A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

09/03/2012 06:48

O perigo da aprovação do Código Florestal

Por Marcelo Roland Zovico (*)

Cerca de 90% dos proprietários rurais hoje no Brasil estão em situação irregular com a atual legislação ambiental, seja por conta de desmatamentos ou plantios em locais proibidos. Porém, a grande polêmica é a desatualização do Código Florestal diante de centenas de políticas de incentivos fiscais ao longo de praticamente todos os governos do passado, criando portanto um descompasso da Lei com Políticas públicas, hoje em discussão no Congresso.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

O que se tentou buscar com a proposta da atual lei Florestal é um possível consenso entre ambientalistas e ruralistas, mas será que esse consenso é realmente salutar para as futuras gerações?

O Código Florestal, ou ainda a Lei Florestal, está em tramitação no Congresso, na Câmara dos Deputados, já tendo sido aprovada no Senado Federal por 59 votos a favor e sete contra. Agora a nova legislação ambiental do país está em tramitação entre os deputados federais.

O perigo de a nova lei ambiental ser aprovada às pressas, sem antes ser amplamente discutida por toda a sociedade, será de gerar às futuras gerações uma catástrofe com prejuízos ambientais, econômicos e institucionais irrecuperáveis. Os motivos dessa pressa são basicamente dois, interesses políticos de ruralistas opositores e situacionistas do governo, além de interesses de ambientalistas por compromissos assumidos no passado diante da proximidade do Rio+20 que terá uma posição de destaque na mídia nacional e internacional.

O Brasil já teve dois códigos, o primeiro foi de 1934, já em grande defasagem para a época e o segundo, substituindo o anterior em 1965 pelo então “Novo Código”. A diferença com o atual projeto de lei em pauta é que este prevê a revogação do Código anterior sem a sua substituição, tratando basicamente as regras de conservação da vegetação nativa de propriedades privadas, portanto, sem a mesma amplitude que tratavam os antigos códigos florestais. De agora em diante, as outras matérias ambientais serão tratadas por outras leis que estarão por vir.

Com a aprovação da nova lei florestal sem a maior atenção de nossos representantes na Câmara dos Deputados, o impacto poderá ser grande. Poderá haver uma enorme redução das Áreas de Preservação Permanente – APPs, uma significativa redução da área de reserva legal do nosso país e ainda indulto a crimes cometidos a partir da lei de 1998 de crimes ambientais, conclusões estas extraídas do estudo realizado pelo departamento técnico do Ministério Público Federal.

Comparativamente, sendo aprovado o texto legal como se encontra, 47 milhões de campos de futebol de florestas poderão sumir do mapa para expandir a área agrícola, sendo que atualmente, o Brasil já possui área suficiente para duplicar sua produção de alimentos sem o desmatamento de uma única árvore.

Floresta preservada é importante para a biodiversidade, é essencial para controle do aquecimento global, além de ter assumido internacionalmente a redução de suas emissões de gases-estufa, ao passo que, caso seja aprovada a nova Lei Florestal, o Brasil perde a chance de ser eleito como o país referência na preservação ambiental.

Recentemente, até quem não pode ser considerado exemplo pra nenhum país em termos de preservação ambiental de APP e Reserva Legal, a Suíça, encaminhou uma petição ao governo brasileiro pedindo que a presidente Dilma Rousseff vetasse a revisão do Código Florestal brasileiro, carta essa assinada pela unanimidade dos presidentes de partidos políticos daquele país.

A carta ilustra que, até quem não é referencia de preservação ambiental, está preocupado com o conteúdo da Lei que realmente pode significar uma grande catástrofe ambiental, haja vista que se aprovada, dentre outras perdas, enormes faixas de terras poderão ser abertas dentro da floresta amazônica para exploração de madeira, sem dizer que estudos apontam que o Brasil possua cerca de 20% de toda a biodiversidade existente no planeta, 16% das mais de 500 mil espécies de plantas existentes nos ecossistemas terrestres e menos de 10% foram estudadas quimicamente, além de ser menor ainda o número daquelas que tiveram suas propriedades biológicas caracterizadas. Sem floresta, os avanços biológicos estarão seriamente comprometidos.

(*)Marcelo Roland Zovico – advogado, mestre e doutorando pela PUC/SP, advogado criminalista do escritório Simões Caseiro Advogados e Professor de Gestão Ambiental, pesquisador PDEE/CAPES na “Universidade del Salento” na Itália.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



Luis Eloy. Uma coisa não justifica a outra! Essa nova proposta é um desrespeito ambiental incomensurável! Além de totalmente irresponsável! Espero que esse enorme retrocesso não aconteça!
 
Brunno Guimarães em 09/03/2012 11:50:38
Responsabilizar pela preservação nosso vizinho e comodo, dizer que o agronegócio é responsável direto por toda degradação, e não levar em conta a degradação causada por nós cidadãos urbanos é agir para preservar a liberdade de procedermos como quisermos desde que o nosso vizinho preserve. O colunista, cita o pedido da Suíça para preservarmos a amazonia. Qual ajuda econômica ofertada pelo país?
 
luis eloy alves da costa em 09/03/2012 11:20:42
temos o exemplo do rio taquari, que os fazendeiros mesmo desmataram as nascentes e as encostas do rio,agora estão pagando o preço pela sua ganancia, o rio invadiu as suas terras, a natureza é implacavel ela cobra mesmo.
 
Paulo Sérgio de Lira em 09/03/2012 09:05:09
Ganancia!!!! Todos nos sabemos que a ganancia já destruiu o nosso rio taquari, agora que o governo e a maioria da população abriram olho, esses fazendeiros gananciosos que mais tem mais quer, fazem de tudo para acabar com tudo, só que eles esquecem que e essencial preservar a natureza para uma boa produção.
 
Paulo Sérgio de Lira em 09/03/2012 09:00:43
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions