A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

04/04/2014 15:28

Qual o pecado da carne?

Por Pedro Pedrossian Neto

O Brasil assistiu, desde 2005, uma mudança substancial no tratamento das questões sanitárias relativas à criação de gado de corte. Com o surgimento do foco de febre aftosa na fronteira do MS, o mundo fechou-se para nossas exportações, deflagrando uma crise sem precedentes na economia do Estado. O combate a esta doença, antes vista por outras administrações como um problema menor – pois em geral não mata o animal, apenas o emagrece, e tampouco se transmite ao ser humano –, passou a ser a prioridade máxima da política sanitária. Em resposta, arregaçamos as mangas, investimos em tecnologia, controle e vigilância, e hoje o MS dispõe de um sistema elogiado por especialistas e reconhecido por instituições internacionais, como a Organização Mundial para Sanidade Animal – OIE.

Veja Mais
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
Elementos da teoria da decisão

A mácula da reputação, no entanto, ainda nos persegue e assombra. Apesar de vender carne bovina para mais de 150 países, diversos mercados importantes ainda se encontram fechados para o Brasil e para o MS. Este é o caso, por exemplo, dos Estados Unidos, da China, do Japão, da Coréia do Sul e da Indonésia. Juntos, estes cinco países somam uma população de aproximadamente 2 bilhões de pessoas, ou seja, quase 1/3 do planeta. Considerando o consumo per capita médio de carne bovina de cada país, estima-se que tais países consumam todo ano cerca de 20,7 milhões de toneladas de carne – o que equivale a 69 milhões de animais (cerca de 3 vezes o rebanho do MS).

Fazendo as contas, se o Brasil alcançasse modestos 10% destes mercados – o que não é impossível, já que nosso preço é competitivo –, as exportações brasileiras cresceriam nada menos do que US$ 9 bilhões – um salto de 136%. Para se ter uma ideia, nos EUA o preço médio da carne é de US$ 7,00 por quilo, enquanto o preço médio da carne exportada pelo Brasil é 40% menor. Não é difícil, portanto, supor que tomaríamos boa parte deste valioso mercado se houvesse abertura. Para o MS, que exporta cerca de 23% do total brasileiro, haveria um incremento nas exportações anuais de US$ 2,1 bilhões, isto é, um ganho de quase 10% do PIB estadual.

Mas essa é uma visão estática. Se projetarmos o crescimento ao longo do tempo os números são ainda mais impressionantes. O chinês ingere, em média, 7,5 quilos de carne bovina por ano. É muito pouco comparado ao padrão brasileiro, de 37 quilos, e estima-se que chegue a 10 em menos de uma década devido ao acelerado crescimento da renda. Pela escassez de terras, provavelmente a maior parte desta demanda terá que vir de importações e, se 50% deste adicional de 2,5 quilos vier do Brasil, aumentaríamos nossas vendas em US$ 5,8 bilhões, ou seja, quase dobraríamos a exportação só com a China.

Há uma semana, a propósito de abrir o mercado asiático para as exportações de carne do MS, estivemos em Brasília com o embaixador de um importante país da região – um senhor simpático que, não obstante nos receber bem, foi pouco solícito em atender a nossa causa. Disse, com sua lábia diplomática: “para abrir uma porta, é preciso bater; continue batendo...”. Saí da reunião convicto de que devemos bater mais vezes e mais forte – e, se necessário for, usar um pé-de-cabra para desemperrá-la.

Como justificativa para restringir o comércio, estes países alegam que o Brasil é livre da febre aftosa apenas por intermédio da vacinação, muito embora não existam indícios científicos que sustentem o perigo de ingestão de carne proveniente de animais vacinados. Não consta que os membros das embaixadas destes países evitem nossas churrascarias com medo da procedência da carne. Trata-se, em português claro, de puro e simples protecionismo: usar uma barreira sanitária – ainda que tecnicamente insustentável – para favorecer a defesa do mercado local, violando as regras da Organização Mundial do Comércio.

Outra regra internacional de comércio desrespeitada por estes países é o chamado “princípio da regionalização”, que é garantido pelos tratados internacionais de comércio. Vejam a distorção: quando, por exemplo, ocorre um problema sanitário na Bélgica, as exportações da Alemanha continuam em vigor – pois obviamente são países diferentes, muito embora fronteiriços; entretanto, quando há um problema isolado no Paraná, fecham-se as exportações do MS e de todos os Estados brasileiros, mesmo que estes estejam muitas vezes a milhares de quilômetros de distância. Ora, o Brasil é um país continental dentro do qual cabe toda a Europa, mas a má vontade, cara ao protecionismo, reluta em enxergar a realidade sanitária particular a cada região nacional.

Talvez tenha chegado o momento de fazermos –produtores, indústria frigorífica, especialistas, governos estadual e federal – uma discussão mais ampla sobre a estratégia de acesso a estes mercados. O descumprimento das regras internacionais de comércio, por parte de alguns países, impõe ao Brasil e ao MS uma injusta barreira ao desenvolvimento. No passado, o Itamaraty logrou êxito ao levar ao órgão de solução de controvérsias da OMC os casos do algodão, do frango, do suco de laranja, entre outros. Quem sabe não seja o momento de endurecer o jogo e comprar a briga pela abertura do mercado mundial de carne bovina?

(*) Pedro Pedrossian Neto, 32, economista, é mestre e professor de Economia Política pela PUC-SP e superintendente de indústria da Seprotur de MS.

Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...
Embarque comprometido
O Brasil está entre os cinco melhores mercados de aviação doméstica, mas há quase dois anos vem perdendo demanda por conta do cenário econômico. Só e...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions