A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

07/04/2014 09:39

Porque a violência se agrava a cada dia?

Por Dallyla Caetano (*)

Ao falar sobre violência, devemos primeiramente conceituá-la. Violência significa usar a agressividade de forma intencional e excessiva para ameaçar ou cometer algum ato que resulte em acidente, morte ou trauma psicológico. É um comportamento que causa intencionalmente dano ou intimidação moral a outra pessoa ou ser vivo. A palavra violência deriva do Latim “violentia”, que significa “veemência, impetuosidade”.

Existem vários tipos de violência, dentre alguns podemos destacar: violência física, verbal, sexual, etc., ela se manifesta de diversas maneiras, em guerras, torturas, conflitos étnico-religiosos, preconceito, assassinato, fome, etc. Todo tipo de violência provoca um trauma, entretanto, a violência verbal, causa danos morais, que muitas vezes são mais difíceis de esquecer do que os danos físicos.

Muito se discute sobre a violência, mas ninguém consegue explicar a razão que está levando esse mau a crescer de forma tão brusca e assustadora. Desde que o mundo é mundo ela existe, mas nos últimos tempos, tem deixado todos estarrecidos, é como uma “epidemia”, doença que está em todo lugar, e que se prolifera generalizadamente.

Mas porque a violência se agrava a cada dia? O que leva uma pessoa a cometer um ato de violência contra o seu próximo?

Ao responder tais questionamentos, algumas pessoas vão afirmar de forma rápida e enfática que quem comete violência contra outrem merece ir para a cadeia, sem ao menos parar para analisar, de fato, sobre o que foi questionado. Na maioria das vezes, elas não procuram saber qual a razão que leva um indivíduo a tornar-se uma pessoa violenta e a cometer atrocidades. Isso pelo fato de vivermos numa sociedade totalmente corrompida, que julga sem conhecimento de causa, que confia e acredita em tudo que é veiculado na mídia (como diz o ditado “preferem tapar o sol com a peneira”), dentre outros fatores.

Um dos grandes motivos para a ocorrência desse problema no Brasil é a desigualdade social. O nosso país é uma “grande potência” ainda em ascensão, mas infelizmente não temos representatividade política capaz de acelerar o seu crescimento. O país está marcado e manchado pela corrupção que além de vergonhosa é sem dúvida, umas das barbáries que mais contribuem para o que estamos vivenciando.

Dinheiro (oriundo de ‘infinitos’ impostos pagos pela sociedade) que deveria ser aplicado na educação, saúde, transporte, moradia, esporte, lazer, etc., vai literalmente para o “ralo” nas mãos de políticos antiéticos que não se importam com os problemas sociais. Sem deixar de destacar a crescente taxa de natalidade entre jovens (garotas que ainda não completaram a maioridade, estão se tornando mães), o que é um erro, já que muitas dessas adolescentes não conseguirão dar o mínimo de suporte que uma criança necessita, visto que elas também não tiveram uma base familiar e os seus direitos fundamentais respeitados, conforme preceitua o art. 3º da Lei 8.069/1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente.

O fato é que a sociedade clama por justiça. O Poder Público precisa se organizar e se mobilizar urgentemente, de forma a acabar com todos os tipos de violência existentes e que tanto tem deixado as pessoas em estado de desespero, ao ponto de não mais estarem ocupando a situação apenas de vitima, mas tornando-se também autoras de atos ilícitos e reprováveis, à medida que resolvem fazer “justiça com as próprias mãos”.

Alguns casos são chocantes e envergonham o país, recentemente um adolescente foi preso nu a um poste, acusado de assalto no bairro do Flamengo, no Rio de Janeiro; em Goiás a situação é a mesma, todos os dias surgem casos dessa natureza. As pessoas estão agindo dessa forma, por sentirem-se desprotegidas e desacreditadas na justiça.

O que mais preocupa é que tantas barbáries estão acontecendo e se propagando em uma época em que deveríamos estar em festa, já que o país “do futebol” sediará em breve a Copa do Mundo, o evento de maior repercussão internacional. Ao contrário do que se esperava, estamos vivendo uma época de crises, revoltas, inconformismos e de instabilidades em todos os setores.

O Estado precisa deixar de maquiar a raiz do problema e realizar políticas públicas e ações preventivas, e principalmente deve cumprir e respeitar os objetivos fundamentais da Constituição da República Federativa do Brasil. Cabe a toda sociedade e principalmente as autoridades competentes dar a sua contribuição, a fim de que o país consiga se desenvolver em todos os aspectos, e quem sabe num futuro próximo, possamos nos orgulhar de nós mesmos.

(*) Dallyla Caetano é advogada, integrante da Comissão de Direito Constitucional e Legislação da Ordem dos Advoga­dos do Brasil – Seção de Goiás e Especialista em Direito Civil e Direito Processual Civil.

A força da mulher no campo
Em rotina de propriedade leiteira a mulher tem se destacado em alguns setores, ordenha e cuidados de bezerros já são áreas, na produção leiteira, que...
Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions