A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

02/04/2014 14:59

Parece que agora vai

Por Heitor Freire (*)

No artigo publicado em 14 de janeiro de 2013, “NOVOS TEMPOS”, eu saudava a administração municipal recém empossada, desejando ao novo prefeito e à sua equipe sucesso nessa nova caminhada. Assim me pronunciei me referindo à continuidade de quase 30 anos de administração:

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

“Essa continuidade de ideias e políticas proporcionou ao quadro de funcionários da prefeitura de Campo Grande um aprimoramento pelo prosseguimento no tempo de uma mentalidade sequencial de práticas e procedimentos. Os atores permaneceram e se aperfeiçoaram. Hoje, posso afirmar com conhecimento de causa: a nossa prefeitura conta com um elenco de funcionários do mais alto gabarito.

E agora temos pela primeira vez, em quase trinta anos, uma mudança radical de administração. A nossa população pedia uma mudança. E ela veio. E estamos observando que o nosso prefeito se depara com uma situação que está a lhe exigir uma capacidade de liderança elevada para poder comandar essa máquina que está muito bem azeitada. Particularmente, faço votos de que nosso prefeito realize uma boa administração, que é uma tradição em Campo Grande”.

O artigo terminava com este parágrafo:

“Assim “cela s’entend”, o costume faz lei. Eu espero. E desejo que o nosso prefeito tenha a mesma competência demonstrada pelos seus antecessores na administração da prefeitura e se corresponder, na continuidade de sua carreira política”.

Mas o que vimos foi uma continuidade de desacertos, de incompetência, de descompromisso, de falta de cumprimento da palavra empenhada, o que veio, entre outras situações, a culminar com o processo de cassação do então prefeito.

Estamos hoje com uma nova e esperançosa situação: o atual prefeito Gilmar Olarte está se constituindo numa agradável surpresa. Em poucos mais de 20 dias já tomou atitudes e decisões que descongestionaram a máquina pública. Eu, como diretor da Santa Casa, já testemunhei ações do prefeito liberando verbas que se encontravam “escondidas” nos escaninhos da secretaria de saúde, verbas de origem federal e estadual que incompreensivelmente não eram liberadas pela prefeitura. Não dá para entender quais eram os propósitos e intenções do então alcaide e de seu secretário de saúde.

As instituições privadas filantrópicas e assistenciais – que muitas vezes suprem o que o poder público não faz – e que sempre contaram com o precioso auxílio da administração municipal para o atendimento de suas atividades, por intermédio dos convênios de cooperação, encontraram-se a pão e água durante um ano e dois meses. Nada funcionou. Ou quase não funcionou. A verba pública que dava e dá respaldo a essas instituições para que possam cumprir o seu desiderato ficaram, em sua grande maioria, congeladas. Até agora também não entendi qual motivo impedia o então prefeito de liberá-las.

Agora a prefeitura já está solicitando a essas entidades o envio da documentação necessária para a assinatura dos convênios com a consequente liberação das verbas que lhes são devidas. Vai ser, com certeza, uma grande comemoração quando o prefeito Gilmar Olarte convocar as entidades para a assinatura dos convênios.

Parece que agora a coisa vai. Tudo indica que o nosso prefeito acionou o seu azimute político com o norte voltado para o benefício da nossa população. Que assim seja.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions