A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

19/03/2012 14:29

O sangue de um poeta, a transgressão do real

Por Guido Bilharinho (*)

Em geral, tanto o leitor como o espectador querem usufruir de uma estória, em livro, filme ou peça teatral. Não uma estória qualquer, mas, a que se submeta, quanto à forma, à narração convencional e comportada e, no que tange ao conteúdo, à linearidade e superficialidade que a recheiem com aspectos espetaculosos, intrigantes, superficiais.

Todavia, é possível fazer-se filme de ficção que não contenha nenhuma dessas características.

É o que ocorre, por exemplo, com O Sangue de Um Poeta (Le Sang d’Un Poète, França, 1930), de Jean Cocteau (1889-1963).

Seu tema concreto resume-se a ferimento acidental ocorrido na mão de artista plástico.

Só isso, contudo, vincula a narrativa à realidade. A partir daí e do próprio acidente desconecta-se a ação do contexto real para adentrar o mundo maravilhoso e ilimitado da imaginação alógica e irracional. Nada mais prende ou enleia a personagem numa teia ordenada de relações, porque desde então está-se mergulhado no mundo do mito e do imprevisível.

Não havendo restrição alguma ao poder do imaginário, tudo é possível, todas as opções são válidas, repousando o valor do filme na utilização consciente e estética de recursos cinemáticos e picturais.

No caso, uns e outros apresentam-se articulados em alto nível de concretização formal e temática, facetas que se conjugam e interagem como síntese de projeto artístico-cinematográfico meditado e ousadamente elaborado, em que se aplicam os preceitos surrealistas, que não se conformam nem se atêm aos lindes da materialidade, extrapolando suas fronteiras, conquistando e incorporando novas dimensões estruturais, criando outro universo, no qual acontece justamente o que é impraticável ou impossível ocorrer no mundo real.

O projeto surrealista, no entanto, não tem como dispensar os elementos corpóreos e palpáveis que compõem a realidade.

Todo o insólito e extravagante que constitui o conteúdo da proposição é, pois, construído com o material existente, comum e prosaico, no caso, a estátua, a parede, o espelho, a porta, a fechadura, o teto, o desenho.

Desse condicionamento, no entanto, não se pode nem se consegue fugir. A diferença, pois, é de se ter ou não liberdade, audácia e criatividade em seu uso, para, além da matéria, seus limites e convenções, abusar-se de suas propriedades e possibilidades.

O uso é sempre convencional, comportado e acanhado. O abuso é liberação, criação, invenção, quebra dos grilhões impostos pela concretude do real.

À evidência, que proposta desse jaez encerra riscos e exige, além de destemor, fundamentação teórica e conhecimento da natureza e da finalidade da arte, sem o que toda produção não passará de tentativa canhestra de fazer o diferente quando não se estará fazendo mais do que o despropositado.

Cocteau, em seu filme, domina e utiliza com conhecimento de causas e efeitos os fatores condicionais (a materialidade das coisas) e incondicionais (a imaterialidade do pensamento e a imponderabilidade da imaginação) para fundamentar e realizar bela aventura artística, produto de razão, inventividade, arrojo e liberdade criativa. Um artista sem medo de errar.

Conquanto o filme tecnicamente não seja mudo (com esparsas narrações do próprio cineasta), é estruturado como se o fosse, com privilegiamento e realce da postura e dos movimentos dos atores integrados em décors artisticamente elaborados, compondo imagens esteticamente construídas, dispensada a dialogação.

(do livro O Filme Dramático Europeu, editado pelo Instituto Triangulino de Cultura em 2010-www.institutotriangulino.wordpress.com)

__________________________________

(*)Guido Bilharinho é advogado atuante em Uberaba, foi candidato ao Senado Federal e editor da revista internacional de poesia Dimensão, sendo autor de livros de literatura, cinema e história regional.

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions