A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

06/02/2011 11:35

O que aconteceu, o que está acontecendo em Dourados e o que pode acontecer com o PT no Estado.

Ananias Costa dos Santos (*)

“De tudo, ficaram três coisas: A certeza de que estamos sempre recomeçando... A certeza de que precisamos continuar... A certeza de que seremos interrompidos antes de terminar... Portanto devemos fazer da interrupção um caminho novo (...)”

F. Sabino

Amplamente divulgada, acontece nesse domingo eleições extemporâneas em Dourados-MS, cidade em que a classe política foi retratada nos últimos meses de forma negativa na mídia, com direito a cobertura nacional do ‘Fantástico’, devido a uma sucessão de escândalos de corrupção e rapinagens na coisa pública.

Ainda perpassa na retina do povo douradense imagens de câmaras escondidas, ressoam em seus tímpanos diálogos de combinações financeiras e proliferam boatos de delações premiadas, junta se a isso, ao menos por enquanto, a incapacidade de punição e as “renúncias anunciadas”, afinal da primeira grande ação da Policia Federal, em julho de 2009 ‘OPERAÇÄO OWARI’, cumprindo 41 mandatos de prisão, milhões de prejuízo aos cofres públicos, vereadores e empresários presos passando pela “URAGANO” com 29 mandatos de prisão, 38 conduções coercitivas e muitas apreensões de documentos e viaturas na rua e novamente vereadores, empresários, funcionários públicos, vice-prefeito e dessa vez o novo é que vai o prefeito junto. Além da renúncia do alcaide e seu sucessor direto, não se tem noticias de nenhuma punição.

É nesse clima que as eleições acontecem e deixam a população incrédula e apática de participar desse processo. A cidade pode experimentar a maior abstenção da sua história sem contar os votos nulos e brancos. Até porque o prefeito renunciado apóia a candidatura de Murilo Zauith, que se tudo correr como previsto, será o prefeito eleito.

Quem andar por esses dias em Dourados, vai perceber que a cidade experimenta um certo clima de ‘Depressão Política’, se é que isso existe, a população assiste abismada a união entre adversários históricos, o PT de Tetila, o DEM de Murilo que juntamente com Geraldo Rezende do PMDB articulava uma oposição raivosa ao mesmo Tetila e por fim Ari Artuzzi “o renunciado” que corria por fora, mas também sempre fez oposição e viria a se tornar prefeito com 42,38% dos votos em 2008. Nessa eleições Biasotto, candidato do PT e de Tetila fez somente 20,47%, candidato de um mandato bem avaliado administrativamente mas em descenço na política e finalmente Murilo que era o candidato do governador André Puccinelli fazendo 37,16. Vale destacar duas situações: uma a derrota política do PT e a segunda a polarização bastante acirrada entre Ari e Murilo, hoje todos personagens da mesma coligação, com Ari ‘o renunciado’ e Tetila ex prefeito apoiando Murilo Zauith na ‘União por Dourados’.

Algo surrealista, união partidária impensada, e visto que os partidos representam projetos dispares uns dos outros, o que será que move tal acerto político além da mera negociação de secretarias e apoio a uma provável candidatura de reeleição? Não há nada de novo no reino de Dourados, existe um fio tênue e frágil que une interesses e um monte de lixo embaixo do tapete.

Ao Partido dos Trabalhadores cumpre repensar, refletir e organizar uma prática política diferenciada, essa aliança negada pela Diretório Nacional, mas “validada” pelo diretório municipal com a complacência da Direção Estadual, não pode produzir o chamado efeito Orloff, lembram? Ou seja o que é Dourados hoje não pode ser outro município em 2012, os partidos políticos tem histórias, princípios e projetos que não se pode transigir, não são objetos de negociação.

Em particular o PT que se firmou e fortaleceu como um partido que sua aliança é com o povo, é construir um País de iguais e socialistas e que seja superada a opressão do homem pelo homem, logo não é um ajuntamento de pessoas que queiram subjugar interesses pessoais em detrimento do interesse partidário.

Precisamos radicalizar a democracia, temos um compromisso de raiz com ela e, aproveitar instantes em que podemos discutir com a população dessa diferenças é fundamental para o Partido. Dar oportunidades para a população optar entre projetos diferentes, ate porque somos um acumulo de projetos diferentes, não nos confundimos com o projeto da direita que governou esse país por 500 anos, a todo momento temos que discutir nossa proposta de Socialismo Democrático e Sustentável, nossa opção pela superação da opressão de raça, gênero e classe, nossos compromissos com os povos indígenas e com a reforma agrária, nossa reafirmação na busca de uma saúde e educação pública de qualidade. Novos desafios, velhos desafios.

(*) Ananias Costa dos Santos é filiado ao Partido dos Trabalhadores

Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...
Embarque comprometido
O Brasil está entre os cinco melhores mercados de aviação doméstica, mas há quase dois anos vem perdendo demanda por conta do cenário econômico. Só e...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions