A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

28/08/2012 07:30

Ourivesaria do caráter

Bruno Peron (*)

Entramos pela porta de trás de uma oficina que se chama ourivesaria do caráter.

O desânimo, a fragilidade e a vulnerabilidade nos afligem quando menos esperamos.

O processo de condicionamento do caráter nem sempre esclarece qual será o terreno onde se dará a etapa próxima. O objetivo é quiçá o de que um dia o ourives nos deixe sair pela porta da frente de sua oficina, portanto bem lapidados e preparados para o mundo com que muitos de nós sonhamos (onde há conhecimento, harmonia, paz, respeito, sobriedade).

Soluções a problemas de ontem podem não servir mais para resolver os de hoje, linguagens que têm aceitação num grupo étnico poderão ter recusa noutro, cosmovisões e religiões discrepam até mesmo dentro da mesma nação, as pessoas (des)organizam-se de formas contrastantes e até conflitantes. Cada povo realiza suas necessidades de formas diferentes em alimentação, comunicação, vestimenta, higiene, diversão, repouso, etc.

A puerilidade nos persegue. Quanto mais nos distanciamos de uma época, maior o grau como se sente o absurdo (questionamo-nos como pudemos agir daquela maneira ou deixar de tomar certas atitudes numa situação que hoje tiramos de letra). O trabalho de ourivesaria é perene aos interessados e intermitente aos morosos. Nunca retrógrado. A pedra não volta a ser bruta.

As realizações técnico-industriais do Ocidente culminam no fomento incessante ao comércio do que quer que seja (até de bens nocivos à saúde e ao bem-estar), de guerras (e materiais bélicos) e intromissões políticas em território alheio em nome da democracia e da liberdade. Neste caso, a podridão do caráter transparece no processo de lapidação, que é certamente mais demorado. A pedra destes agentes é tão bruta quanto a ganância pelo ouro negro, fonte não-renovável de energia para suas locomotivas. Assim alguns países do Oriente Médio (como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos) se iludem na opulência.

A Síria encena a luta recente entre velhas potências da Guerra que continua Fria a despeito da mensagem da filosofia “alternativa” de Karl Marx. A solução aos males da Europa é dada pelos próprios europeus. Mal imaginava o barbudo que o andídoto contra o capitalismo começaria a ser injetado pela China e seu insólito modelo de “socialismo de mercado”.

Algo nos ensinou a Conferência de Bandung nos anos 1950. O despertar de alguns povos refere-se a uma nova relação de poder mundial que realça a posição de nações do “Sul”, da “Periferia” ou do “Terceiro Mundo” no sistema internacional. Este estímulo brota com força desde o gigante asiático que acabo de mencionar, já que se espera da pobre Índia e da oprimida África do Sul um papel que não têm condições de assumir.

O Brasil, cujo modelo de desenvolvimento está na “corda bamba”, aparece nesta relação de forças. Enquanto se explodem caixas eletrônicos para que ladrões levem o dinheiro que os bancos europeus nos tiraram do povo através da usura, investe-se uma fortuna em iminentes megaespetáculos esportivos. Papel do cidadão? Interferir mais nos debates e nas decisões políticas e considerar os novos espaços públicos (redes sociais, blogs e outros mecanismos dos meios digitais de comunicação) que transcendem – mas não suprimem – os meios convencionais de mudança (partidos políticos, sindicatos, comunidades de bairro, etc.).

Entrementes, a polícia migratória “hermana” surpreende brasileiras tentando viajar à Europa pela Argentina com cocaína escondida nas genitais e nas perucas. Como fica a cara de quem levamos a sério este país e queremos construir um modelo efetivamente alternativo de desenvolvimento? Por um lado, elas deveriam ter conseguido sair por não fazer falta ao Brasil; por outro, países ainda se conhecem por seus estereótipos e indústrias da cultura, da droga e do sexo. Portanto, não fazem menos que queimar nosso filme ao mundo.

A ourivesaria do caráter passa necessariamente por estes contrastes entre altos e baixos, a esperança e o descrédito, a paciência e o desânimo. Entramos muitas vezes debilitados pela porta de trás da oficina e saímos fortalecidos pela porta da frente. Com efeito, poucos acontecimentos são tão previsíveis ou fáceis de lidar do jeito que planejávamos.

(*) Bruno Peron é mestre em Estudos Latino-americanos por Filos/ UNAM (Universidad Nacional Autónoma de México)

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions