A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

24/01/2012 07:05

Precisamos de Heróis

Por Vladimir Polízio Júnior*

Quase 100 anos depois do naufrágio do Titanic, o acidente com o Costa Concórdia revelou ao mundo o quão importante é, de tempos em tempos, surgirem pessoas boas, corretas, que simplesmente façam o que deve ser feito. E como pessoas assim são raras, quando surgem são tidas como verdadeiras heroínas. Daí a conduta de Gregorio De Falco, que mandou o covarde comandante retornar ao seu posto e fazer o que deveria fazer, ser heróica. Não há provas de que isso tenha salvado vidas, ou mesmo diminuído a tragédia, mas simplesmente era o que deveria ser feito.

Embora isso tenha se passado na Itália, país com qualidade de vida muito superior ao nosso (o Índice de Desenvolvimento Humano italiano é o 24º do mundo, e o brasileiro o 84º), lá há uma crise institucional iminente, pois os políticos são vistos com desconfiança, a justiça não tem sido tão justa, e uma crise econômica se avizinha. E no Brasil? Bem, recentemente a imprensa divulgou que mais de R$ 80 milhões dos nossos impostos vão pagar auxílio alimentação para alguns magistrados federais (que ganham mais de R$ 20 mil por mês e têm 13º e 14º salários), e que 29 do TJ/SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo) receberam “pagamentos antecipados” de até R$ 600 mil, enquanto seus colegas da justiça trabalhista do Estado do Rio de Janeiro, também a título de antecipação, até R$ 1,5 milhão. E no jornal “O Globo”, na edição de 23 de janeiro, que são mais de 22 mil cargos ocupados no governo federal por pessoas cujo único requisito seja a identificação a algum partido aliado.

Por isso precisamos também de heróis. Que façam o que seja justo e certo apenas porque é o que deve ser feito. Do contrário, tragédias como as das chuvas, ou da falta delas, vão se repetir, e o dinheiro público, que vem dos nossos impostos, continuará a pagar trabalhadores desqualificados ou alguma vantagem para determinada categoria especial de servidores públicos, supostamente melhores que os demais. Daí que beira ao ridículo a insistência de alguns vereadores em manter o aumento do número de cadeiras para a próxima legislatura, o que só aumentaria o gasto com o legislativo e não, necessariamente, elevaria a qualidade dos trabalhos. Afinal, se tem tanta coisa errada no Brasil, porque não começar a consertar justamente pelas Câmaras Municipais? Não tenho dúvida de que serão heróis os vereadores que abraçarem essa idéia.

(*) Vladimir Polízio Júnior, 41 anos, é defensor público

(vladimirpolizio@gmail.com)

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



Nós funcionários públicos temos o privilégio de visualizar os desmandos do governo de forma mais clara do que o restante da sociedade. Infelizmente nossa condição muitas vezes nos impede de tomar medidas que seriam necessárias, pois a politicagem visa punir aqueles que se levantam contra a corrupção e impunidade. Parabéns pela coragem de escrever o artigo Defensor.
 
carlos de moraes em 24/01/2012 09:08:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions