A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2017

14/08/2016 09:00

O que dizer ao meu pai?

Reginaldo de Souza Silva (*)

Muitos deverão concluir esta semana com as seguintes palavras: Querido papai, painho, paizão, meu velho... Eu te Amo, você é muito importante para mim, o que seria de mim sem você?

Outros, que não são uma minoria, já não têm mais seus pais para dizer estas e outras palavras. Alguns só tiveram poucos anos de convivência, outros, nunca puderam conviver com ele, pois sua mãe exerceu esta função.

Hoje resolvi andar pela universidade e conversar com aluno(a)s de diversos cursos formulando a seguinte pergunta: no Dia dos Pais o que você diria a ele? Foi um momento de comoção, alegria, dor, reflexão ou mesmo de não saber o que falar e apenas pensar. Como falar de um pai se ele me abandonou aos seis anos de idade?

Os relatos foram a distancia da família, a idade e a cultura, as alegrias e tristezas, o abandono, o uso de álcool, o amor e sua importância, o cuidar dele, e outras palavras caladas no fundo do coração.

Sei ouvi-lo ainda que ele se expresse muito pouco, pois para ele o mais importante é garantir as condições materiais de sobrevivência! Em um momento da vida ele virou dependente de álcool, mas continuo a amá-lo e respeitá-lo. Para outras, ele é o exemplo, a vida, a alegria, o lutador, aquele que esta sempre presente.

Ser pai remete ao diálogo, ao cuidar, as experiências de vida, a superação das dificuldades, ao acreditar no presente e no futuro, aos exemplos e o amor, pois sem ele, tudo o mais terá pouco valor.

Ah, se cada filho(a), pudesse cuidar com carinho de seu pai, pudesse ouvi-lo, e respeitar os seus valores, suas crenças, seu modo de vida, mais do que dizer que amam, pudessem demonstrar o seu amor e que efetivamente ele sentisse este amor.

Quantos pais sao exemplos de amor e dedicaçao: o professor Paulo Paes, o psicologo Angelo Motti, os diretores das UNEIs de Corumbá Jose Dirceu; Ponta Pora - Paulo Torraca, Dourados - Kelli Leduino que, assim, como o Arcebispo da Diocese de Lins – SP, Dom Irineu Danelon, muito mais do que um pai, salvando e dando oportunidade para muitos jovens deste imenso país, de se recuperarem do uso de substancias psicoativas; de refletirem sobre suas infracoes, estimulando e dando oportunidade de vida e dignidade através da Pastoral do Menor e da Juventude.

Aos milhões de pais deste imenso país, que Deus os abençoe e possam continuar a ser o exemplo da presença dele na vida de seus filhos e filhas e na comunidade onde atuam.

(*) Prof. Dr. Reginaldo de Souza Silva, coordenador do Núcleo de Estudos da Criança e do Adolescente – NECA/UESB

Terça-feira de carnaval não é feriado
Bem ao contrário do que a maioria pensa, a terça-feira de carnaval não é considerada oficialmente feriado nacional. O mesmo ocorre com a quarta-feira...
Desenvolvimento Sustentável: Utopia ou uma possibilidade real?
Ao enfrentar um novo paradigma na sociedade, a academia, o marketing empresarial, relatórios executivos e até discursos eleitorais apelam para a “con...
Novos pobres
Haverá, só neste ano, mais 3,6 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha da pobreza. É impossível (para quem ainda consegue estar saudável dentr...
Conselhos de Gurdjieff para sua filha – II
Para quem não leu o artigo anterior, aqui vai uma breve apresentação: George Ivanovich Gurdjieff foi um místico e mestre espiritual armênio que viveu...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions