A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

09/09/2014 08:02

Pimenta vermelha

Por Heitor Freire (*)

Eu sou um ser em busca permanente do meu aprimoramento físico, mental e espiritual. No que tange à parte física, procuro sempre por melhores alimentos, nutrientes e práticas que me permitam um sistema alimentar salutar e que me proporcionem um meio de vida inteligente e sadio.

Veja Mais
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
Comércio exterior: o que esperar de 2017

Nessa busca, deparei-me outro dia com um livro escrito pelo dr. Márcio Bontempo, médico clínico-geral, homeopata e pós-graduado em nutrologia, autor de 64 livros, presidente da Federação Brasileira de Medicina Tradicional e de outras entidades similares, que já realizou mais 1.200 palestras sobre saúde pública: Pimenta e seus benefícios à saúde.

Fiquei bem impressionado com a novidade sobre o uso da pimenta. Que já utilizo há algum tempo, mas sem o conhecimento que o dr. Márcio me proporcionou com o seu livro.

Como sempre, quando me deparo com uma nova possibilidade “extravagante” como tantas outras que adotei ao longo dos tempos, consultei o dr. José Roberto Campos de Souza, médico homeopata, que, há 36 anos me “cuida”, exercendo o seu múnus da medicina no mais alto grau de dedicação e competência. Medicar do latim medicare, significa cuidar.

Assim, por exemplo, quando decidi usar a auto-hemoterapia (que já pratico há dez anos), o uso do cloreto de magnésio, o uso do bicarbonato de sódio em um litro de água morna em jejum, o alho que como cru também há muitos anos, consultei o dr. José Roberto, que me orientou em como utilizar a pimenta como alimento nutritivo e altamente benéfico.

Conheci o dr. José Roberto numa situação extremamente angustiante que me encontrava por sofrer de uma alergia que me causou a perda do cabelo. Naquela época, caíam placas e placas de cabelo com raiz, deixando-me calvo, sendo que eu sou de uma família de homens totalmente cabeludos. Mas eu sei que nada acontece por acaso.

Eu estava seguindo um tratamento com um médico altamente conceituado (hoje é nome de avenida) e que me entupiu com cortisona, o que mascarou o efeito da alergia. Quando descobri o que estava acontecendo, suspendi o tratamento, o que ocasionou uma erupção violenta como efeito.

Eu estava nessa situação, em 1978, quando li no Diário da Serra, uma reportagem do meu amigo e jornalista Nilson Pereira que noticiava a chegada em Campo Grande do dr. José Roberto. Curioso, marquei uma consulta.

Quando me deparei com o doutor, fiquei um pouco surpreso porque se hoje ele tem uma aparência bem mais jovem de sua idade real, naquela época, provavelmente com 25 anos parecia um jovem de 18.

Ele me recebeu, fez a sua avaliação no sistema da homeopatia e me disse que havia uma grande possibilidade de reverter a alergia, mas que inicialmente haveria um recrudescimento do mal, o que iria exigir de minha parte uma grande dose de paciência e de perseverança. Pensei, pior do que está não irá ficar.

Confiei e a partir daí tornei um cliente e amigo dele. Conseguimos, assim, a cura total da alergia. A grande diferença entre a homeopatia e a alopatia é que enquanto a homeopatia cuida do doente, a alopatia cuida da doença.

Assim, desde então, eu me reporto a ele sempre que necessário, recebendo sempre uma orientação precisa, objetiva e benéfica.

Foi o que aconteceu agora, quando me deparei com o livro sobre a pimenta.

O dr. Márcio com um estilo simples e direto ensina com muita propriedade o que se pode obter de benefício com o uso da pimenta, quais são as diversas espécies e como utilizá-las de forma inteligente e útil: “Um dos alimentos funcionais mais antigos da humanidade”.

Ele mostra ainda que pesquisas modernas, apontam entre os benefícios do uso regular da pimenta, a proteção do organismo contra doenças degenerativas, ao mesmo tempo em que ativa o sistema imunológico.

O livro é uma publicação da Alaúde Editorial Ltda. Recomendo a sua leitura e a prática ali indicada.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions