A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

17/08/2011 06:07

O pecado mora ao lado

Por Octaciano Nogueira (*)

O mês de agosto é conhecido no calendário popular como o “mês do desgosto”. Para a Presidente Dilma não tem sido diferente.

No mesmo dia em que os jornais anunciaram mais uma espetacular ação da Polícia Federal, prendendo 35 servidores e dirigentes do Ministério do Turismo, O Globo fez um balanço com o título “Em seis meses, um balaio de escândalos”.

Na matéria estão relacionados: 1) O afastamento do ministro-chefe da Casa Civil, por não ter conseguido explicar como, em quatro anos, multiplicou por 20 seu patrimônio.

2) Sob pressão de seu próprio partido, e declarando não aceitar ser posta contra a parede, a Presidente trocou o ministro das Relações Institucionais pela da Pesca.

3) Acuada pela denúncia de que o filho do ministro dos Transportes tinha aumentado seu patrimônio pessoal em 86.500%, não teve outro recurso que demiti-lo. Com ele saíram 27 diretores dos órgãos que integram a estrutura daquela Pasta.

4) No Ministério da Agricultura a crise começou com a demissão da diretoria da CONAB, do irmão do líder do Governo no Senado. O ministro ainda se mantém no cargo, mas seu principal auxiliar, secretário geral do Ministério, pediu demissão, sob a acusação de tolerar a atuação de lobista que, entre outras prerrogativas, tinha sala privativa no Ministério.

5) Em entrevista ao semanário Veja, um ex-diretor do Banco do Brasil afirmou que o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, estava envolvido na fabricação de um falso dossiê contra seu concorrente José Serra, do PSDB, episódio conhecido como “dos aloprados”.

6) Antes que o mês chegue ao fim, a Polícia federal prendeu 35 dirigentes e servidores do Ministério do Turismo, entre os quais o secretário-geral, o 2º na hierarquia do Ministério.

Nenhuma das acusações e denúncias atinge ou envolve a Presidente, mas o seu Governo está no meio de um tiroteio poucas vezes visto na história política do país, a não ser em tempos de crise.

E o que é pior: a saraivada é, em grande parte, o que se convencionou chamar de “fogo amigo”. Poucas vezes um Presidente se viu forçado a uma corrida de obstáculos, como a que está submetida a atual Chefe do Governo.

A exceção talvez tenha sido o curto e desastrado governo de Jânio Quadros, de cujo equilíbrio mental muitos em sua época duvidaram. Dilma já ultrapassou a barreira simbólica dos sete meses. Mas ainda tem pela frente 40 meses de seu mandato.

Ela tem a sustentação não só os dois maiores partidos representados na Câmara, mas também uma confortável maioria no Senado. Não é da oposição, porém, que vêm as ameaças, pressões e intimidações. A principal razão é que, como se viu até agora, o pecado mora ao lado.

Trazer para seu governo os destroços do governo Lula, talvez tenha sido o seu único, senão o principal erro. O difícil não é sair do “imbróglio” que está metida, para desviar de si os golpes que vêm, sobretudo dos que deviam defendê-la.

(*) Octaciano da Costa Nogueira Filho é professor aposentado do Instituto de Ciência Política (Ipol) da Universidade de Brasília (UnB).

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



Bela ação da Pres. Dilma, mas só demitir não basta terá que; no minimo essa fortuna ser devolvida ao erário publico, que poderá ser investido em beneficio social ex. na saúde do país que está mais doente que a população.
 
porfirio vilela em 17/08/2011 11:38:24
a nossa querida PRESIDENTE deveria ela própria escolher os seus subordinados de sua confiança. Afinal o povo brasileiro a elegeu ela tem todo esse aval. E não ficar a mercê dos partidos aliados com suas velhas raposas, que vivem só de politica. Senão infelizmente ela corre o risco de ser a primeira mulher eleita do PAÍS e possivelmente ter o pior mantado da história brasileira, isso se ele conseguir completar. Que seria muito para todos nós.
 
ALENCAR RIBEIRO ORTIZ em 17/08/2011 07:06:02
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions