A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

14/10/2016 10:00

O sonho não realizado

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Há dias em que nos vem à mente só lembranças ruins e, com elas, indisposição e desânimo. Não é só o corpo que precisa de atividade, o cérebro também. É preciso combater a paralização e ter propósitos que dependem da força de vontade num mundo que conspira pela inação e indolência. A ação começa no espírito, na vontade que tem de ser transmitida ao cérebro e se externar em ações. Mas como pouco se sabe sobre a vida, o espírito jaz adormecido diante da árdua luta pela sobrevivência.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

É preciso entender as causas da paralização e do marasmo. No Brasil eles têm duas origens: as condições externas de lutas pelo domínio econômico-financeiro e dos recursos naturais, somadas à falta de estadistas que visem o progresso e eficiência no trato das contas externas e internas; e a falta de preparo da população para um viver responsável e solidário.

A Inglaterra foi celeiro de mentes brilhantes que, com seus conhecimentos poderiam ter dado um curso benéfico para a trajetória da humanidade, mas faltou humildade espiritual e a participação de todas as capacitações para que um mundo melhor fosse construído. Em vez disso, estão surgindo distopias caóticas e reais. Água e ar são bens de valor inestimável, pois sustentam a vida. No entanto, o dinheiro foi colocado acima de tudo o mais. Florestas destruídas. Enormes áreas devastadas. Rios e mares poluídos. Reflorestar, sanear, despoluir, recuperar o solo já não são levados em consideração, pois não conferem renda financeira. Então que futuro poderá se apresentar?

O economista Celso Furtado (1920-2004) falou do sonho irrealizado no Brasil apesar dos recursos disponíveis. Afastada do solo real da vida, a humanidade só tem criado pesadelos. Como poderá sonhar uma geração que não lê, que não faz reflexões sobre a vida e o mundo, e que por essas razões acaba tendo visão curta, imediatista?

Sem dúvida está ocorrendo uma queda no discernimento e no bom senso. Falta a interação com o eu interior e a participação da intuição. As pessoas "vão levando" a vida no automático, sem prestar atenção no que estão fazendo, com o foco disperso em pensamentos confusos. É imperioso voltar a despertar a intuição, a simplicidade, a clareza e a naturalidade.

No filme “O homem que viu o infinito”, o jovem Srinivasa Ramanujan (Dev Patel), nascido em 1887, em Madras, na Índia, foi estudar cálculos matemáticos em Cambridge, Inglaterra, ao lado do racionalista professor Hardy (Jeremy Irons), destacando o confronto entre a intuição e a racionalidade. O filme não explica com clareza para que serve a matemática, nem como funciona a intuição, um dom natural concedido a todos os seres humanos. A matemática é fascinante pelo desenvolvimento dos cálculos e conclusões a que eles induzem, chegando a fortalecer no intelectual a arrogância de só acreditar no que se pode comprovar com o cérebro, levando ao encontro do ateísmo.

Para o espírito observador, que tem o eu interior desperto e faz questionamentos e reflexões intuitivas, a natureza revela a perfeição do Criador, e a regularidade do comportamento das séries numéricas mostram isso. A matemática e a geometria estão presentes em toda a natureza. A ciência dos números conduz ao conceito do infinito, que se acha além das capacidades cognoscitivas do cérebro, mas o racionalista não quer entender isso, de que existe muito mais além da capacidade cerebral restrita ao tempo e espaço.

Ramanujan sofreu o preconceito por ser indiano e por ter a capacidade de visualizar fórmulas e equações com a intuição, pois as leis naturais funcionam uniformemente em todo o universo, como a grande regularidade que se sintetizam nas fórmulas, mas descuidou da saúde. Temos de cuidar das necessidades do corpo atentamente, para permanecermos fortes e sadios para alcançar o autoaprimoramento e viver de forma construtiva e beneficiadora para realizar os sonhos.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo; é articulista e escritor

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions