A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

23/03/2014 14:30

Prevenção e tratamento para as úlceras venosas

Por Antonio Rangel (*)

As úlceras venosas, também chamadas de varicosas, correspondem a cerca de 80% das feridas que acometem pernas e pés. É causada pela má circulação sanguínea, consequência, na maioria dos casos, de fatores genéticos. Mulheres, sedentários ou pessoas que costumam ficar muito tempo em pé têm mais probabilidade de desencadear o problema precocemente.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Em razão de uma dificuldade do retorno do fluxo sanguíneo dos membros inferiores para o coração acontece a estagnação do sangue nas pernas, ocasionando varizes e inchaço, o que prejudica a oxigenação dos tecidos. Nessa situação, o local fica mais suscetível e até mesmo um leve traumatismo pode resultar em uma ferida, que pode evoluir para uma condição crônica conhecida como úlcera.

A dor é um sintoma comum e pode ser de intensidade variável e não é influenciada pelo tamanho da lesão. A pessoa costuma sentir mais desconforto se estiver em posição habitual e a elevação das pernas pode ajudar a diminuir o incômodo. É muito importante ficar atento ao aumento da dor, pois pode indicar infecção.

Em geral, a úlcera venosa é uma ferida que apresenta forma irregular, superficial no início, mas podendo se tornar profunda. Tem bordas irregulares e com a presença de exsudato (líquido das feridas) amarelado.

Úlceras venosas são feridas de difícil tratamento, podendo demorar meses e até anos para cicatrizar, comprometendo a qualidade de vida dos pacientes. Outra característica das úlceras venosas é que são feridas que demoram bastante para cicatrizar, por isso comprometem a qualidade de vida. A boa notícia é que hoje, com a evolução dos tratamentos e curativos, existem no mercado produtos que ajudam a acelerar o processo de cicatrização, diminuindo os incômodos.

Para obter essa cura mais rapidamente, o curativo precisa manter a lesão úmida, garantir as trocas gasosas, permitir a drenagem das secreções, não causar alergia e nem deixar resíduos. Isso tudo, além de acelerar a cicatrização, também contribui para a diminuição da dor e do desconforto no local.

(*) Antonio Rangel é enfermeiro estomaterapeuta (especializado em feridas) da Membracel

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions