A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

09/10/2016 11:25

O princípio da presunção de inocência e o STF

Fábio Andrade

O Direito é dialética, premissa que leva à conclusão, baseado nos argumentos apresentados e, algumas vezes, é influenciado pelos acontecimentos, pela evolução social, pelo clamor popular.

Veja Mais
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Educação e o futuro da alimentação

A História Constitucional brasileira democrática é recente, datando de outubro de 1988, quando veio à lume a Constituição Federal, chamada de "constituição cidadã" por Ulisses Guimarães. Com ela, tivemos o advento de uma nova ordem jurídica, constituindo a Constituição Federal o ápice da pirâmide jurídica, no ensinamento do jurista alemão Hans Kelsen. Significa isso que todas as normas de hierarquia inferior passaram a ser interpretadas com base no comando constitucional. A mudança levou tempo e ainda está em andamento.

Sendo a Constituição Federal recente, passou ela a conflitar com as leis anteriores, como, p.ex., o Código Penal brasileiro, que foi instituído em 1940, sofrendo uma reforma em sua parte geral no ano de 1984. Os influxos que determinaram o surgimento do Código Penal e da Constituição Federal de 1988 foram muito diversos, pois o primeiro é fruto de uma realidade muito distinta da última. Porém, devendo a Constituição nortear as normas inferiores, como é o Código Penal, é natural que surjam dificuldades e se façam necessárias evoluções interpretativas.

Desponta, então, a atuação do Supremo Tribunal Federal como guardião da Constituição, sendo um Tribunal de convergência ou de superposição, tendo o poder de rever as decisões das mais altas Cortes do Brasil. Nesse espeque, repercutiu no cenário nacional a decisão da Suprema Corte, por apertada maioria, que entendeu ser possível a prisão do réu após a decisão de segunda instância mas antes do trânsito em julgado.

A presunção de inocência ou de não-culpabilidade, no ensinamento de alguns processualistas, está prevista no art. 5º, LVII, da Constituição Federal, dizendo que "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória." Significa tal princípio que em regra o autor de uma infração penal somente deve ser preso após a observância do devido processo legal, sendo presumido inocente até prova em contrário. Isso por que o processo penal não deve punir inocentes. Tal regra aplica-se também à prisão provisória, que é aquela que ocorre antes do trânsito em julgado da sentença condenatória.

O artigo 283 do Código de Processo Penal, por sua vez, dispõe que "ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente, em decorrência de sentença condenatória transitada em julgado ou, no curso da investigação ou do processo, em virtude de prisão temporária ou prisão preventiva". O Supremo Tribunal Federal entendeu que o artigo 283 citado não impede o início da execução da pena após a condenação em segunda instância, dando uma interpretação conforme a Constituição. Entendeu o Ministro Edson Fachin, em seu voto, que o início da execução penal é coerente com a Constituição Federal quando houver condenação confirmada em segundo grau.

O Ministro Luís Barroso defendeu a garantia da efetividade do processo penal e dos bens por ele protegidos. Gilmar Mendes seguiu a linha de que a execução da pena com decisão em segundo grau não deve ser considerada como violadora do princípio da presunção da inocência. Houve uma modificação na jurisprudência do Tribunal, já sinalizada quando do julgamento do HC 126292, quando o Plenário entendeu no sentido da decisão agora confirmada. Desde 2009 o STF condicionava a execução da pena ao trânsito em julgado da condenação, ressalvando a possibilidade da prisão preventiva (HC 84078).

A decisão foi elogiada por muitos e criticada por outros tantos, estes entendendo que a Corte estaria legislando, sendo mais uma decisão política do que jurídica. Creio que deveria ter havido o reconhecimento expresso de ser o artigo 283 do Código de Processo Penal inconstitucional, o que não foi feito por nenhum dos Ministros.

*Fábio Andrade Especialista em Direito Penal e Processual Penal Advogado-sócio do escritório Agnelli & Andrade Advogados

A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...
A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...



Não há presunção de inocência para quem é condenado em segunda instância. Nesse caso há presunção de culpabilidade com direito a recorrência, se o sentenciado tiver muito dinheiro para recorrer, porque para os simples mortais basta um policial não "ir com a sua cara" que vai ficar trinta dias preso ou depender de um defensor público que sequer vai ler ou procurar algum processo rápido o bastante para evitar a sentença antecipada.
Recorrer ao STF deveria ser somente para casos de efeito social relevante como os crimes de lesa pátria atualmente tão comuns.
 
Hilton Fraboni Shelton em 10/10/2016 06:41:06
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions