A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

23/04/2013 11:27

Os cuidados na primeira infância

Por Waldemir Moka (*)

O Congresso Nacional começou a debater semana passada a importância da primeira infância. Foi elaborada proposta de projeto de lei que servirá de marco legal para esse período da vida no Brasil. É, em princípio, assunto desconhecido de grande parte das pessoas. Mas que está intimamente ligado ao seio familiar. A primeira infância vai da concepção da vida até os seis anos de idade.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

Dados divulgados no Seminário Internacional Marco Legal da Primeira Infância do Congresso Nacional, realizado entre 16 e 18 de abril último, na Câmara dos Deputados, mostram que é de zero aos três anos que 70% das conexões cerebrais acontecem e que se iniciam as revoluções motoras, como engatinhar, sentar, andar.

Os debates têm girado em torno dos avanços e desafios na elaboração de leis que garantam o pleno desenvolvimento infantil no Brasil, com execução de políticas públicas educacionais, sociais, de saúde para crianças de zero a seis anos. Se tiver acompanhamento adequado nos primeiros anos de vida, a tendência é que a criança se torne um adulto melhor, menos irritado, mais compreensivo, mais amável. É importante que o foco seja na primeira infância.

As mães que fumam durante a gravidez, por exemplo, aumentam em até oito vezes a possibilidade de desenvolverem Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) em seus filhos. Constatação que deve ser considerada.

A futura lei pretende reverter quadro nacional em que a maioria das crianças de zero a três anos de vida está fora das creches e sem qualquer apoio de políticas públicas. É preciso reduzir a distância entre o ideal proposto pelas políticas já existentes e a realidade de vida da maioria das crianças, principalmente as mais carentes.

O Censo 2010 contou 19,6 milhões de crianças na faixa de zero a seis anos no Brasil. Dessas, 10,9 milhões têm até três anos. A pré-escola atende cerca de 80% das de quatro e cinco anos. Porém, as de zero a três anos têm acesso muito restrito à creche: apenas 22% se encontram em alguma instituição de educação, pública ou privada.

Enquanto o grupo de quatro a cinco anos tende a ser integralmente incluído no atendimento educacional, pois pela Emenda Constitucional nº 59/2009 a frequência à pré-escola se tornou obrigatória, devendo ser universalizada até 2016, a creche ainda está longe de alcançar a maioria das crianças mais pobres.

Apesar de o Brasil cumprir sete das oito metas do milênio estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU) para 199 países, entre elas a redução da mortalidade infantil até 2015, o país ainda não conseguiu atender a outra importante meta: reduzir a mortalidade de mães durante o parto. O índice brasileiro é de 68 mortes para cada 100 mil nascidos vivos, quase o dobro do patamar da ONU, que é de 35 para cada 100 mil até 2015.

Diante disso, o Brasil precisa reduzir cerca de 50% a morte de grávidas, em quatro anos, informam os organizadores do seminário. Em 18 anos, de 1990 a 2007, o país registrou uma redução da taxa em 56%, passando de 140 a cada 100 mil crianças nascidas vivas para 75 por 100 mil, conforme dados do governo federal.

Como se nota, o caminho é longo e há muito a que ser feito. Mas os primeiros passos foram dados. O projeto de lei que saiu dos inúmeros encontros sobre essa questão será discutido na Comissão de Assuntos Sociais do Senado. Câmara e Senado vão trabalhar juntos para que o país tenha legislação completa sobre a primeira infância. A família e a sociedade agradecem.

(*) Waldemir Moka é senador (PMDB), médico e presidente da Comissão de Assuntos Sociais do Senado.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



Acho que não precisamos de mais projetos de lei.E sim cumprir as que já existem.Melhorando a educação com material pedagógico de qualidade e alimentação adequada pra as crianças.Quanto a saúde é aquela velha história temos prédios novos para atendimento mas faltam médicos.Acho o que se paga aos médicos é muito pouco, o que causa desinteresse da classe pelo atendimento público.Afinal saúde e educação é um direito de todos nós pagadores de impostos, não só quando se é criança, gestante ou idoso.Tem que sim por em prática as leis existentes e aplicar de forma honesta o dinheiro público.Dinheiro esse que é meu,é seu,é nosso.
 
Marcia França em 23/04/2013 13:02:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions