A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

20/03/2012 06:45

Orgânicos

Por Heitor Freire (*)

Campo Grande exerce uma posição de destaque entre as cidades brasileiras de médio porte. Numa reunião do Comitê de Habitação do CMDU, Marcos Augusto Netto, presidente do SECOVI-MS, decano dos conselheiros e representante da Confederação Nacional do Comércio junto ao Conselho Nacional das Cidades, confirmou isso comentando o que observa nas atividades do Conselho.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Agora, mais uma vez, a nossa cidade se destaca. A SEDESC, Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, dando continuidade a um projeto vitorioso de fomento à produção de alimentos naturais sem agrotóxicos, inovou com a implantação do Ônibus de Orgânicos, com a participação da ASSETUR, que cedeu um ônibus. Esse projeto teve início em 2008, através de um convênio firmado com o Ministério da Agricultura, que incentiva a agricultura familiar e cria um cinturão verde em torno da cidade.

Hoje são 125 hortas agro-ecológicas em uma área de 25 hectares destinadas pela prefeitura para a instalação do Pólo de Orgânicos. Havia necessidade também de um local apropriado para a comercialização dos produtos: a partir de 2009, a praça do Rádio Clube, local nobre da cidade, foi designada para, às quartas-feiras, abrigar a feira de orgânicos, que também passou a contar com o estacionamento da prefeitura aos sábados. Localização própria, criativa e inteligente, a custo zero para os produtores.

Agora, o Ministério da Agricultura está solicitando dados a respeito desse projeto para implantar essa iniciativa em outros municípios brasileiros. O ônibus leva à rede escolar municipal, não somente a informação sobre a vantagem de se consumir produtos livres de inseticidas ou agrotóxicos, mas principalmente os cuidados com o meio-ambiente e com as questões nutricionais conscientizando os estudantes para os benefícios decorrentes dessas práticas.

O ônibus foi adaptado para ser um mercado móvel de comercialização dos produtos: no seu interior foram criadas gôndolas nas laterais, similares às dos supermercados. Assim os consumidores entram e circulam no seu interior, escolhendo e selecionando os produtos, pagando ao sair, num caixa instalado dentro do próprio ônibus, ou seja, é uma unidade volante de venda e divulgação.

Outro detalhe importante é que os produtos com toda essa gama de incentivos saem a um preço compatível com os outros produtos cultivados em grande escala e supostamente mais baratos. O consumidor ganha duas vezes: pelo consumo de alimentos naturais e pelo preço acessível.

Essa iniciativa é do secretário titular da SEDESC e vice-prefeito, Edil Albuquerque, que sempre se destacou como um político vocacionado para o fortalecimento do mercado empresarial da cidade. Toda a sua trajetória política sempre foi voltada para essa finalidade. Ele lidera também uma equipe de técnicos de alta envergadura, contando na secretaria adjunta com Natal Baglione Meira Barros, secundado por Orany Furtado da Rocha, superintendente de agronegócios responsável pela gestão do projeto, ambos técnicos muito respeitados.

Parabéns, Campo Grande.

(*)Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



USANDO DOS ORGANICOS, A PREFEITURA PODE FAZER PARCERIA COM A COMUNIDADE LIMPANDO OS TERRENOS BALDIOS E COMODADATOS PARA QUE SE POSSA PLANTAR. OS DONOS DE TERRENOS FIQUEM ATENTO QUE PODEM PERDER A AREA ENQUANTO FICAM ESPERANDO MELHOR PREÇO. E RISCOS AS PESSOAS COM ACUMULO DE SUJEIRA PARA PROLIFERAÇÃO DA DENGUE VICIADOS ESCONDIDOS LÁ,SENHORES LEITORES JÁ VIRAM ATRÁS DA FEIRA CENTRAL,É HORRIVEL.
 
luiz carlos em 20/03/2012 07:50:20
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions