A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

11/12/2010 08:38

O que sobra no Ronaldo, falta ao Zé Alencar

Por Manoel Afonso (*)

Impossível deixar de comparar o jogador Ronaldo ao vice presidente José Alencar. O “Fenômeno” fez sucesso em todo mundo como atleta, dando-nos alegria com seu futebol encantador.

Com seu retornou ao país, foi possível conhecê-lo de perto, inclusive fora dos gramados. Evidente que a condição de astro, torna-o figura exposta na mídia mundial. Foi assim na sua luta pela volta aos gramados, no primeiro gol pelo “Timão” e nas suas aventuras pela noite, inclusive naquele episódio dos travestis num motel.

É impressionante como esse rapaz tem imensa facilidade em lidar de frente com essas situações adversas. Tem a sabedoria e humildade para ponderar, sem ofender, e até admitir erros comportamentais em sua vida privada.

Agora, esse jogador mais uma vez encanta a opinião pública com uma postura sensata e digna. Tão logo saiu o resultado do exame (solicitado por ele) de DNA de um garoto, manifestou de forma natural e feliz na imprensa sua disposição de assumir (mais uma) a paternidade e acolhê-lo na sua convivência. E o mais louvável: lamentou a perda de cinco anos de “curtição” do filho.

Na outra ponta, o outro personagem, que fez tanto sucesso como empresário, que acabou sendo guindado à vida pública e chegou a vice presidência da República. Sua vida, aliás, sempre foi usada como referência de dignidade pelo presidente Lula. Lutando contra um câncer já algum tempo, Zé Alencar atraiu o sentimento de solidariedade da nação brasileira. Certa feita chegou a dizer que “não tinha medo da morte, mas sim da desonra”.

Mas agora, aos 79 anos, Zé Alencar se recusa a reconhecer uma filha havida fora do casamento, apesar da sentença judicial desfavorável. O pior: se negou a fazer o teste de DNA e alegou que a mãe da filha seria prostituta. Dois erros letais: quem não deve, não teme; e as prostitutas também podem gerar filhos. Alguma dúvida?

Os brasileiros que estão criticando-o por essa atitude indigna, também rezam pela sua recuperação.

Pelo jeito, mesmo lutando contra a morte, Zé Alencar deve ter mudado seus conceitos sobre desonra. Enquanto Ronaldo faz mais “um gol de placa”, Zé Alencar faz esse gol contra no “final da partida”. É pena, manchou sua biografia e decepcionou todos nós. Um péssimo exemplo à Nação!

(*) Manoel Afonso é advogado.

Chacina e colapso nas prisões brasileiras
Nestes poucos dias do Ano da graça de 2017, o Brasil e o Mundo viram estarrecidos o massacre brutal de cerca de pelo menos 134 detentos, dentro das p...
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...



parabens pelo seu comentario comparando ronaldo e zé alencar. acompanho diariamente e gosto de comparações essas. parabens.
 
adão jorge oliveira da silva em 12/12/2010 03:20:19
Ronaldo e José Alencar não tem mais que obrigação assumir os filhos que geraram. Manoel, como sempre, devido à sua curta e limitada visão crítica, você esqueceu do Sr. Edson Arantes do Nascimento, vulgo Pelé. Ou como sempre: você está fazendo "vista grossa", "cutucando" estes e poupando aquele, conforme os seus interesses bajulativos? Cuidate que te estoy mirando!!!
 
Pablo Ramenzzoni em 11/12/2010 10:52:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions