a carne dos enfermos, desfigurava seus rostos e causava mau cheiro. Mas, como o jovem que queria vestir as mesmas vestes e comer a mesma comida dos pobres poderia evitar os mais miseráveis de todos?

Veja Mais
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
Comércio exterior: o que esperar de 2017

Um encontro por acaso, tornou-se oportunidade dele firmar sua opção por Cristo, pobre e crucificado. Certo dia, passeando pelas campinas de Assis, Francisco desce do cavalo e a mão ensanguentada do leproso ganha não só uma moeda, mas também um beijo. Foi preciso um esforço sobre-humano, mas o santo diz em seu testamento: “o Senhor me conduziu entre eles, e fiz misericórdia com eles... aquilo que me parecia amargo se me converteu em doçura da alma e do corpo”.

Hoje, 800 anos depois, em Assis, o Papa que escolheu se “vestir” de Francisco e “comer” com os pobres, aponta a grande doença do nosso tempo: a indiferença; “É um vírus que paralisa, nos torna inertes e insensíveis, um morbo (enfermidade) que afeta o próprio centro da religiosidade produzindo um novo e tristíssimo paganismo: o paganismo da indiferença”.

Na cidade do santo dos pobres, para marcar os 30 anos do Encontro pela Paz, de São João Paulo II com líderes religiosos, Papa Francisco nos “sacode” e desperta para a cruel situação pela qual passam crianças, velhos, mulheres: “imploram paz os nossos irmãos e irmãs que vivem sob a ameaça dos bombardeamentos ou são forçados a deixar a casa e emigrar para o desconhecido, despojados de tudo”.

Francisco, em Assis, repete e atualiza a mística do crucificado, do “amor (que) não é amado”: “Todos eles são irmãos e irmãs do Crucificado, pequeninos do seu Reino, membros feridos e sedentos da sua carne. Têm sede. Mas, frequentemente, é-lhes dado, como a Jesus, o vinagre amargo da rejeição. Quem os ouve? Quem se preocupa em responder-lhes? Deparam-se muitas vezes com o silêncio ensurdecedor da indiferença, o egoísmo de quem se sente incomodado, a frieza de quem apaga o seu grito de ajuda com a mesma facilidade com que muda de canal na televisão”.

A volta da doçura do beijo, que quer espantar a barreira que nos prende em nós mesmos, na mediocridade de nossos “castelos”. Francisco desceu de novo de seu cavalo e fez misericórdia com os que sofrem com a guerra.

Também precisamos “cair do cavalo” e fazer misericórdia. De quem temos mantido distância? De moradores de rua, de dependentes químicos, de pessoas que vivem em extrema pobreza? De Assis, diz Francisco: “os cristãos são chamados a ser 'árvores de vida', que absorvem a poluição da indiferença e restituem ao mundo o oxigênio do amor”. Francisco ainda inspira amor.

(*) Osvaldo Luiz Silva é jornalista e editor da Revista Canção Nova

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions