A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

09/12/2010 15:34

Para Assange, a forca!

Por Thaís de Mendonça Jorge (*)

O vazamento de 250 mil comunicações secretas da diplomacia norte-americana por meio do site Wikileaks nos permite uma leitura à luz da trajetória da imprensa no mundo ocidental. Não por acaso aconteceu nos Estados Unidos, berço de invenções que mudaram a história dos jornais, como a entrevista e o modelo de texto em formato de pirâmide invertida. Também pode ser um bom exemplo das teorias do jornalismo, se queremos ser bem didáticos.

A revolução francesa, em 1789, trouxe à tona os direitos da pessoa humana à livre expressão, pensamento e ação. A figura de um prelo carregado pela multidão em delírio, na Queda da Bastilha, mostra a importância dada à figura do jornalista que, de início, tinha função publicista, no sentido de transmitir as próprias opiniões e “fazer a cabeça” de um público que necessitava de orientação.

Entretanto, repórteres começaram a ser aceitos na sociedade somente a partir do século XIX, com a contratação dos primeiros representantes da imprensa para assistir às sessões do parlamento britânico. Desde então, a figura do jornalista como homem de informação vem se afirmando. A imprensa ajudou no trabalho de consolidação das metrópoles, como urbes, contribuindo para a construção da cidadania e para a circulação do conhecimento.

Os princípios da Declaração Universal da Pessoa Humana estão na Primeira Emenda da Constituição norte-americana assim como na Constituição brasileira e de muitos países. A Primeira Emenda é explícita: proíbe obstar a liberdade de expressão e a da imprensa, assim como vedar o direito das pessoas de se reunirem pacificamente, onde quer que seja. Herdeira desses pressupostos, a imprensa outorgou a si o papel de cão de guarda das instituições do mundo moderno.

O episódio WikiLeaks – muito propriamente denominado Cablegate, ou seja, escândalos dos telegramas – tem, por sua vez, aproximação com a questão anterior do Watergate. E não apenas pelo vazamento de informações. O Watergate é um prédio em Washington onde aconteciam reuniões do Partido Democrata, espionadas por ordem do então presidente republicano Richard Nixon.

O Cablegate nos remete ao papel do jornalista como gate keeper, ou "guardião do portão das notícias", aquele que está a postos para selecionar o que vai ou não virar componente de noticiário. Em 1972, época do Watergate, o jornal The Washington Post protegeu os repórteres Bob Woodward e Carl Bernstein e nenhuma cabeça da imprensa rolou. Pelo contrário, quem renunciou foi o próprio presidente dos Estados Unidos.

O telegrama é uma forma usual de comunicação entre a diplomacia. O que no passado eram telegramas formais, passados pela rede de telégrafos, hoje são comunicações que se beneficiam da tecnologia, embora mantenham seu caráter confidencial. Como gênero de escritura, pertenceriam a uma espécie de escrita íntima, protegida por segredo de Estado.

No caso do Brasil, a revelação da troca de telegramas diplomáticos faz cair algumas máscaras. Ficamos sabendo, por exemplo, do intenso lobby que subjaz à indústria de armas, tanto para a venda de aviões de caça como para submarinos ou fuzis. Tomamos contato com as falhas de segurança em alguns pontos-chave da economia mundial, como a camada do pré-sal, os portos de Rotterdam e Hong Kong e o estreito de Málaca.

Ninguém falou em venda de armas individuais, mas a mesma grande estrutura que fabrica materiais letais para aviões comercializa revólveres e metralhadoras que depois vão subir os morros cariocas. Na pós-modernidade, a indústria sempre se renova e não pode parar, pois tem de cumprir uma das fátuas do capitalismo, a de sempre produzir mais dinheiro.

Os que acusam o fundador do site WikiLeaks, Julian Assange, de atentar contra a segurança do Departamento de Estado americano, acusando-o de anarquista e de apostar no caos, são os mesmos que reconhecem o direito dos grandes jornais do mundo ocidental – Der Spiegel, El País, Le Monde, The New York Times e The Guardian – à livre expressão.

Foram esses os periódicos escolhidos pelo editor do site para dar suporte à publicação dos documentos. A perseguição a Assange, o esforço deliberado de desqualificá-lo como jornalista, como se a internet não fosse veículo para publicações, e a tentativa de cortar os canais de sustentação do site WikiLeaks são como, em 1587, a sentença que coube a Aníbal Capello, na Itália: a forca.

Identificado como chefe de um grupo de menanti - os mais antigos repórteres, que levavam e traziam informações, também cognominados pejorativamente de gazzettanti e avvisisti – Capello foi condenado à morte pelo Papa Sixto V. Cortaram-lhe uma das mãos, arrancaram-lhe a língua e, depois de morto, foi exibido com um cartaz que o incriminava como “falsário, caluniador”.

Hoje em dia, a qualquer descuido, nossa vida pode estar devassada na internet. Foi o que aconteceu com os papéis norte-americanos. Mas isso não compromete a democracia, ao contrário, ajuda a azeitar as engrenagens, a revelar as estranhas do poder. O que querem fazer com Julian Assange repete o que acontecia nos velhos tempos. Quando a notícia era polêmica, os antigos (como os pós-modernos) não têm dúvidas: matem o mensageiro!

(*)Thaís de Mendonça Jorge é jornalista, professora do Departamento de Jornalismo, da Faculdade de Comunicação, da Universidade de Brasília e pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre Mídia e Política da mesma universidade. Mestra em Ciência Política e Doutora em Comunicação, pela UnB, é pós-doutora em Cibermeios pela Universidade de Navarra, Espanha.

Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...
Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...



Coberta de razão.
Aqueles que não querem que as mensagens sejam vistas no mundo são aqueles mesmos que preferem também o monopólio mundial da informação feitas a seu modo, lógico que para garantir benefícios escusos.
É disso que vive os EUA. E suas colonias Inglaterra, Alemanha, etc..
 
Alberto Nascimento Filho em 12/12/2010 05:51:10
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions