A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

15/05/2013 12:57

PEC 37... Que história é essa?

Por Antônio Cézar Lacerda Alves (*)

Aprendi na faculdade que, no âmbito da legislação processual penal, a polícia investiga e o ministério público acusa. Naquele tempo o membro do ministério público era chamado de “Promotor de Justiça”, ou, como o próprio nome está dizendo, aquele que promove justiça. E é assim que continuo vendo, pois o órgão ministerial é o “dominus litis” da ação penal; a quem cabe, consequentemente, o “jus accusationis” e a pretensão que lhe é correlata.

Aprendi, também, que os promotores de justiça atuam com imparcialidade e que a pretensão estatal, estabelecida pelo “jus puniendi”, não pode ser exercida com o desiderato único e exclusivo de se obter uma condenação. Aliás, para Calamandrei “o Ministério Público atua como órgão público, que zela pela realização da Justiça, e não como mero interessado privado que age para o triunfo egoístico de seu próprio interesse”. Rui Barbosa foi ainda mais enfático: “o órgão da Justiça Pública não é um patrono das causas, intérprete parcial de conveniências, coloridas com mais ou menos mestria; é rigorosamente a personificação de uma alta magistratura”.

Aprendi, por outro lado, que a “persecutio criminis” apresenta dois momentos distintos: o da simples investigação (informatio delicti) e o da ação penal. No primeiro, desponta como orientador o princípio inquisitivo e, no segundo, em sua quase totalidade, sobressai o acusatório. Por isso mesmo, conforme anotou Petrocelli, o inquérito policial se destina a por o fato em contato com o órgão da ação penal; e, este, através da ação penal, põe o fato em contato com o juiz.

Aprendi, naquela época, que inquérito policial encerra instrução provisória, com o desiderato único de alicerçar eventual ação penal. É procedimento administrativo-invetigatório com a finalidade imediata de fornecer ao órgão da acusação os elementos suficientes ao oferecimento da denúncia. Nesta fase, inclusive, não se faz obrigatória a presença da defesa – e nem da acusação, pois essa fase não é presidida pelo princípio do contraditório. Por isso mesmo, naquela época, um decreto condenatório jamais poderia ser sustentado com base apenas nos indícios colhidos nessa fase. Para valerem como prova, esses indícios precisavam ser renovados na fase judicial – esta sim, presidida pelo contraditório, que, é seguramente, um dos mais sagrados princípios do direito. Aliás, naquela época, o MP não participava da investigação porque se o fizesse a defesa também teria que participar, sob pena de nulidade da peça inquisitorial...

Então, por todas essas lições hauridas de antigos e saudosos mestres, continuo entendendo que a missão de investigar crime é exclusiva da polícia e a missão de acusar é exclusiva do Ministério Público. Sendo que, como sempre ocorreu, se a investigação não foi realizada a contento cabe ao MP determinar a realização de novas diligências... Aliás, essa é uma demonstração de que o MP, num patamar superior, fiscalizando a atuação da policia, requisitando a instauração da investigação ou determinando a realização de diligências, participa sim da investigação.

Por isso mesmo, essa preocupação demonstrada pela mídia nacional - e que já repercutiu junto à opinião pública - de que se o Ministério Público não participar da investigação vai acontecer isso e aquilo e blá, blá, blá, não deve prevalecer. Aliás, a polícia federal tem nos dado excelentes exemplos de eficientes investigações. De modo que, se as policiais estaduais, que são órgãos do executivo (segurança pública), estão falhando é porque os seus respectivos governos estaduais também falharam; e, com efeito, antes de incluir o MP no rol dos agentes da investigação, é preciso aparelhara nossa polícia (investir, pensar, elaborar projetos condizentes, e que possam ser aproveitados por todas as polícias, de todos os Estado, etc.).

Para finalizar esse modesto estudo - relembrando que o Juiz, quando necessita de uma prova para aperfeiçoar a sua decisão, ele a produz através de perito e não pessoalmente, e que essa relação (juiz-Perito) deve ser a mesma relação entre o MP e a Polícia -, ressalto que eventual PEC que conceder ao MP a missão de investigar deverá – por absoluta ausência de necessidade – extinguir a polícia judiciária, ou, no mínimo, o cargo de delegado de polícia...!

(*) Antônio Cézar Lacerda Alves é advogado.

Previdência Social: verdades e mentira
Com a reforma da Previdência, e já que acabaram com o Ministério da Previdência, vários ministros dispararam versões sobre o tema, mas como não sabem...
Chacina e colapso nas prisões brasileiras
Nestes poucos dias do Ano da graça de 2017, o Brasil e o Mundo viram estarrecidos o massacre brutal de cerca de pelo menos 134 detentos, dentro das p...
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...



muito bom, só recordando apenas que a polícia civil também realiza grandes investigações policiais que nenhum outro órgão consegue realizar, seja o MP, seja a PF, a PM ou quem quiser informar, como nos casos de homicídios dolosos de grande repercussão, assaltos, sequestros, latrocínios etc, em quantidades inimagináveis, cujo trabalho dá condições para que os demais órgãos do Estado possam realizar também seus misteres, como a própria PF, MP, Judiciário, PM e diversos outros, portanto, é uma lástima imensurável o engodo que está sendo aplicado pela mídia e pelo MP contra a população, a qual, por diversos fatores, é facilmente manipulável, incluindo até mesmo pessoas supostamente instruídas, como médicos,adv, engenheiro,etc,devendo tb os magistrados acordarem ao jogo da manipulação do MP...
 
italo biancardi neto em 15/05/2013 23:46:59
Excelente artigo, claro e preciso. Cheguei a assinar o abaixo-assinado contra a PEC, mas agora, após vários esclarecimentos, inclusive, lendo manifestações favoráveis feitas por juristas renomados, vi que caí no canto da sereia do Ministério Público. Espero que a população assim como eu, tenha a oportunidade de conhecer o real significado dessa PEC e não se deixe mais se enganar. Nem pelo Ministério Público, nem pela mídia que tenta distorcê-la.
 
virginia porto em 15/05/2013 17:27:33
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions