A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

25/11/2013 20:48

Os prazeres e riscos da corrida de rua e o aumento da prática em MS

Roberto R. Cisneros (*)

Um dos esportes que vem somando mais adeptos em Mato Grosso do Sul, a corrida de rua se destaca pela facilidade da prática esportiva, não exigência da presença de grupos, bastando a vontade de correr, um tênis, short e uma camiseta. Porém, essa facilidade também esconde riscos, que devem fazer o corredor iniciante ficar atendo.

A ocorrência de lesões nas fases iniciais da corrida de rua é uma constante. Não são lesões graves, mas, na maioria, lesões de “instalação” lentas, que podem levar um longo período de recuperação quando iniciado o tratamento – que, espera-se, seja realizado.

Os locais mais comuns de lesões em corredores são joelho, pernas, tornozelos, planta do pé, além de lesões menores, como calos, bolhas, e cãibras.

As queixas nos consultórios são das mais variáveis, mas com destaque para dores, crepitações ou mesmo inchaço nos joelhos. Com a experiência de quem conversou e conversa com diversos pacientes adeptos do esporte, uma constatação posso fazer: desperta a atenção a forma como o atleta amador está desenvolvendo o treino.

Evolução muito rápida na frequência ou duração da corrida, distância percorrida cada vez maior, além de alimentação inadequada, são pontos a serem destacados na prática do esporte, em especial para quem nunca havia corrido antes. Podemos somar ainda problemas estruturais das cidades brasileiras, calçadas e terrenos irregulares, dentre outros, acabam por levar o paciente a sentir dores e procurar auxílio médico.

O primeiro ponto para prevenir as lesões é o conhecimento do próprio corpo e limites. As lesões são associadas às características e preparo do atleta. Características como preparação cardiorrespiratória, biomecânica e anatômica, são de fundamental importância, e só podem ser aferidas com acompanhamento especializado.

Fácil, barata e prazerosa. As benesses da prática da corrida de rua são imensas. Mas fica o alerta: para que esse prazer não se torne frustração, o corredor deve “ouvir” os sinais e linguagens do próprio corpo, respeitar seus limites e sempre procurar quem entende do assunto, sejam médicos, fisioterapeutas, corredores profissionais ou preparadores físicos.

(*) Roberto R. Cisneros é médico ortopedista, cirurgião de joelho e traumatologia do esporte

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



Corredores profissionais não devem ser consultados. Não tem qualificação para isso. Quem tem formação sobre os princípios do treinamento é o Educador Físico (Bacharel em Educação Física) e de preferência que tenha especialização na área. Um dos principais fatores para evitar as lesões e ter uma prática segura, além do treinamento adequado as condições cardiorrespiratória e biomecânicas é desenvolver um programa bem equilibrado de fortalecimento muscular.
 
Paulo César Sanguina Pinto em 25/11/2013 21:53:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions