A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

02/03/2011 10:32

Prestação de serviços, alavanca da empregabilidade

Por Vander Morales (*)

Nos últimos anos, a prestação de serviços terceirizados e temporários tem demonstrado todo seu potencial na inserção de trabalhadores formais no mercado.

Números divulgados pela última pesquisa do IBGE revelam que a atividade, entre 2003 e 2010, liderou o avanço das vagas formais, com um crescimento de 36,5%. Só a Terceirização empregou mais de 1,5 milhão de pessoas entre 2009 e 2010.

A pesquisa mostrou que há no Brasil, hoje, 37 milhões trabalhadores formais -vale dizer, com carteira assinada. Destes, 22,2% do total - 8,2 milhões - são trabalhadores empregados nas empresas prestadoras de serviços especializados.

Além disso, o segmento abriga hoje cerca de 68% de seus trabalhadores com carteira assinada, percentual que superou o da indústria, sendo esta considerada a atividade que mais formaliza seus empregados. Vale lembrar que, no passado, contratou diretamente com carteira 66,7% das vagas que ofereceu.

Os números mostram que, mais do que uma tendência, a prestação de serviços especializados é uma realidade no Brasil atual - uma modalidade que contribui para a formalização do mercado de trabalho, amplia o mercado formal, moderniza as relações de trabalho, agregando eficiência ao processo produtivo brasileiro e, como consequência, eleva a competitividade das empresas nacionais frente aos seus agressivos concorrentes internacionais.

Há muito, o trabalho temporário se transformou em porta de entrada para o mercado, sobretudo para os jovens em situação de primeiro emprego e aos mais maduros que, desempregados há tempos, encontram na atividade um caminho seguro em sua reinserção na vida produtiva em sociedade.

No ano passado, a demanda por temporários se situou em média mensal que superou 900 mil pessoas/dia. Não por acaso, nosso País é o quarto no ranking desta modalidade, atrás apenas de Estados Unidos, Japão e Reino Unido.

É nos picos das datas sazonais que esta demanda mais se intensifica, sobretudo no comércio. No último Natal, por exemplo, 140 mil vagas foram criadas, com duas características particularmente auspiciosas: quase 40 mil foram efetivados depois das festividades de final de ano e cerca de 30% dos temporários são jovens que conseguiram seu primeiro emprego. Mas a busca por esses trabalhadores começa nas indústrias muito antes.

Por exemplo, levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa Manager, a pedido da Asserttem/Sindeprestem, revelou que, desde setembro último, a indústria brasileira do chocolate, a terceira maior do mundo (somente os EUA e a Alemanha fabricam quantidade maior do produto e seus derivados), vem buscando temporários para a Páscoa, outra das datas que mais os demandam.

A pesquisa mostra que, no ano em curso, indústria, comércio e serviços voltados para este segmento vão empregar 70 mil pessoas em regime temporário, 10,5% a mais do que o registrado na Páscoa do ano passado.

Destes, em torno de 22% têm sua primeira experiência profissional e, mais relevante, cerca de 30% serão efetivados passada a sazonalidade da data.

Todos estes dados demonstram uma realidade inequívoca: a prestação de serviços temporários e/ou terceirizados alcançou no Brasil maturidade inquestionável. Hora, portanto, de corrigir distorções inadmissíveis frente aos fatos.

Por exemplo, as leis que regulamentam o Trabalho Temporário estão superadas, dando margens para interpretações dúbias, quando não equivocadas.

Quanto à Terceirização, o problema é ainda mais grave. Vivemos sob um intolerável vácuo jurídico, que afeta a todos - empresas tomadoras ou trabalhadores.

Afeta principalmente as prestadoras de serviços, na sua imensa maioria empreendimentos sérios, pois a ausência de legislação só traz benefícios a poucas empresas inidôneas, cuja ação deletéria prejudica as relações de trabalho e reforça a inaceitável concorrência desleal contra empreendedores idôneos do segmento.

Outra questão que preocupa sobremaneira, e que começa a se tornar um empecilho ao já comprovado potencial do que a prestação de serviços especializados pode fazer para ampliar ainda mais o mercado formal do trabalho, diz respeito à baixa qualificação e à precária formação educacional do trabalhador brasileiro.

O problema é comum a praticamente todos os setores da economia. Para nossa atividade, porém, é particularmente inquietante, de vez que nosso diferencial está exatamente na especialização dos trabalhadores.

Não é segredo que o País convive há décadas com atrasos que impedem a ampliação da empregabilidade de nossos trabalhadores. Ocupamos a 56ª. posição entre os países pesquisados pelo Programa Mundial de Avaliação da Educação (PISA).

Resultado mais evidente: a informalidade no Brasil chega a 40%, ante 16,5% na média de países emergentes, segundo dados do Banco Mundial. O que gera consequência inquietante: mais de 1,7 milhão de vagas de trabalho oferecidas no País em 2009 não foram preenchidas.

Estas são algumas das questões que clamam por urgentes respostas para que a prestação de serviços especializados possa seguir sua vocação de alavanca na busca pela ampliação do mercado de trabalho.

Trata-se, estou convencido, de uma enorme tarefa que só poderá ter efetividade se todos os envolvidos – autoridades, empreendedores privados e representantes de trabalhadores – encontrarem, juntos, mecanismos de ação que, de fato, façam avançar as conquistas alcançadas.

(*) Vander Morales é presidente da Asserttem (Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário) e do Sindeprestem (Sindicato das Empresas de Prestação de Serviços a Terceiros, Colocação e Administração de Mão de Obra e de Trabalho Temporário no Estado de São Paulo).

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions